Semiárido: um perverso cartão-postal

A beleza, as cores e o dia a dia do sertanejo na convivência com a seca do Nordeste, que, quando começa, pode durar dias, meses ou anos

Por Mirian Fichtner | fotogaleria • Publicada em 28 de abril de 2019 - 18:00 • Atualizada em 5 de Maio de 2019 - 15:47

Com alta resiliência, os cactos são espécies de plantas especializadas em resistir à falta de água

O verão costuma ser brabo. O sol torra tudo e acaba com o que era verde. A chuva, quando vem, mais parece um dilúvio. O sinal evidente de que vai chover é a flor do mandacaru. Assim é o sertão brasileiro, que não poupa gente, bicho ou planta. A aridez do solo, a cor barrenta que predomina no ambiente, as casas de taipa… Tudo junto e misturado compõem um cenário único, de beleza ímpar, onde predominam uma mata rala, arbustos espinhentos e cactos, muitos cactos. Conviver com Semiárido é aprender que na região o problema não é a falta de água, mas a escassez de políticas públicas que ajudem o sertanejo a armazenar a água que cai do céu.

Leia outras reportagens no especial Água, um bem de poucos

 

Compartilhe

Mirian Fichtner

Nasceu em Porto Alegre/RS, formou-se em jornalismo pela PUC/RS e trabalhou nos principais jornais e revistas do Brasil como: jornal Zero Hora , O Globo, O Dia, Jornal do Brasil e revistas Isto É, Veja e Época. Ganhou mais de 13 prêmios prêmios nacionais e internacionais. É autora dos livros: Cavalo de Santo-Religiões afro-gaúchas/2011 e “A vida que corre nos ônibus”/2011 e Rio – um olhar viajante -2015.

Um comentário em “Semiárido: um perverso cartão-postal

  1. Rosemary Vitóri disse:

    Parabéns pela reportagem e pelas lindas fotos, Mirian Fichtner! Adorei todas que vi na galeria desta reportagem.
    Estão muito show!! Adoro fotos assim. Continue com seu belíssimo trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *