Rio só tem 38% da frota de ônibus circulando na pandemia

Ônibus circula no Rio durante a pandemia: levantamento com base em dados de GPS mostra que menos de 40% estava em circulação (Foto: Paulo Sergio/Prefeitura do Rio)

Relatório da Casa Fluminense aponta ainda que empresas tiraram das ruas 20% das linhas; Zona Oeste foi a região mais prejudicada

Por Oscar Valporto | ODS 11ODS 9 • Publicada em 19 de novembro de 2020 - 08:58 • Atualizada em 25 de novembro de 2020 - 13:59

Compartilhe

Ônibus circula no Rio durante a pandemia: levantamento com base em dados de GPS mostra que menos de 40% estava em circulação (Foto: Paulo Sergio/Prefeitura do Rio)

Relatório De Olho no Transporte – produzido pela Casa Fluminense, com base no acompanhamento dos dados gerados pelo GPS dos ônibus do Rio de Janeiro, disponibilizados pela Prefeitura no portal Data.Rio – aponta que a oferta da frota de ônibus em circulação permanece muito abaixo dos 100% determinado pela Secretaria Municipal de Transporte em junho de 2020, contrariando a resolução 392 da prefeitura. De acordo com o relatório, em outubro, de cada cinco ônibus que deveriam estar nas ruas da cidade do Rio de Janeiro, apenas dois estão em circulação, o que representa 38,3% da frota determinada.

O estudo da Casa Fluminense –  organização com foco no debate de políticas públicas para a redução das desigualdades no Região Metropolitana do Rio – indica ainda que, no último trimestre analisado, de agosto a outubro, 20% das linhas de ônibus (uma em cada cinco) não estavam operantes. Na análise territorial, a Cas Fluminense aponta que a Zona Oeste é a região mais afetada pela baixa oferta de ônibus em circulação. “Este projeto busca contribuir para o debate sobre a responsabilidade da Prefeitura em garantir a circulação mínima de ônibus para evitar a superlotação e a qualidade na prestação deste serviço”, afirma  Guilherme Braga, especialista em políticas públicas, pesquisador da Casa Fluminense e responsável pelo levantamento das informações do De Olho no Transporte.

Veículo do consórcio Santa Cruz na Zona Oeste: estudo mostra que apenas 25% da frota estava circulando no trimestre passado (Foto: Prefeitura do Rio)
Veículo do consórcio Santa Cruz na Zona Oeste: estudo mostra que apenas 25% da frota estava circulando no trimestre passado (Foto: Prefeitura do Rio)

Nesta quinta-feira (19/11), às 10h, em evento virtual conjunto, serão lançados o estudo da Casa Fluminense, com base nos dados gerados pelo GPS dos ônibus, e também relatório do ITDP – Instituto de Política de Transporte e Desenvolvimento, organização internacional especializada no tema –  reunindo dados e propostas para melhorar a mobilidade urbana e a qualidade de vida dos cariocas. O projeto tem parceria com o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e apoio do Instituto Clima e Sociedade; para o lançamento, vai debater os principais desafios da mobilidade e propostas para a próxima gestão municipal, foram convidados representantes das candidaturas de Eduardo Paes e Marcelo Crivella. O evento será transmitido ao vivo pelas páginas do facebook das organizações e pelo youtube da Casa Fluminense.

Os pesquisadores das duas entidades constataram progressivo desaparecimento dos ônibus da cidade do Rio de Janeiro e de linhas inteiras, o que tem prejudicado bastante a população carioca, principalmente em favelas e bairros da periferia onde vivem aqueles que mais dependem do sistema de transporte público. O estudo da Casa Fluminense conclui que a crise no transporte público, agravada pelo pela pandemia do novo coronavírus e suas consequências, evidenciou os problemas estruturais históricos do setor que presta um serviço essencial mas cada vez mais inacessível. “A crise escancarou problemas como a falta de transparência e de fiscalização e a necessidade de mudanças nos modelos de financiamento e remuneração”, argumenta Vitor Mihessen, coordenador de Informação da Casa Fluminense.

O estudo com base no sistema de GPS dos ônibus reforça as queixas constantes dos moradores da Zona Oeste sobre o sumiço dos coletivos. De acordo com o relatório da Casa Fluminense, o consórcio Santa Cruz apresentou maior diminuição do percentual da frota em circulação nas ruas em relação ao total determinado. A cada quatro ônibus que deveriam estar servindo a população da Zona Oeste, apenas um está nas ruas. Tanto a determinação da Secretaria Municipal de Transportes quanto o relatório De Olho no Transporte consideram as linhas de ônibus regulares que integram as frotas dos consórcios Intersul, Internorte, Transcarioca, Santa Cruz e o sistema de BRT. O relatório com base em dados do GPS aponta que também o BRT está com sua frota abaixo do recomendado, com apenas dois ônibus circulando para cada cinco que deveriam estar atendendo a população nas ruas.

Fiscais da Prefeitura do Rio acompanham embarque em terminal do BRT: relatório aponta que sistema BRT tem apenas dois ônibus circulando para cada cinco que deveriam estar atendendo a população (Foto: Rhavinne Vaz/Prefeitura do Rio)
Fiscais da Prefeitura do Rio acompanham embarque em terminal do BRT: relatório aponta que sistema BRT tem apenas dois ônibus circulando para cada cinco que deveriam estar atendendo a população (Foto: Rhavinne Vaz/Prefeitura do Rio)

Responsável pelo estudo, Guilherme Braga explica que este relatório é apenas o primeiro: o projeto De Olho no Transporte quer contribuir de maneira permanente para a melhoria da mobilidade urbana no Rio de Janeiro.  “A análise dos dados apresentada no relatório vem acompanhada de propostas para a melhoria deste cenário descrito tais como: a ampliação da fiscalização sobre os consórcios para assegurar a oferta determinada de ônibus esteja de fato na rua; e a disponibilização dos dados com a qualidade necessária para monitoramento cidadão dos transportes. Ou seja, uniformização das informações exibidas nos letreiros dos ônibus, nos registros de GPS e na contagem de passageiros que passam pela catraca”, destaca Braga.

Oscar Valporto

Oscar Valporto é carioca e jornalista – carioca de mar e bar, de samba e futebol; jornalista, desde 1981, no Jornal do Brasil, O Globo, O Dia, no Governo do Rio, no Viva Rio, no Comitê Olímpico Brasileiro. Está de volta ao Rio após oito anos no Correio* (Salvador, Bahia), onde foi editor executivo e editor-chefe. É criador da página no Facebook #RioéRua, onde publica crônicas sobre suas andanças pela cidade.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *