Iniciativa conecta costureiras a quem precisa de máscaras

Loja online ‘Fashion Masks’ tem ajudado a manter a renda de profissionais autônomas e até de fábricas de roupas

Por Pedro Montenegro | ODS 3ODS 8 • Publicada em 27 de maio de 2020 - 09:24 • Atualizada em 19 de setembro de 2020 - 12:03

Mais de um milhão de máscaras foram produzidas no primeiro mês do Fashion Masks (Foto: Reprodução Fashion Masks)

Mais de um milhão de máscaras foram produzidas no primeiro mês do Fashion Masks (Foto: Reprodução Fashion Masks)

Loja online ‘Fashion Masks’ tem ajudado a manter a renda de profissionais autônomas e até de fábricas de roupas

Por Pedro Montenegro | ODS 3ODS 8 • Publicada em 27 de maio de 2020 - 09:24 • Atualizada em 19 de setembro de 2020 - 12:03

Compartilhe

Quando a prefeitura da cidade de Nova Iguaçu, na região metropolitana do Rio, recomendou à população usar máscaras para se proteger do coronavírus sempre que precisasse sair de casa, a advogada Mariana Alves, de 29 anos, buscou uma maneira de adquirir algumas para si e para a família. Foi aí que ela conheceu a Fashion Masks, uma loja virtual sem fins lucrativos que liga a produção de pequenos negócios de costura a quem precisa se proteger. As costureiras e pequenas fábricas se cadastram no site do projeto e passam a produzir as máscaras de tecido para a iniciativa por meio do sistema de etiqueta aberta: todos os custos e o destino do dinheiro recebido com as vendas são detalhados e não incluem qualquer tipo de lucro para a loja. 

Clique para acompanhar a cobertura completa do #Colabora sobre a pandemia do coronavírus

Cada unidade pode ser comprada por um valor de R$ 9,90; que corresponde à soma de R$ 4, para matéria-prima e mão de obra dos parceiros, outros R$ 4 pelo controle de qualidade, armazenagem e envio, e R$ 1,90 referente a embalagem e impostos. Pedidos de cinco ou dez máscaras possibilitam redução do preço unitário. Desenvolvida pelos empresários Vitor Gomes e Brenno Faro, a ação já entregou mais de 1 milhão de máscaras e auxilia mais de 60 pequenos negócios do setor têxtil, espalhados pelo Sul e Sudeste do país.

A advogada Mariana Alves virou cliente da Fashion Masks (Foto: Divulgação)

“Desde o início da quarentena, máscaras e álcool em gel já estavam esgotados nas farmácias da cidade. Eu comecei a procurar máscaras na internet e o Fashion Masks apareceu no meu Instagram. Gostei muito da iniciativa de ajudar as costureiras que estão passando dificuldade diante desta pandemia e comprei cinco unidades”, conta Mariana.

Segundo Vitor Gomes, o desafio inicial foi formar a rede de costureiras e o sistema que gerencia site, logística e transportadora: “Nós compramos as máscaras dos parceiros e as revendemos no site. As costureiras mandam lotes grandes para o nosso centro de distribuição e, de lá, nós fazemos os envios de forma profissional, obedecendo os prazos de entrega. Foi a forma mais fácil que encontramos de tirar o projeto do papel, com a venda das máscaras no site começando três dias depois de iniciarmos o movimento”, explica Vitor.

Depois de um um mês de atividade, o ‘Fashion Masks’ passou a adotar um novo modelo em que fornece os insumos das máscaras para os parceiros, também sem receber lucro. 

“Começou a faltar tecido 100% algodão e elástico, no mercado. Com nosso novo modelo, conseguimos facilitar e padronizar a produção de todos os parceiros. Agora eles recebem os insumos a preço de custo, com o tecido já cortado na mesma modelagem e cor branca. Faz uma grande diferença para eles continuarem trabalhando”, conta o empresário. 

As máscaras compradas por Mariana são produzidas em núcleos de parceiros como o formado por Carolina Bento, 26 anos, e a tia Roseli Del Freu, aposentada e costureira, de 59 anos, na cidade de São Paulo. A jovem criou o perfil RC Mask no Instagram e, por meio dele, vendeu 40 máscaras feitas pela tia. Depois de firmar parceria com o ‘Fashion Masks’, as duas receberam um pedido de 2.500 unidades.  

“Eu estou sem renda. Minha tia tem o dinheiro da aposentadoria, mas a venda das máscaras ainda ajuda. Está todo mundo prejudicado com a crise. Eu tinha saído do meu emprego de auxiliar financeira e estava fazendo entrevistas quando a pandemia parou tudo. O dinheiro da venda para o Fashion Masks vai dar um bom respiro para nós duas”, diz Carolina.

Carolina Bento e a tia Roseli Del Freu: as duas passaram a produzir máscaras durante a pandemia (Foto: Acervo pessoal)

A fábrica de uniformes profissionais Brenneke, no Rio de Janeiro, é outro tipo de núcleo parceiro do projeto. Com o início da crise causada pelo coronavírus, pedidos e pagamentos foram postergados, e a fábrica paralisou atividades durante 15 dias. De acordo com o consultor da Brenneke, Anderson Feitosa, o faturamento da empresa sofreu um impacto de aproximadamente 70%. Após estabelecer parceria com o ‘Fashion Masks’, a fábrica forneceu 3 mil máscaras para a iniciativa.  

“A parceria com o Fashion Masks possibilitou que a Brenneke olhasse com mais atenção para o cenário de venda de máscaras. Tínhamos uma carteira de clientes de uniformes e também conseguimos atender à necessidade dessas empresas pelos itens de proteção. Hoje, 90% da nossa capacidade produtiva está voltada para máscaras e já entregamos 100 mil unidades entre diversas empresas. A venda delas gera a receita que paga nossas despesas, principalmente a folha de pagamento, e, por isso, não demitimos funcionários”, explica Anderson.     

Anderson na fábrica de uniformes profissionais Brenneke, no Rio de Janeiro: máscaras viraram alternativa para manter a produção (Foto: Divulgação)

De acordo com a Pesquisa “O impacto da pandemia de coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com mais de 6 mil empresários brasileiros, o segmento da moda já teve uma queda de 77% no faturamento semanal, em comparação com o período que antecedeu a crise do coronavírus. Entre as atividades econômicas mais vulneráveis, o comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios é a que concentra a maior quantidade de pequenos negócios no país: mais de 1 milhão.

Um dos idealizadores do ‘Fashions Masks’, Brenno Faro teve a ideia do projeto depois de assistir a um vídeo da ação #Masks4All, da República Tcheca, que explica como a confecção de milhares de máscaras caseiras e a distribuição gratuita entre as pessoas reduziu a dispersão do coronavírus no país. O ministro da saúde tcheco, Adam Vojtech, participa do vídeo e indica que os demais governos também adotem, em toda a população, o uso de máscaras faciais, mesmo as caseiras.  

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária indicou que os brasileiros confeccionassem as próprias máscaras feitas de tecido para se protegerem do novo coronavírus. Segundo a Anvisa, a orientação tem como objetivo evitar que a população compre máscaras profissionais e esgote os recursos prioritariamente destinados aos agentes da saúde. No entanto, a falta de equipamentos de costura ou de tecido pode ser um empecilho para quem deseja aderir à alternativa.

Embalagem das máscaras da iniciativa: tudo padronizado (Foto: Divulgação)

As máscaras de tecido funcionam como uma barreira física contra a propagação da doença porque são feitas com duas camadas de pano, assim reforçam a proteção contra o vírus exalado ou inalado no ambiente quando utilizadas de maneira adequada. De acordo com o Ministério da Saúde, o uso da máscara é individual. Se ficar úmida, deve ser trocada. É importante também que seja lavada pelo próprio dono com sabão ou água sanitária e fique de molho por pelo menos 30 minutos.          

Produzidas nos núcleos parceiros do ‘Fashion Masks’, as máscaras são encaminhadas para o centro de distribuição do projeto, na cidade de São Paulo, e enviadas para clientes como Mariana.

“Tenho usado as máscaras para ir a todos os lugares que preciso, como mercado e farmácia. Gostei muito da iniciativa principalmente porque, ao ajudar, também protejo a mim e a minha família”, explica Mariana.

Pedro Montenegro

Estudante de jornalismo da PUC-Rio, foi estagiário do Canal Futura e do jornal esportivo LANCE!

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

4 comentários “Iniciativa conecta costureiras a quem precisa de máscaras

  1. Vitor disse:

    Infelizmente o projeto Fashion Masks não é confiável, não entrega os produtos nem responde os consumidores, aconteceu com dezenas de pessoas, podem verificar nas redes sociais e no reclame aqui. Pensem melhor ao associar o projeto de vocês a esses nomes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *