Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Tragédia anunciada: Baía de Guanabara sofre grave derramamento de óleo

Investigação aponta que vazamento foi causado por tentativa de furto de combustível; desde 2017, Inea recebeu seis denúncias do mesmo crime, com danos ao ecossistema


Imagem mostra o óleo derramado na baía neste domingo - 9/12 (Foto ICMBIO)
Imagem mostra o óleo derramado na baía neste domingo – 9/12 (Foto ICMBIO)

Quase dezenove anos depois de sofrer um grave acidente ambiental, a Baía de Guanabara voltou a ter suas águas tingidas por enorme quantidade óleo. Na tarde de sábado, dia 8/12, milhares de litros vazaram de um duto da Transpetro, em Magé, região Metropolitana do Rio. As investigações apontam, até o momento, para acidente decorrente de uma tentativa de furto de combustível a aproximadamente 3 quilômetros da foz do Rio Estrela. De acordo com a subsidiária da Petrobras, foram mobilizados todos os recursos necessários para recolher o produto e realizar a limpeza e recuperação das áreas atingidas.

É um acidente de grandes proporções. A cena que eu presenciei foi desoladora: óleo concentrado com lixo principalmente na foz do Rio Estrela. A mancha de óleo está quase chegando a Paquetá. Ainda não sabemos se é óleo diesel ou bruto

Maurício Muniz
Chefe da APA de Guapi-Mirin

Em sobrevoo ao local do vazamento, neste domingo, o chefe da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapi-Mirim, Maurício Muniz disse que este é o pior derramamento de óleo que ele já presenciou desde que começou no órgão, há dez anos. O último acidente grave aconteceu em 18 de janeiro de 2000, quando 1,3 milhão de litros vazaram pela Baía de Guanabara.

Equipe trabalhando às margens do Rio Estrela (Foto Associação Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabar)
Equipe trabalhando para drenar o óleo às margens do Rio Estrela (Foto Associação Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara)

“Em dez anos é o pior acidente, sem dúvidas. O óleo caiu numa área de mangue, então é algo que preocupa bastante. É um acidente de grandes proporções. A cena que eu presenciei foi desoladora: óleo concentrado com lixo principalmente na foz do Rio Estrela. A mancha de óleo está quase chegando a Paquetá. Ainda não sabemos se é óleo diesel ou bruto. Vínhamos manifestando preocupação sobre esses episódios de furtos de combustível aos órgãos competentes. Infelizmente aconteceu o pior”, lamentou Maurício Muniz, completando: “A Baía ainda não se recuperou totalmente desde 2000, e agora sofre com mais esse episódio. É uma degradação constante”.

O rio Estrela tomado por óleo neste domingo - 9/12 (Foto ICMBIO)
O rio Estrela tomado por óleo neste domingo – 9/12 (Foto ICMBIO)

A tragédia vinha se desenhando. De acordo com Marcos Lima, presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), o órgão ambiental recebeu, em dois anos, somente na bacia hidrográfica da Guanabara, pelo menos seis denúncias de vazamentos que tenham causado danos ambientais decorrentes de ações de quadrilhas especializadas em roubos de combustíveis em tubulações. Fontes ouvidas pelo #Colabora confirmam que as ações desses grupos têm se intensificado nos últimos anos. Em 15 de janeiro deste ano, o furto de diesel de uma das tubulações da Transpetro, em Tinguá, Nova Iguaçu, resultou em vazamento de 84.500 litros de diesel no Rio Iguaçu e num córrego afluente do Rio Tinguá. O histórico recente fez a Transpetro firmar uma parceria com o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio.

Seguranças particulares nos impediram de chegar ao local. Eles disseram que havia sido uma tentativa de furto. Há um canteiro de obras ativo, às margens do Rio Estrela. Possivelmente será o pior vazamento desde 2000

Alexandre Anderson
presidente da Associação Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara

O pescador Alexandre Anderson, presidente da Associação Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara (Ahomar), disse que o local onde ocorreu o vazamento está isolado:

“Seguranças particulares nos impediram de chegar ao local. Eles disseram que havia sido uma tentativa de furto. Há um canteiro de obras ativo, às margens do Rio Estrela. Possivelmente será o pior vazamento desde 2000”.

Nesta segunda-feira, equipes da APA de Guapi-Mirim farão novas vistorias em áreas de manguezal, pois há potencial impacto em várias regiões  da Guanabara. O delegado da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), Antônio Ricardo Lima Nunes, disse que a polícia especializada não havia sido chamada para ir ao local do vazamento até às 19h do domingo.

Entre os séculos XVII e XVIII, o Rio Estrela, divisa de Magé com Duque de Caxias, já foi usado como uma importante via de transporte fluvial para o escoamento da produção de aurífera de Minas Gerais.

APOCALIPSE NOW

PRECISAMOS DE MUITO MAISContinuamos ter de melhorar, e muito mais, quando o assunto é prevenção e combate em acidentes envolvendo ecossistemas de tamanha importância sócio-econômica e ambiental como é o caso dos manguezais.A situação melhorou bastante desde os grandes vazamentos de 1997 e 2000, quando praticamente asfaltaram a baía de Guanabara, mas pelo resultado observado nesse domingo – 09/12/2018, a empresa responsável, independente de qual seja a causa do vazamento, continua deixando a desejar quando o objetivo tem que ser, evitar a chegada de óleo nos manguezais, e isso, a empresa continua devendo.A minha pergunta é, e agora, como é que fica a conta para com os manguezais? Mais uma vez vai ficar o dito pelo não dito?IMAGENS: PROJETO OLHOVERDE/MOSCATELLI – INSTITUTO MANGUEZAIS

Posted by Mario Moscatelli 1 on Sunday, December 9, 2018


Escrito por Emanuel Alencar

Jornalista formado em 2006 pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou nos jornais O Fluminense, O Dia e O Globo, no qual ficou por oito anos cobrindo temas ligados ao meio ambiente. Atualmente, é editor de Conteúdo do Museu do Amanhã. Tem pós-graduação em Gestão Ambiental e cursa o mestrando em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Apaixonado pela profissão, acredita que sempre haverá gente interessada em ouvir boas histórias.

35 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *