Desastres naturais no mundo quase dobram em 20 anos

Soldados resgatam idosa durante inundação no oeste do Cambodja no fim de semana: inundações foram responsáveis por mais de 40% dos desastres naturais (Foto: STR/AFP)

Relatório da ONU mostra que emergência climática é a principal causa de eventos responsáveis por mais de 1 milhão de mortes

Por Oscar Valporto | ODS 13 • Publicada em 13 de outubro de 2020 - 11:27 • Atualizada em 15 de outubro de 2020 - 09:11

Compartilhe

Soldados resgatam idosa durante inundação no oeste do Cambodja no fim de semana: inundações foram responsáveis por mais de 40% dos desastres naturais (Foto: STR/AFP)

O número de eventos climáticos extremos nos últimos 20 anos quase dobrou nos últimos 20 anos, de acordo com o Escritório da ONU para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR) em relatório publicado na véspera do Dia Internacional para a Redução do Risco de Desastres – 13 de outubro. O documento aponta que os desastres climáticos saltaram de 3.656 eventos (1980-1999) para 6.681 no período de 2000-2019.

Se esse nível de crescimento em eventos climáticos extremos continuar nos próximos 20 anos, o futuro da humanidade parecerá muito sombrio

Debarati Guha-Sapir
Pesquisadora do Centro de Epidemiologia de Desastres da Bélgica

Os pesquisadores – da UNDRR e do Centro de Pesquisa da Epidemiologia de Desastres da Bélgica em afirmam que o aumento significativo nas emergências relacionadas ao clima foi a principal razão para o aumento, com as inundações sendo responsáveis por mais de 40% – afetando 1,65 bilhão de pessoas – tempestades 28%, terremotos (8%) e temperaturas extremas (6%). “As agências de gestão de desastres conseguiram salvar muitas vidas por meio de uma melhor preparação e da dedicação de funcionários e voluntários. Mas as probabilidades continuam a ser contra eles, em particular por nações industrializadas que estão falhando miseravelmente na redução das emissões de gases de efeito estufa ”, disse a diplomata japonesa Mami Mizutori, chefe da UNDRR na apresentação do relatório.

No evento em Genebra para jornalistas, Mami Mizutori disse que a duplicação dos eventos climáticos extremos nos últimos 20 anos mostra a necessidade de uma nova abordagem para gerenciar o risco de desastres se o mundo quiser limitar as perdas por desastres, acrescentou ela. “Podemos tenta nos isolar da covid-19, de uma forma ou de outra, não podemos nos isolar desses eventos climáticos extremos de altas temperaturas mesmo em países desenvolvidos, quanto mais em países em desenvolvimento”, observou a chefe da UNDRR.

A pesquisadora Debarati Guha-Sapir, do Centro de Pesquisa em Epidemiologia de Desastres da Universidade de Louvain, na Bélgica, disse que “as ondas de calor serão nosso maior desafio nos próximos 10 anos, especialmente nos países pobres”. Ela lembrou que as temperaturas seguem subindo em todo o mundo. “Se esse nível de crescimento em eventos climáticos extremos continuar nos próximos 20 anos, o futuro da humanidade parecerá muito sombrio”, acrescentou a pesquisadora.

o triste é que somos deliberadamente destrutivos. E essa é a conclusão deste relatório; a covid-19 é apenas a prova mais recente de que os políticos e líderes empresariais ainda não se sintonizaram com o mundo ao seu redor

Mami Mizutori
Chefe do Escritório para Redução de Riscos de Desastres da ONU

No total, entre 2000 a 2019, ocorreram 7.348 grandes desastres, que provocaram a morte de 1,23 milhão de pessoas, afetaram 4,2 bilhões (muitos em mais de uma ocasião) e resultaram em aproximadamente US$ 2,97 trilhões (R$ 17 trilhões) em perdas econômicas globais. Este é um aumento acentuado – quase o dobro –  em relação aos vinte anos anteriores. Entre 1980 e 1999, 4.212 desastres foram associados a desastres naturais em todo o mundo, ceifando aproximadamente 1,19 milhão de vidas e afetando 3,25 bilhões de pessoas, resultando em aproximadamente US $ 1,63 trilhão em perdas econômicas.

Falhas na prevenção

O relatório da UNDRR indica ainda que as nações ricas pouco fizeram para enfrentar as emissões de efeito estufa e o aquecimento global que estão ligadas às ameaças climáticas que constituem a maior parte dos desastres atuais. “Em um mundo onde a temperatura média global em 2019 era 1,1 grau Celsius acima do período pré-industrial, os impactos estão sendo sentidos no aumento da frequência de eventos climáticos extremos, incluindo ondas de calor, secas, inundações, tempestades de inverno, furacões e incêndios florestais”, afirma a UNDRR no documento.

Casas destruídas pela passagem do furacão Delta no estado americano da Louisiana: 2020 registra temporada recorde de furacões (Foto: Mario Tama/AFP)
Casas destruídas pela passagem do furacão Delta no estado americano da Louisiana: 2020 registra temporada recorde de furacões (Foto: Mario Tama/AFP)

Mami Mizutori acrescentou ser “desconcertante” que, apesar da promessa feita pela comunidade internacional em Paris em 2015 de reduzir o aumento da temperatura global para 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais, nações continuassem conscientemente “a semear as próprias sementes destruição, apesar da ciência e das evidências de que estamos transformando nossa única casa em um inferno inabitável para milhões de pessoas ”.

O relatório da UNDRR recomenda ação urgente dos governos para melhor administrar “desastres sobrepostos”, citando os impactos da covid-19. Essas ameaças incluem conhecidos incluem conhecidos “fatores de risco”: pobreza, mudanças climáticas, poluição do ar, crescimento populacional em locais perigosos, urbanização descontrolada e perda de biodiversidade.

Como exemplo de riscos climáticos crônicos, que deveriam ser foco de melhores medidas de preparação dos países, o relatório aponta a mudança nos padrões de chuva representa um risco para 70% da agricultura global que depende da chuva e para 1,3 bilhão de pessoas que dependem da degradação terras agrícolas.

A chefe da UNDRR destacou que, apesar de eventos climáticos extremos terem se tornado tão regulares nos últimos 20 anos, apenas 93 países implementaram estratégias de risco de desastres em nível nacional antes do prazo final do ano. “A governança do risco de desastres depende da liderança política acima de tudo e do cumprimento das promessas feitas quando o acordo de Paris e o Quadro de Sendai para Redução do Risco de Desastres foram adotados”, disse Mami Mizutori. “Mas o triste é que somos deliberadamente destrutivos. E essa é a conclusão deste relatório; a covid-19 é apenas a prova mais recente de que os políticos e líderes empresariais ainda não se sintonizaram com o mundo ao seu redor”, acrescentou.

Embora o relatório indique que tem havido algum sucesso na proteção de comunidades vulneráveis ​​de perigos isolados, graças a sistemas de alerta precoce mais eficazes, preparação e resposta a desastres, a UNDRR alerta que aumentos de temperatura globais projetados podem tornar essas melhorias “obsoletas” em muitos países. “É realmente tudo uma questão de governança se quisermos livrar este planeta do flagelo da pobreza, da perda de espécies e da biodiversidade, da explosão do risco urbano e das piores consequências do aquecimento global”, afirmou a pesquisadora Debarati Guha-Sapir.

Atualmente, o mundo está a caminho de um aumento de temperatura de 3,2 graus Celsius ou mais, a menos que os países industrializados consigam reduzir as emissões de gases de efeito estufa de pelo menos 7,2 por cento ao ano nos próximos 10 anos, a fim de atingir a meta de 1,5 grau acordada em Paris.

Oscar Valporto

Oscar Valporto é carioca e jornalista – carioca de mar e bar, de samba e futebol; jornalista, desde 1981, no Jornal do Brasil, O Globo, O Dia, no Governo do Rio, no Viva Rio, no Comitê Olímpico Brasileiro. Está de volta ao Rio após oito anos no Correio* (Salvador, Bahia), onde foi editor executivo e editor-chefe. É criador da página no Facebook #RioéRua, onde publica crônicas sobre suas andanças pela cidade.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *