Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Pesquisa transforma líquido nocivo da mandioca em novos produtos

Projeto Farinheira Sustentável, desenvolvido pela Universidade Federal do Sul da Bahia, ajuda agricultores a reaproveitar resíduos


Farinheira Sustentável em funcionamento após projeto com pesquisadores da UFSB: reaproveitamento de resíduos da mandioca para novos produtos (Foto: Divulgação)
Farinheira Sustentável em funcionamento após projeto com pesquisadores da UFSB: reaproveitamento de resíduos da mandioca para novos produtos (Foto: Divulgação)

A farinha de mandioca é um dos principais produtos da economia das cidades da região Sul da Bahia. A produção tradicional sustenta diversas comunidades, e ganhou novo significado a partir de uma nova tecnologia social a Farinheira Sustentável, que transformou resíduos em novos itens que podem ser vendidos: alimento para animais, matéria-prima para inseticida e formicida, e até sabão e tijolos.

E o que era resíduo virou uma forma de reduzir os custos no sistema produtivo das comunidades. Os agricultores passaram a ver a manipueira, o líquido extraído durante a produção da farinha – venenoso e nocivo para os humanos e animais – como um aliado, e não mais como um problema ambiental.

Leia mais reportagens da série #100diasdebalbúrdiafederal

O programa foi desenvolvido pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), em parceria com empresas e a comunidade da cidade Alcobaça, no sul do estado. A ação faz parte do Plano de Ação Territorial (PAT) da Mandiocultura,  que começou em dezembro de 2016. A coordenação de pesquisa do PAT da Mandiocultura, uma ação do Programa Prodeter do Banco do Nordeste, é da professora Lívia Lemos: a UFSB foi convidada para coordenar os estudos.

O descarte irregular da manipueira estava contaminando os corpos hídricos como rios, córregos, lagos e águas subterrâneas do município de Alcobaça, e, por isso, o Ministério Público da Bahia instaurou um inquérito civil e notificou a Secretaria de Meio Ambiente municipal para resolver a situação.

O secretário entrou em contato com o coordenador de Sustentabilidade da Fibria Celulose para que ajudasse aos agricultores familiares a promoverem a adequação dessa irregularidade ambiental. A empresa, por meio do Programa de Desenvolvimento Rural Territorial (PDRT) contratou a Polímata Soluções Agrícolas e Ambientais para ajudar a construir o conceito.

Mas não existia nenhum dado que subsidiasse a elaboração de nenhuma solução. Com essa necessidade, a UFSB entrou no circuito, junto com a engenheira Jeilly Carvalho, da Polímata, para entrevistar 65 farinheiras em cinco comunidades no município de Alcobaça para que fossem identificados os problemas, e, a partir disso, construir soluções.

“Durante a pesquisa, apenas 29% dos agricultores diziam que usavam a manipueira, mas, ao perguntar mais sobre a forma de uso, percebia-se pouco conhecimento sobre as oportunidades e as possibilidades do multiaproveitamento da manipueira”, diz a professora Lívia Lemos.

A nova tecnologia trouxe uma lista extensa de possibilidades de produtos: raspa da mandioca como alimento para animais, e a manipueira como matéria-prima para inseticida, bactericida, formicida, adubação de fundação, adubação de cobertura e adubação foliar, sabão, tijolos.

Até o momento, 187 agricultores foram capacitados, 3 farinheiras sustentáveis implantadas, sendo 2 adequações e 1 construção partindo do zero. Além do apoio a adequação ambiental de 60 farinheiras.

O impacto nas comunidades já pôde ser sentido, como explica a professora Lívia Lemos, uma das responsáveis pelo projeto. “Com todas estas oportunidades, os jovens começam a se inserir, a renda e a qualidade de vida das famílias melhora, o meio ambiente é respeitado pela destinação correta da manipueira, e o território é impactado pela mudança na profissionalização da cadeia produtiva da mandioca”, afirma.

Foram quatro meses para se chegar ao conceito, que é baseado em sete princípios: gestão de resíduos, multiaproveitamento da manipueira, bacia evapotranspiração, círculo agroflorestal, água, área suja/área limpa e matéria prima.

O novo conceito já ultrapassou as fronteiras da Bahia e também já beneficiou duas comunidades no Espírito Santo, a partir da qualificação das farinheiras locais. “Vários agricultores de outros municípios já participaram [da formação], principalmente de municípios que integram o Plano de Ação Territorial da Mandiocultura no Extremo Sul da Bahia”, destaca a professora.

Para realizar as atividades, o programa contou com o apoio da Fibria, em 2018, e da Suzano, em 2019. A formação em Farinheira Sustentável acontece na Cooperativa de Agricultores do Vale do Itaitinga (CAVI) e tem duração de dois dias, com teoria e prática. Os palestrantes são os responsáveis pelo desenvolvimento do conceito, com a participação de alunos da UFSB e os cooperados da CAVI participam como instrutores da parte prática. Até o momento são 109 farinheiras sendo adequadas, o que  impacta diretamente 545 famílias.

Antiga farinheira em Alcobaça: contaminação de rios, córregos e lagos por resíduo da mandioca (Foto: Divulgação)
Antiga farinheira em Alcobaça: contaminação de rios, córregos e lagos por resíduos da mandioca (Foto: Divulgação)

Sete princípios da farinheira sustentável

  1. Gestão de Resíduos

Entender o potencial dos resíduos gerados para fazer uma correta destinação dos mesmos, ampliando a geração de renda para os agricultores.

  1. Multiaproveitamento da Manipueira

Com alto potencial poluidor ambiental, a manipueira tem multiaproveitamentos com grande capacidade de agregação de valor para o agricultor.

  1. Bacia Evapotranspiração

Sistema fechado de tratamento de águas negras, aquelas utilizadas na descarga de sanitários convencionais.

  1. Círculo Agroflorestal

Sistema fechado de filtragem de águas cinzas, da lavagem das instalações e da mandioca.

  1. Água

Para o funcionamento adequado de uma agroindústria se faz necessário ter uma água de qualidade. Assim o conceito contempla a captação de água da chuva e o tratamento da água com hipoclorito de sódio.

  1. Área Suja / Área Limpa

A separação entre área suja e área limpa é necessária para o bom funcionamento da unidade e para garantir condições de higiene  necessárias

  1. Matéria Prima

No campo das matérias primas, é importante garantir não só a raiz, mas também a madeira para o suprimento de lenha. E utilizar a mandioca nas mais diversas formas de produção de alimento.

19/100 A série #100diasdebalbúrdiafederal pretende mostrar, durante esse período, a importância  das instituições federais e de sua produção acadêmica para o desenvolvimento do Brasil.

 

 


Um Comentário

Deixe uma mensagem
  1. Como participante ativo desse projeto pioneiro, como coordenador da Vigilância Sanitária de Alcobaça, parabenizo a professora Lívia e todos os envolvidos pelo sucesso e agradeço à jornalista pela matéria divulgando o Farinheira Sustentável e o extremo sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *