Jogos Paralímpicos de Tóquio: calor será desafio extra para atletas

O tenista japonês Shingo Kunieda se refresca durante treino para os Jogos Paralímpicos de Tóquio: calor afeta mais alguns atletas paralímpicos do que outros (Foto: Shuhei Yokoyama / Yomiuri Shimbun / AFP)

Pesquisa alerta que atletas com lesões na medula espinhal, amputação, esclerose múltipla ou paralisia cerebral são os que mais sofrem com altas temperaturas

Por The Conversation | ODS 13ODS 3 • Publicada em 25 de agosto de 2021 - 09:18 • Atualizada em 26 de agosto de 2021 - 10:51

Compartilhe

O tenista japonês Shingo Kunieda se refresca durante treino para os Jogos Paralímpicos de Tóquio: calor afeta mais alguns atletas paralímpicos do que outros (Foto: Shuhei Yokoyama / Yomiuri Shimbun / AFP)

(Katy Griggs*) Os especialistas em calor estavam certos. Em 2019, dados históricos sugeriram que a temperatura média diária que os atletas teriam que enfrentar durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 seria entre 28,2℃ e 29,7℃, com umidade relativa de 65%. Essas foram, de fato, as Olimpíadas mais quentes da história.

Arqueiros desabaram, tenistas temeram morrer e jogadores de vôlei queimaram os pés na areia. Mas, para muitos atletas paralímpicos, essas condições representam um grande desafio adicional.

Leu essa? Simone Biles e o direito de ser ‘apenas’ humana

A complexidade e severidade da deficiência de um atleta paralímpico combinada com as demandas de sua modalidade (tipo, intensidade, duração, modo de exercício e condições ambientais) determinarão sua suscetibilidade particular a questões relacionadas ao calor. A extensão em que qualquer atleta responde fisiologicamente ao calor também varia amplamente dentro de qualquer grupo de deficiência específica.

Pesquisa realizada em 2019 mostrou que aqueles atletas com lesões na medula espinhal, amputação, esclerose múltipla ou paralisia cerebral são os que mais sofrem com o calor.

Quando fazemos exercícios, cerca de 75-80% da energia consumida pelo corpo é liberada como calor. O problema para alguns atletas paralímpicos é que eles têm uma capacidade reduzida de suar ou dissipar o suor. Outros potencialmente produzem mais calor do que um atleta olímpico executando a mesma atividade.

Atletas com lesões na medula espinhal são incapazes de suar ou controlar o fluxo sanguíneo da pele abaixo do que é conhecido como nível de lesão . Quanto mais alto na medula espinhal estiver a lesão, menor será a superfície do corpo capaz de suar. As temperaturas centrais em jogadores de rúgbi em cadeira de rodas com lesões na medula espinhal, por exemplo, mostraram aumentar em uma taxa muito maior do que em jogadores com outras deficiências físicas.

Isso permanece verdadeiro mesmo que as partidas de rúgbi em cadeira de rodas sejam disputadas em ambientes fechados em temperaturas moderadas (18°C a 21°C) e jogadores com lesão alta na coluna cobrem menos distância (17% menos) e empurram mais devagar (em média cerca de 10% mais lento) do que companheiros de equipe com outras deficiências físicas. Menos esforço físico significa que eles produzem menos calor do que seus colegas de equipe. No entanto, a dificuldade que eles têm em expelir esse calor por meio do suor e do fluxo sanguíneo da pele faz com que a temperatura corporal central aumente muito mais rápido.

Os atletas com membros amputados também têm uma área de superfície corporal menor para se livrar do calor. Enquanto isso, o suor se acumula nas órbitas da prótese, o que pode causar bolhas, problemas de pele e maior desconforto.

Atletas com esclerose múltipla também podem ser menos capazes de suar e mais intolerantes ao calor em geral. A má coordenação muscular e movimentos involuntários ou espasmos em atletas com paralisia cerebral significa que eles também podem ficar mais quentes e mais rapidamente durante o exercício. Eles também têm mais dificuldade em controlar seus esforços, o que é ainda mais importante em condições de calor. Observações anedóticas mostraram que quando alguns desses atletas começam muito rápido, mesmo em climas mais frios, eles correm o risco de cair nos estágios finais de uma corrida.

Pausa no treinamento da seleção japonesa de basquete em cadeira de rodas: atletas amputados são mais suscetíveis ao calor (Foto: Shuhei Yokoyama / Yomiuri Shimbun / AFP)
Pausa no treinamento da seleção japonesa de basquete em cadeira de rodas: atletas amputados são mais suscetíveis ao calor (Foto: Shuhei Yokoyama / Yomiuri Shimbun / AFP)

Estratégias de aclimatação e resfriamento de calor

Assim como acontece com os atletas olímpicos, a aclimatação ao calor pode ser útil para que os paralímpicos preparem seus corpos para enfrentar o calor. Isso pode incluir o treinamento em câmaras térmicas ou tendas de estufa e banhos quentes pós-exercício.

A pesquisa sobre os benefícios para os paralímpicos em particular, entretanto, é limitada. Cada indivíduo precisaria ser monitorado cuidadosamente para garantir que a exposição ao calor fosse benéfica, não prejudicial.

Uma das principais coisas que a aclimatação ao calor visa é fazer com que você sue mais e mais cedo. À medida que o suor evapora, a superfície da pele e o núcleo do corpo esfriam. Como mostrado acima, os atletas com lesão na medula espinhal devem enfrentar uma grande área de superfície do corpo que não é capaz de suar. Eles podem experimentar benefícios cardiovasculares, mas a aclimatação não induzirá nenhum suor benéfico.

Além disso, as restrições de viagens durante a pandemia também impediram que os atletas trabalhassem em câmaras térmicas especializadas, especialmente no início da pandemia. Isso pode ter afetado os atletas com risco maior de covid-19, que tiveram que reduzir severamente as interações com outras pessoas.

Uma vez que os eventos estão em andamento, há muitas coisas que podem ajudar: ventiladores, neblina, coletes de gelo, toalhas geladas, imersão em água, raspadinhas de gelo. Os atletas fazem uso deles, geralmente em combinação, antes e depois da competição, bem como durante os intervalos de resfriamento programados para os eventos.

Cada uma dessas estratégias precisa ser praticada antes de ser usada na competição. E a logística envolvida para garantir que eles tenham o que precisam deve ser cuidadosamente avaliada. Resfriar as mãos de um atleta em cadeira de rodas antes de uma corrida não seria uma boa ideia – mãos dormentes não ajudam na destreza.

Alguns órgãos esportivos para deficientes têm políticas claras de proteção contra o calor. Os regulamentos da Federação Internacional de Tênis para o tênis em cadeira de rodas normalmente oferecem várias interrupções nos eventos e programações de treinamento, bem como na reprogramação de eventos para as partes mais frescas do dia, quando possível.

Da mesma forma, embora equipes como a do Reino Unido tenham gasto muito tempo e dinheiro preparando seus atletas física e mentalmente, outros órgãos nacionais não têm o mesmo nível de acesso a fundos, instalações ou especialização. Mesmo dentro da equipe da Associação Paralímpica Britânica, alguns esportes (como o rúgbi em cadeira de rodas) são considerados como tendo menos potencial para medalhas, o que normalmente significa menos financiamento e, como consequência, menos suporte de preparação para os Jogos Paralímpicos.

As condições em Tóquio podem ser extremamente quentes e úmidas. Mas qualquer um competindo nos Jogos Paralímpicos de 2020 foi obrigado a superar muitos obstáculos para chegar ao Japão. Considere o levantador de peso da Grã-Bretanha Ali Jawad, um atleta com amputação dupla que supera contratempos adicionais devido à doença de Crohn. São atletas determinados a mostrar ao mundo que tudo é possível.

*Katy Griggs é professora sênior em Engenharia do Esporte da Nottingham Trent University (Inglaterra, Reino Unido)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *