A roupa de algodão que você veste é mesmo sustentável?

O algodão é um tecido natural, um dos mais antigos usados pela humanidade (Foto: Hanna Balan / Unsplash)

Campanha Moda Sem Veneno mobiliza a indústria contra aprovação do PL do Veneno

Por Yamê Reis | ODS 12 • Publicada em 2 de junho de 2021 - 08:35 • Atualizada em 8 de junho de 2021 - 08:42

Compartilhe

O algodão é um tecido natural, um dos mais antigos usados pela humanidade (Foto: Hanna Balan / Unsplash)

Muito temos falado sobre as transformações que a indústria da moda global vem passando e sobre os incontáveis desafios que estão colocados. É inegável reconhecer que avanços vêm sendo feitos na pesquisa e investimento em novas tecnologias limpas, na redução das emissões de gases de efeito estufa, e na rastreabilidade e transparência das práticas e ações empresariais. Precisamos acelerar o ritmo para que as metas do milênio sejam atingidas, e para isso é necessária a colaboração e o esforço de todos. Mas ainda há pontos obscuros quando se fala em sustentabilidade. Como por exemplo, quando olhamos para o início da cadeia produtiva: do que e como é feita nossa roupa de algodão?

Leia também: Como saber se minha roupa foi feita por trabalho escravo?

O algodão é um tecido natural, um dos mais antigos usados pelo homem. Nossos ancestrais indígenas já o conheciam quando os portugueses aqui chegaram, e usavam para fazer suas roupas e acessórios. Há milhares de anos é cultivado em muitos continentes do sul global sempre integrado a cultura alimentar e geração de renda familiar.

O Brasil é parte interessada no comércio global do algodão desde os tempos da colônia (século 18), quando o insumo passou a ser cultivado em grandes propriedades de monocultura com base no trabalho escravo e intensa devastação de natureza. De lá até os dias de hoje, nosso país esteve entre os maiores produtores e exportadores dessa commodity, sempre disputando com Estados Unidos, Índia, Paquistão e China.

O algodão é hoje responsável por aproximadamente 10% do volume total de pesticidas utilizados em território nacional, e a quarta cultura que mais consome agrotóxicos

Yamê Reis
diretora-executiva do Rio Ethical Fashion

Numa estratégia ousada e assertiva, os produtores do agronegócio da soja viram no algodão uma grande oportunidade de rotação de culturas, após a grave crise da praga do bicudo que varreu as plantações do Sul e Sudeste do país no final dos anos 1980. Experientes com a exportação da soja e com uma produção turbinada por alta tecnologia, sementes transgênicas e uso intensivo de agrotóxicos, esses produtores passaram a investir no algodão como um produto capaz de atender às demandas de um mercado internacional exigente com relação a sustentabilidade. Organizados em inúmeras associações e também nacionalmente, criaram o programa de certificação Algodão Brasileiro Responsável (ABR) que mais tarde vinculou-se ao maior certificador internacional, o Better Cotton Initiative (BCI). Desse modo, em pouco tempo, o Brasil recebeu o título de “o maior produtor de algodão sustentável do mundo”.

Um produto que nasce nessas condições de monocultura e extrativismo de natureza e com intenso e descontrolado uso de agrotóxicos não pode de forma alguma se autodenominar sustentável

Yamê Reis

Sendo uma cultura mais susceptível a pragas quando cultivada em monocultura, o algodão é hoje responsável por aproximadamente 10% do volume total de pesticidas utilizados em território nacional. É a quarta cultura que mais consome agrotóxicos, com destaque para o glifosato, que corresponde a mais da metade do volume de agrotóxicos comercializados no país. Sabendo-se que o Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo, podemos imaginar o que essas quantidades representam não apenas para o Cerrado, que já perdeu parte importante de sua biodiversidade, como também para os trabalhadores que manipulam o veneno sem qualquer controle ou restrições de quantidades.

É importante reafirmar que um produto que nasce nessas condições de monocultura e extrativismo de natureza e com intenso e descontrolado uso de agrotóxicos não pode de forma alguma se autodenominar sustentável. Muito ao contrário, pois contraria diretamente os princípios dos Direitos Humanos e dos Direitos da Natureza.

Sua roupa de algodão é mesmo sustentável? Campanha Moda sem Veneno.
Petição da campanha Moda Sem Veneno busca contribuir para a luta de setores como o de produtos orgânicos, das
associações de agricultores familiares e de entidades ambientalistas (Foto: Reprodução change.org)

Diante da oportunidade da bancada ruralista, em plena pandemia, de fazer aprovar no Congresso Nacional o PL 6299/02, o chamado PL do Veneno, o Rio Ethical Fashion juntou-se ao Modefica e ao Fashion Revolution para criar um movimento setorial da moda que, através de uma petição pública, pudesse levar aos parlamentares nosso repúdio às medidas que tornarão esse contexto no campo ainda mais dramático. Instituições como Anvisa, Comissão de Direitos Humanos, Abrasco e Fiocruz já se posicionaram contra a aprovação do projeto que flexibiliza o processo de aprovação de novos agrotóxicos, muda os critérios de avaliação e bane o termo “agrotóxico”.

Leia também: Mercado da moda aposta em roupa de algodão reciclado para reduzir pegada ambiental

A campanha #ModaSemVeneno já atingiu mais de 40 mil assinaturas com a petição iniciada no final de abril. Portanto, além de contribuir para a luta de setores como o de produtos orgânicos, das associações de agricultores familiares e de entidades ambientalistas como o Greenpeace, nossa iniciativa visa a despertar o setor da moda para mais esse desafio de pensar novas formas de produção e consumo que tenham aderência com as pautas da sustentabilidade, e que possam contribuir verdadeiramente para seus avanços da Brasil.

Convido a todos a acompanharem o Rio Ethical Fashion nos dias 3, 4 e 5 de junho pelo canal do YouTube, ao vivo, gratuito e com tradução simultânea, e fazer uma imersão em tantos temas quentes do momento.

Yamê Reis

Yamê Reis é idealizadora do Rio Ethical Fashion e coordenadora de Design de Moda no IED Rio. Em sua carreira liderou projetos com impacto no mercado brasileiro de moda em empresas como Cantão, Totem e Le Lis Blanc. Em 2017 fundou a Moda Verde, que atua nas áreas de Educação, Direção Criativa e projetos especiais para Moda Sustentável. Seu objetivo é colaborar com empresas para a construção de uma moda socialmente responsável e com baixo impacto ambiental. Socióloga e fundadora do Partido Verde nos anos 1980, Yamê atuou em projetos pioneiros como Amazon Life (1993), produziu e desfilou a primeira coleção feita com tecidos de hemp para sua marca autoral Yamê Reis (1994) e lançou no Fashion Rio o primeiro jeans orgânico nacional (2007), parceria do Cantão com o selo NOW (Natural Organic World).

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *