Imprimir

Publicado em

Agente comunitário batalha contra doenças e desinformação no Pará

Djalma Moreira Lima, de 54 anos, trabalha há pouco mais de três décadas com o Projeto Saúde e Alegria na vila de Suruacá, município de Santarém

© by Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes

Conteúdo de responsabilidade da marca

(Reportagem publicada originalmente no Coca-Cola Journey

Aos 54 anos de idade, o agente comunitário de saúde Djalma Moreira Lima trabalha há pouco mais de três décadas com o Projeto Saúde e Alegria. “Eles chegaram em 1986 e começaram as atividades no ano seguinte. Eu era monitor de saúde. A comunidade se envolvia com os projetos sociais, o que facilitava muito para nós. Em 1998, passei na prova para trabalhar como agente comunitário de saúde na vila de Suruacá, município de Santarém, no Pará”, conta Djalma.

No primeiro instante, ele era responsável por nada menos que cinco comunidades. Transporte? Não tinha. A solução era alugar uma bicicleta para se locomover de um canto a outro. Com o tempo, porém, vieram as mudanças: “Hoje a gente tem mais um agente de saúde, uma enfermeira e um auxiliar de enfermagem. Aqui na vila somos dois agentes, eu e mais um”.

Clique para assistir aos outros episódios do webdocumentário “Terra Molhada”

Mas qual é a função do agente de saúde? Basicamente, prevenir doenças. “Se tem uma epidemia de conjuntivite, por exemplo, o trabalho é avisar as lideranças, participar à escola, dar palestras sobre o assunto, fazer campanha de prevenção e atacar no local onde a epidemia começou”, explica. Djalma conta que, quando chegou a Santarém, as doenças mais comuns eram coqueluche, diarreia, vômito, desidratação, verminose, sarampo, catapora e pneumonia. “Minha sogra perdeu três crianças ao mesmo tempo por conta da diarreia e da desidratação”, lamenta.

Pai de oito jovens, Djalma sabe hoje que muitas dessas doenças se devem à péssima qualidade da água utilizada pela comunidade. Sem um sistema d’água e sem saber sequer para o que servia, a pequena população da vila se virava como podia. “A gente fazia uma cacimba, cavava um buraco na praia e tirava água para tudo. Do jeito que saía a gente usava, não botava cloro nem fervia. Na praia passava cachorro, porco, cavalo… A falta de higiene era total”, lembra.

Se tem uma epidemia de conjuntivite, por exemplo, o trabalho é avisar as lideranças, participar à escola, dar palestras sobre o assunto, fazer campanha de prevenção e atacar no local onde a epidemia começou.

Author's image
Djalma Moreira

A situação começou a mudar em 1995, com a instalação do sistema d’água. Junto vieram ações como reportagens em jornais locais, campanhas de esclarecimento de casa em casa e a inclusão de um caldo verde na merenda escolar para hidratar as crianças. Desde então não há mais crianças desnutridas ou com peso muito abaixo da média. Palestras ministradas na escola também renderam ótimos resultados: “Não temos mais adolescentes grávidas. De 480 moradores, só cinco ou seis ainda são fumantes”.

Em 1995, com a instalação do sistema d’água, a vida dos moradores da vila de Suruacá, município de Santarém, começou a mudar
Em 1995, com a instalação do sistema d’água, a vida dos moradores da vila de Suruacá, município de Santarém, começou a mudar. Djalma faz parte dessa transformação (Foto: Gabriel Ghidalevich/Conspiração Filmes)

Mais de 30 anos de batalha contra doenças e desinformação não conseguiram endurecer o coração do agente de saúde. Djalma se emociona e chega a chorar quando perguntado sobre o que aprendeu ao longo dos anos. “Aprendi a dar valor à vida. Sem a natureza não existe vida. Não sei quais são os componentes da água, mas acredito que Deus, quando a criou, sabia que ela era o cérebro do mundo. Veja o rio, com tantas vidas dentro. Gosto de olhar o rio. Cada vez que vejo o rio é uma imagem diferente. É como se a gente estivesse na UTI e aplicassem um remédio. Você respira de novo”.

*Esta história faz parte de uma série sobre brasileiros que trabalham para preservar o bem mais valioso do planeta, a água. Todos são beneficiados por projetos apoiados pela Coca-Cola Brasil e também aparecem no documentário “Terra molhada”. Clique aqui para conhecer mais histórias.

COCA-COLA BRASIL

 

Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Escrito por Jefferson Lessa

É jornalista formado pela PUC Rio e moldado pelas cidades que conheceu. No começo dos anos 1990, trabalhou na Revista Domingo, do Jornal do Brasil. Foi crítico de cinema e teatro em O Globo, onde escreveu por doze anos a coluna Pé-Limpo, sobre bares “arrumadinhos”, no caderno Rio Show. Trabalhou na revista Veja Rio e nos canais Telecine. É um ser essencialmente urbano. Carioca, ama a cidade onde nasceu, mas quando é preciso falar sério sobre o Rio não passa a mão na cabeça nem dá colher de chá.

9 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *