Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Semiárido: um perverso cartão-postal

A beleza, as cores e o dia a dia do sertanejo na convivência com a seca do Nordeste, que, quando começa, pode durar dias, meses ou anos


O verão costuma ser brabo. O sol torra tudo e acaba com o que era verde. A chuva, quando vem, mais parece um dilúvio. O sinal evidente de que vai chover é a flor do mandacaru. Assim é o sertão brasileiro, que não poupa gente, bicho ou planta. A aridez do solo, a cor barrenta que predomina no ambiente, as casas de taipa… Tudo junto e misturado compõem um cenário único, de beleza ímpar, onde predominam uma mata rala, arbustos espinhentos e cactos, muitos cactos. Conviver com Semiárido é aprender que na região o problema não é a falta de água, mas a escassez de políticas públicas que ajudem o sertanejo a armazenar a água que cai do céu.

Leia outras reportagens no especial Água, um bem de poucos

 

Semiárido: perverso cartão-postal

  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Com alta resiliência, os cactos são espécies de plantas especializadas em resistir à falta de água
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Uma típica família sertaneja: muitos filhos e muitos netos vivendo na mesma casa
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Gado na sombra sob um umbuzeiro, árvore típica do semiárido
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Comunidades tradicionais criam gado de forma coletiva no semiárido
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Quintais produtivos em pleno sertão
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Uma típica casa do sertão
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Crianças aprendem desde cedo a conviver com a falta d´água
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Jovem liderança do velho sertão
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    No lugar de combater a seca, as cisternas ajudam a conviver com o clima árido
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    A mulher sertaneja dedica longas horas do dia na luta pela água
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Em dias de chuva, baldes para armazenar água
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    O semiárido é vivo, apesar de enfrentar longos períodos de estiagem
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
  • Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner
    A estrada amarela do semiárido
    Fotogaleria do semiarido. Foto de Mirian Fichtner

Escrito por Mirian Fichtner

Nasceu em Porto Alegre/RS, formou-se em jornalismo pela PUC/RS e trabalhou nos principais jornais e revistas do Brasil como: jornal Zero Hora , O Globo, O Dia, Jornal do Brasil e revistas Isto É, Veja e Época. Ganhou mais de 13 prêmios prêmios nacionais e internacionais. É autora dos livros: Cavalo de Santo-Religiões afro-gaúchas/2011 e “A vida que corre nos ônibus”/2011 e Rio – um olhar viajante -2015.

3 posts

Um Comentário

Deixe uma mensagem
  1. Parabéns pela reportagem e pelas lindas fotos, Mirian Fichtner! Adorei todas que vi na galeria desta reportagem.
    Estão muito show!! Adoro fotos assim. Continue com seu belíssimo trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *