Imprimir

Publicado em

Cinco destinos no planeta água

Histórias de brasileiros que trabalham para preservar o bem mais valioso da Terra

© by Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes

Conteúdo de responsabilidade da marca

(Reportagem publicada originalmente no Coca-Cola Journey

Cinco pessoas. Cinco histórias de vida, de transformação, de doação. Cinco habitantes de cinco estados brasileiros localizados nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste. O que todos têm em comum? Água. Melhor: o lento processo de conscientização para a urgência de se tomar medidas para evitar seu desaparecimento num futuro próximo. Com idades entre 40 e 54 anos, essas pessoas passaram por processos de descoberta que modificaram suas vidas e a das comunidades à sua volta. Mais que apenas acumular saberes de ordem prática, percorreram os caminhos nem sempre tranquilos da autodescoberta.

Assim aprenderam a valorizar o bem mais precioso da Terra e compreenderam a necessidade de passar adiante seus conhecimentos. A cada dia, aumentam a comunidade de gente consciente da importância da sustentabilidade. Não a sustentabilidade abstrata, a palavra usada em discursos vazios que se dissolvem no vácuo. Não. Esses cidadãos tomaram para si a tarefa de defender a vida, a sua, a dos seus e a de seres humanos que jamais conhecerão. Ao assumir esta responsabilidade, defendem o planeta. E tornam-se líderes. Cada um deles foi relacionado a um elemento essencial para a existência da água: floresta, nuvem, chuva, nascente e rio. E todos estão na série de documentários “Terra molhada”, que conta um pouco sobre projetos de parceiros da Coca-Cola Brasil. Quer conhecer suas histórias? Vamos lá.

De madeireiro a protetor da floresta amazônica: conheça a história de um líder comunitário

Cinco destinos no planeta água: histórias de brasileiros que trabalham para preservar o bem mais valioso da Terra
Roberto Brito de Mendonça abandonou a atividade de madeireiro e, hoje, luta pela preservação das matas que cercam a comunidade Tumbira, à beira do Rio Negro, no Amazonas. (Foto: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Com vida marcada pela falta d’água, morador do interior do Ceará hoje ajuda a gerir sistema de abastecimento hídrico

Morador do interior do Ceará hoje a gerir sistema de abastecimento hídrico
Com vida marcada pela escassez de água, Miguel Silveira Neto é, hoje, operador de água do Sistema Integrado de Saneamento Rural (Sisar). (Foto: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Tecnologia é aliada do uso consciente da água em lavoura no Espírito Santo

Tecnologia é aliada do uso consciente da água em lavoura no Espírito Santo
Há 25 anos, Valfredo Luiz, o Neco, planta goiaba no terreno que pertence a sua família há mais de cem anos em Tancredo, no Espírito Santo (Foto: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Agrônomo ensina crianças no sertão da Bahia a plantarem mudas de árvores e a valorizarem a natureza

Agrônomo ensina crianças no sertão da Bahia a plantarem mudas de árvores e a valorizarem a natureza
Nativo de Bom Jesus da Lapa, onde vive e trabalha, o agrônomo Ricardo Garcia da Silva valoriza profundamente a educação. ‘A educação transforma quando você a relaciona com o seu viver, com a realidade’ (Foto: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Agente comunitário batalha há 30 anos contra doenças e desinformação no Pará

Djalma Moreira Lima trabalha há pouco mais de três décadas com o projeto Saúde e Alegria, no Pará. (Crédito: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Clique para ver todos os episódios do documentário “Terra molhada”

COCA-COLA BRASIL

 

Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Escrito por Jefferson Lessa

Jefferson Lessa

É jornalista formado pela PUC Rio e moldado pelas cidades que conheceu. No começo dos anos 1990, trabalhou na Revista Domingo, do Jornal do Brasil. Foi crítico de cinema e teatro em O Globo, onde escreveu por doze anos a coluna Pé-Limpo, sobre bares “arrumadinhos”, no caderno Rio Show. Trabalhou na revista Veja Rio e nos canais Telecine. É um ser essencialmente urbano. Carioca, ama a cidade onde nasceu, mas quando é preciso falar sério sobre o Rio não passa a mão na cabeça nem dá colher de chá.

8 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *