COP25: fracasso, frustração e falta de vontade política

Sem acordo, Conferência do Clima, em Madri, chega ao último dia sem acordo. Pendências devem ser empurradas para a COP26

Por Liana Melo | ods13 • Publicada em 13 de dezembro de 2019 - 12:37 • Atualizada em 7 de abril de 2020 - 11:26

Sem acordo, Conferência do Clima, em Madri, chega ao último dia sem acordo. Pendências devem ser empurradas para a COP26

Por Liana Melo | ods13 • Publicada em 13 de dezembro de 2019 - 12:37 • Atualizada em 7 de abril de 2020 - 11:26

Compartilhe

SP – Sao Paulo – 08/03/2017 – Ato Dia Internacional da Mulher – Mulheres realizam um protesto contra a violencia, exploracao e sexismo marcando o Dia Internacional da Mulher, na av. Paulista, durante a tarde desta quarta feira. Foto: Nelson Antoine/AGIF
Depois de dez dias de conferência, COP25 só consegue aprovar plano de ação sobre gênero Foto: Nelson Antoine/AGIF

(Madri, ES) – E a Conferência do Clima vai chegando ao fim em Madri, mas sem terminar. Está praticamente certo que as negociações não se encerrarão nessa sexta (13) e devem avançar pelo final de semana. O comentário que mais se ouve nos corredores do Ifema Feria de Madri, onde está ocorrendo a COP25, é que não há tempo hábil e nem vontade política dos negociadores para colocar um ponto final no Livro de Regras do Acordo de Paris, e, muito menos, avançar nas discussões sobre mercado de carbono, revisão do mecanismo de perdas e danos, e financiamento.

LEIA MAIS: Brasil quer dinheiro. Metas, não

LEIA MAIS: Meta climática vai custar US$ 15 tri

O texto final da COP25 está imenso e, segundo observadores atentos das negociações, recheado de colchetes, o que, na linguagem diplomática, significa assuntos pendentes para serem resolvidos num segundo momento – leia-se como segundo momento a COP26, prevista para ocorrer em Glasgow, na Escócia, no final de 2020. Depois de dez dias de conferência, os delegados dos 195 países signatários do Acordo de Paris só concordaram em uníssono em relação a um único ponto da pauta: o plano de ação sobre gênero. Como as decisões são por consenso, basta um único país travar a discussão para nada ser aprovado e nenhum entendimento ser formalizado. O sentimento de frustração é generalizado e ficou evidente que os sucessivos apelos feitos pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, por mais ambição, e os alertas da comunidade científica internacional, não surtiram efeito.

A estratégia de negociação de alguns dos principais países contribui para essa paralisia: enquanto todos os pontos não forem acordados, nenhum entendimento será formalizado. Tudo isso causa um sentimento de frustração que vem se tornando cada vez mais forte entre observadores das conversas em Madri

Observador das negociações

“A estratégia de negociação de alguns dos principais países contribui para essa paralisia: enquanto todos os pontos não forem acordados, nenhum entendimento será formalizado. Tudo isso causa um sentimento de frustração que vem se tornando cada vez mais forte entre observadores das conversas em Madri”, comentou um observador atento das negociações, que pediu para não ser identificado.

Sem protagonismo e nenhuma liderança, o Brasil atuou em bloco na COP25, junto com a África do Sul, China e Índia – o Basic, como é conhecido o quarteto, vem negociando de maneira combinada nas conferências do clima desde 2009, quando o grupo foi formado. No G77, uma coalizão de países em desenvolvimento, o Basic fez oposição na COP25 ao grupo liderado, entre outros países, pela Costa Rica – quando a Amazônia ardia em chamas em setembro último, a Costa Rica ganhava o prêmio Campeões da Terra de 2019, o maior reconhecimento ambiental da ONU, por seu papel na proteção da natureza e seu compromisso com políticas ambiciosas para o combate às mudanças climáticas.

Tendo recuado de uma posição histórica contra o Artigo 6, que trata dos mecanismos do mercado de carbono, o Brasil, assim como os outros países do Basic, impôs condições para negociar:  1. que os países ricos assumam o compromisso de repassar recursos financeiros para os países em desenvolvimento e 2. que o antigo mecanismo de mercado de crédito de carbono, conhecido como Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), tenha uma transição suave e não abrupta para o novo regime de mercado, o Movimento do Desenvolvimento Sustentável (MDS).

Sem um estande oficial do país, o protagonismo do Brasil na COP25 foi capitaneado pela ONGs, especialistas e observadores. O chefe da delegação brasileira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não deu nenhuma entrevista para explicar a proposta brasileira – prática comum em todas as conferências, quando, em alguns governos, os chamados briefings ocorriam praticamente todos os dias. Coube à sociedade civil ocupar o vazio deixado pelo governo, promovendo diálogos com ambientalistas, acadêmicos e representantes do setor privado. O país não apresentou nenhum plano para conter o desmatamento da Amazônia – tema que atraiu a atenção mundial nos últimos meses. A estreia do governo na COP-25 começou com o presidente Bolsonaro sendo eleito o “Fóssil do dia” e vai terminando com o país sendo visto, por algumas nações, como o vilão do clima.

*Repórter viajou a convite do Instituto Clima e Sociedade (ICS)

Liana Melo

Formada em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ. Especializada em Economia e Meio Ambiente, trabalhou nos jornais “Folha de S.Paulo”, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “O Dia” e na revista “IstoÉ”. Ganhou o 5º Prêmio Imprensa Embratel com a série de reportagens “Máfia dos fiscais”, publicada pela “IstoÉ”. Tem MBA em Responsabilidade Social e Terceiro Setor pela Faculdade de Economia da UFRJ. Foi editora do “Blog Verde”, sobre notícias ambientais no jornal “O Globo”, e da revista “Amanhã”, no mesmo jornal – uma publicação semanal sobre sustentabilidade. Atualmente é repórter e editora do Projeto #Colabora.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Um comentário em “COP25: fracasso, frustração e falta de vontade política

  1. Eng. Joel Robinson disse:

    Isso tudo é uma falsidade. Ninguem quer abandonar o xampu. o carro, o esmalte de unha, as viagens de avião, o turismo emporcalhador. o fast food, a capinha do celular de silicone…O tecido feito de petroleo etc e etc. Vida de Tarzan e Jane na selva? cada um quer ter um pet, gastar fortunas com alimento canino. Ou saja façam o que digo mas não o que faço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *