Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Facebook censura quadros de pintores famosos

Vídeo do #Colabora com quadros de Picasso, Dalí e Bosch é retirado do ar por rede social


O quadro “Nu, folhas verdes e busto”, de Pablo Picasso, que foi arrematado num leilão por mais de U$S 100 milhões, fazia parte do vídeo censurado. Foto reprodução
O quadro “Nu, folhas verdes e busto”, de Pablo Picasso, que foi arrematado num leilão por mais de U$S 100 milhões, fazia parte do vídeo censurado. Foto reprodução

A polêmica envolvendo arte e nudez no Brasil agora chegou ao Facebook. Mas não apenas nos comentários, compartilhamentos e likes. Na manhã desta quarta-feira, 4 de outubro, os responsáveis pela rede social no Brasil decidiram tirar do ar um vídeo produzido pelo Projeto #Colabora que mostrava 11 quadros com nus artísticos criados por pintores famosos como Picasso, Dalí e Bosch. A publicação estava no ar desde segunda-feira, dia 2 de outubro, e já havia alcançado mais de 15 mil visualizações, centenas de compartilhamentos e dezenas de comentários.

“São obras muito conhecidas, que estão expostas nos melhores museus do mundo, alguns valem milhões de dólares. O quadro “Nu, folhas verdes e busto”, do Picasso, por exemplo, foi arrematado num leilão por mais de U$S 100 milhões. Não dá para entender essa decisão do Facebook”, lamenta Agostinho Vieira, editor do site.

Procurado pelo #Colabora, até o início da tarde, o Facebook não havia se manifestado. A mensagem enviada para o projeto com a informação sobre a censura ao vídeo citava uma violação aos termos de uso: “Você carregou um vídeo que viola os Termos de uso do Facebook. Após analisar o vídeo, decidimos removê-lo. O Facebook remove os vídeos denunciados como contendo mensagem de ódio, ameaçadores, com imagens explícitas de sexo e violência ou que agridam um indivíduo ou grupo. Removemos também vídeos que não sejam pessoais, pois eles não foram criados por você e seus amigos e vocês não fazem parte dele. O uso indevido recorrente dos recursos do Facebook pode resultar na desativação de sua conta”.

"O Nascimento de Vênus", de Sandro Botticelli, pintado em 1485. Foto reprodução
“O Nascimento de Vênus”, de Sandro Botticelli, pintado em 1485. Foto reprodução

Todos os quadros inseridos no vídeo estavam com os respectivos nomes, autores e datas em que foram pintados. Apesar de não deixar claro o que motivou a decisão, a censura da rede social certamente se baseou na reclamação de alguns usuários e acaba sendo mais um capítulo da polêmica envolvendo arte e nudez no Brasil. No início de setembro, a exposição “Querermuseu” foi cancelada em Porto Alegre após protestos e ataques nas redes sociais e no interior do museu Santander Cultural. Algumas pessoas consideraram a mostra um “incentivo à pedofilia, zoofilia e contra os bons costumes”.

Na semana passada, a performance do artista Wagner Schwartz, no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, também gerou polêmica. Um vídeo que viralizou no Facebook mostrava uma criança de mais ou menos quatro anos, ao lado da mãe, tocando o pé de um homem nu. A performance chamada “La Bête” foi inspirada em um trabalho de Lygia Clark. “Bichos” é considerada a obra viva da artista, pois sua intenção era de que a arte ultrapassasse os limites da superfície de um quadro.

Em vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito de São Paulo, João Doria, condenou o trabalho de Wagner Schwartz no MAM e a mostra “Queermuseu”. Para ele, as duas seriam “Uma afronta ao direito, à liberdade e, obviamente, à responsabilidade”. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, também pegou carona no factoide e proibiu a realização da exposição “Queermuseu” no Rio: “Aqui no Rio, a gente não quer essa exposição. Saiu no jornal que ia ser no MAR. Só se for no fundo do mar, porque no Museu de Arte do Rio, não”.


2 Comentários

Deixe uma mensagem
  1. O próprio filho da artista Lygia Clark (Eduardo Clark) considerou inadequada a comparação dada a essa performance do artista nu com a obra da artista plástica (mãe dele).

  2. O próprio filho da artista Lygia Clark (Eduardo Clark) considerou inadequada a comparação dada a essa performance do artista nu com a obra da artista plástica (mãe dele). Afirma ele que estão faxendo mercantilismo com a proposta dela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *