Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Terceirizando uma ideia de quinta

No século do Murici, as enormes vantagens de acabar com os vínculos

Essa coisa de carteira assinada, férias, décimo terceiro é um resíduo maldito do século XX, precisa ficar para trás. Foto de Luiz Souza/NurPhoto
Essa coisa de carteira assinada, férias, décimo terceiro é um resíduo maldito do século XX, precisa ficar para trás. Foto de Luiz Souza/NurPhoto

Genial essa terceirizacão do Temer. É disso que o Brasil precisa. Essa coisa de carteira assinada, férias, décimo terceiro é um resíduo maldito do século XX, precisa ficar para trás. O século XXl é o século do Murici, cada um cuida de si. Patrão ficar de babá de empregado só atrasa a marcha do país rumo ao primeiro mundo.

O presidente está certo em espalhar, incentivar a terceirização em todos os campos.

Essa história de “na saúde e na doença, na alegria e na tristeza” é mais ultrapassada do que Barrichello em reta de Grande Prêmio. Se o cônjuge/colaborador traz alegria e saúde, tudo bem, mantém o vínculo, mas se ele começar a atrapalhar com doença e tristeza, tem que trocar!

Exército, por exemplo: por que não demitir todos esses militares vagabundos e contratar mercenários? Levou um tiro, não consegue continuar na batalha? Joga na lixeira e contrata outro. Chega desse paternalismo anacrônico de cuidar dos feridos, atitude condenável que só traz déficit nas contas. E mais, terceirizando você pode usar a globalização a seu favor. Um general russo com experiência em invasões pode nos ajudar a tomar conta da Bolívia, por exemplo. É claro que no meio da batalha os bolivianos podem cobrir nossa proposta e o russo mudar de lado, é um risco, mas o risco faz parte do capitalismo moderno.

Casamentos: por que não terceirizar? Essa história de “na saúde e na doença, na alegria e na tristeza” é mais ultrapassada do que Barrichello em reta de Grande Prêmio. Se o cônjuge/colaborador traz alegria e saúde, tudo bem, mantém o vínculo, mas se ele começar a atrapalhar com doença e tristeza, tem que trocar! Problema dele, não seu! A vida é muito curta para perder tempo com gente defeituosa. Manda de volta para a fábrica e pega outro novinho. Viva!

O futebol é outra área onde a medida do Temer vai ser fundamental. Os times brasileiros só têm a ganhar. Atacante devia ser terceirizado, é uma posição que dá muito problema, o cara se machuca toda hora, fica um tempo sem fazer gol, com salário então, aí é que o sujeito se acomoda mesmo. O Flamengo, por exemplo, podia terceirizar o seu camisa dez. Fez gol continua, não fez, sai. Pra não criar vínculo, o uniforme não poderia ser rubro negro. Camisa verde escura, bem neutra, pra confundir com a grama e não dar na vista. E o atacante terceirizado também não poderia comemorar junto à torcida, pra não afeiçoar. Se fizer gol, vai pro vestiário e só volta quando os torcedores sossegarem.

Goleiro é outra posição que precisa ser modernizada nas relações de trabalho. Tomou gol? Antes do time dar a saída ele já tá demitido, ou melhor, desligado, que demitir é uma palavra que o dpto. de marketing não gosta. Defendeu o pênalti na final do campeonato? Corre pro vestiário pra não criar vínculo. No clube/empresa moderno, o jogador é detalhe, o que importa é a marca, jogador é só atraso e decepção.

E se um time brasileiro consegue ir à final do campeonato mundial de clubes, nada de pagar passagem para esses parasitas. Nada de laços trabalhistas, essa ruína populista. Vão pra final no Japão só o técnico e o presidente do clube, os jogadores serão contratados por lá. Muito mais barato e profissional.

Nossos políticos, sempre na vanguarda, já são terceirizados há décadas: como a lava jato mostrou bem, são todos funcionários da Odebrecht, que dão expediente no governo. Qualquer governo.

São eles a prova maior de como a terceirização funciona às mil maravilhas.

Escrito por Leo Aversa

Leo Aversa

Leo Aversa fotografa profissionalmente desde 1988, tendo ganho alguns prêmios e perdido vários outros. É formado em jornalismo pela ECO/UFRJ mas não faz ideia de onde guardou o diploma. Sua especialidade em fotografia é o retrato, onde pode exercer seu particular talento como domador de leões e encantador de serpentes, mas também gosta de fotografar viagens, especialmente lugares exóticos e perigosos como Somália, Coréia do Norte e Beto Carrero World. É tricolor, hipocondríaco e pai do Martín.

72 posts

2 Comentários

Deixe uma mensagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *