Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Ana e Tereza: mulheres trans e cis, casadas há 40 anos e mães de 3 filhos

Ana Beatriz, 64, e Tereza Cebalos, 62, também são avós de quatro netos. Casal é exemplo de como o amor pode superar o preconceito


Ana Beatriz e Tereza Cebalos fazem os cálculos quando questionadas sobre a duração do casamento. “Quase 40”, responde uma delas após algum tempo. Nesse longo período, as duas tiveram três filhos, quatro netos e, atualmente, moram com seis cachorros em Itapevi, na Região Metropolitana de São Paulo. Quando se conheceram – numa piscina de um clube – Ana ainda era um “homem magro e alto, parecido com um ganso”, brinca Tereza. Aparência que, com o passar dos anos e da união, foi recebendo alguns retoques: hormônios, maquiagens, brincos, e por aí vai.

LEIA MAIS: conheça outras histórias no especial LGBT+60

Foi escrevendo cartas que Ana, agora com 64 anos, tomou coragem para contar para a esposa que era uma mulher trans. O começo foi confuso, para ambas. “Eu não consegui entender, porque realmente era um mundo novo pra mim. Mas a Ana começou a me educar sobre o assunto e, assim, eu fui aceitando”, revela a companheira, de 62.

Hoje, a própria Tereza é quem ajuda a escolher as roupas da amada e a defende de qualquer violência transfóbica nas ruas. “Foi um peso enorme tirado das minhas costas. Nós não somos apenas um casal diferente. Eu vejo nela a minha confidente. Uma namorada eterna”, divide Ana.

Quer conhecer mais sobre o casal? Assista acima o segundo vídeo da segunda temporada da série “LGBT+60: Corpos que Resistem”.

LEIA MAIS: casal superou a agressão homofóbica e saiu fortalecido

LEIA MAIS: Aos 67 e 72 anos, elas sonham com o casamento


Escrito por Yuri Fernandes

Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora, é mineiro de Ipatinga. Sempre sonhou em morar no Rio de Janeiro e realizou seu desejo em 2014 ao passar para o programa de estágio da TV Globo. Trabalhou nas redações do "Bom Dia Brasil", do "Jornal Nacional" e do "EGO". Tem grande interesse em pautas de inclusão social e diversidade de gênero. Acredita que o jornalismo pode e deve ser usado como forma de combater a opressão a minorias. Cresceu vendo novelas e sempre manteve essa paixão viva.

28 posts

3 Comentários

Deixe uma mensagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *