Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Maus-tratos contra animais

Aliança Internacional do Animal (Aila)


Egonm Buse, de colete verde, e Ila Franco, cordenadores da Aila, recebem estudantes na sede da Aila
Egonm Buse, de colete verde, e Ila Franco, cordenadores da Aila, com estudantes

O FBI entrou na briga nos Estados Unidos para acabar com maus-tratos contra animais. A decisão começou a vigorar este ano e, desde então, casos de extrema violência deixaram de ser identificados na categoria de “outros crimes”, apenas porque a vítima em questão era um animal. Por aqui, ainda que seja crime, a pena é branda e, o pior, nunca ninguém foi preso por maltratar animais. A pena prevista é de três meses a um ano e a multa varia de R$ 500 a R$ 2 mil. O assunto virou alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que, ao final dos trabalhos, no ano passado, recomendou a proibição das vaquejadas, o uso de animais em rodeios e as rinhas de galo no país, além dos testes e tráfico de espécies.

O Brasil é o quarto país do mundo em quantidade de animais, de um total de 1,5 bilhão de espécies. Só os animais domésticos somam 132 milhões, segundo Censo do IBGE, de 2013. A população de cães era, naquele ano, mais que o dobro da de gatos: 52 milhões contra 22 milhões, respectivamente. Ambos são alvo de abandono indiscriminado e seus autores estão cometendo um crime, que incide em qualquer lugar ou meio social. O abandono é apenas uma das facetas das crueldades cometidas contra animais. Outras modalidades são, por exemplo, o uso de animais em circo.

Nossa proposta é estimular a criação de animais de forma saudável, até porque muitas dessas práticas irracionais são consideradas crimes

Ila Franco
Fundadora da Aila

O caso de Madú, uma elefante fêmea, que era uma das atrações do circo Vostok, é emblemático. No picadeiro, o bicho era vítima de crueldades recorrentes praticadas por um tratador, que, segundo denúncias, à época, vivia “em estado de embriaguez”. O ano era 1999 e Ila Franco, que sempre gostou de bichos, acabara de inaugurar um consultório veterinário gratuito em Paraisópolis – um bairro favelizado da zona sul de São Paulo. Como não é veterinária, contratou um profissional para cuidar do consultório aberto no bairro, que, segundo informações que chegavam aos seus ouvidos, concentrava um alto índice de abusos contra animais, especialmente os domésticos. Entre os casos de arbitrariedades cometidas contra animais, Ila acabou conhecendo a história de Madú, que trabalhava no circo em Caraguatatuba, no litoral Norte de São Paulo.

Do pequeno consultório em Paraisópolis, Ila se transformou em uma ativista em defesa dos animais domésticos ou não. Virou uma militante da causa, abraçou o caso de Madú e partiu para a briga.

“Quando cheguei no circo, vi que Madú tinha várias marcas de pauladas e, há mais de um mês, não tomava banho”, lembra Ila, que decidiu entrar numa briga judicial para libertar o animal dos maus-tratos. Lutou incansavelmente na Justiça por cinco anos, até que ganhou a disputa. Só que foi uma vitória de Pirro, porque os donos do Vostok, em represália, eletrocultaram Madú. A elefante morreu logo depois de seus donos serem condenados pelos maus-tratos.

O engajamento na luta fez com que Ila transformasse o pequeno consultório veterinário em uma ONG: a Aliança Internacional do Animal (Aila), que, apesar do nome, não tem representações fora do país.

Dezessete anos depois de abrir as portas da Aila, a entidade já acumulou vitórias significativas nestes 17 anos: o fim da descompressão na cidade de São Paulo, que asfixiava animais abandonados e que foi abolida pelo ex-secretário de saúde, Eduardo Jorge, e o fim dos rodeios em áreas urbanas.

Para evitar mortes violentas, a entidade faz periodicamente a esterelização de animais de ruas na Região Metropolitana de São Paulo. A Aila tem uma filial em Cotia, onde atende os casos dos municípios da Grande São Paulo. “Nossa proposta é estimular a criação de animais de forma saudável, até porque muitas dessas práticas irracionais são consideradas crimes”, comenta Ila. A Aila atende, atualmente, cerca de 1.200 animais, que incluem gatos, cachorros, cavalos e até galinhas (sacrificadas em cerimônias religiosas).

Ficha

Área de atuação Proteção aos animais

Nº de funcionários com carteira assinada ou autônomos 20

Orçamento anual R$ 300.000,00

Percentual doado pelo maior patrocinador 30%

Existe formalmente há mais de 5 anos? Sim

Possui alguma atuação que busque influenciar as políticas públicas? Sim

Publica prestação de contas periodicamente no site? Não

Site www.aila.org.br

Fonte: INSTITUTO PHI

* Este material foi criado automaticamente através da ferramenta Banco de Organizações do Instituto Phi e é exclusivamente baseado nas informações enviadas pela organização cadastrada. O Instituto Phi não provê, através da criação deste material, nenhum tipo de certificação ou recomendação da organização cadastrada, nem mesmo da veracidade das informações aqui dispostas.


Escrito por Felipe Porciuncula

O jornalista Felipe Porciúncula tem 25 anos de estrada. Já passou pelas redações do Jornal do Comercio, TV Pernambuco, Valor Econômico e Globo News. Faz parte da Ashoka Society, onde teve apoio para seu projeto Agência Popular de Notícias. Foi consultor da Unicef e Unesco. Recentemente editou o livro “Guia para o amanhã: Sustentabilidade e Mudanças Climáticas”, publicado pela editora Senac (finalista do prêmio Jabuti 2010). Adora cinema e viajar. Escreve ficção. Gosta muito de estudar a ciência da política.

10 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *