Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Mazelas amazônicas

Floresta é destaque em concurso de fotos sobre problemas socioambientais do planeta


Trabalho de Macilau mostra como o consumo excessivo de produtos eletrônicos está se transformando num ciclo de doença e morte
Trabalho de Macilau mostra como o consumo excessivo de produtos eletrônicos está se transformando num ciclo de doença e morte

Onze projetos, treze fotógrafos, doze países e um mesmo problema: o futuro do planeta e dos seres, nem tão humanos, que habitam nele. Os projetos concorrem a três bolsas, oferecidas pelo Greenpeace Suiça. Os temas abordados vão desde o derretimento das geleiras, no Ártico, até o assustador crescimento da poluição do solo na China. A Amazônia é tema de três trabalhos: o primeiro é sobre a influência da pecuária no desmatamento, o segundo trata da exploração de petróleo na região e o terceiro mostra a realidade das mulheres que lideram movimentos socioambientais e vêm sendo ameaçadas de morte.

“To live and to die for the rainforest (Viver e morrer pela floresta)” é o título do projeto da fotojornalista brasileira Marizilda Cruppe: “A defesa da Amazônia e dos Direitos Humanos por si só já é uma luta de vida ou morte, basta ver as estatísticas. E a luta dessas mulheres se torna ainda mais difícil e arriscada justamente por serem mulheres. Estão aí os números de violência contra a mulher que mostram claramente essa condição de vulnerabilidade”, diz Marizilda.

Lideranças amazônicas ameaçadas de morte são o tema do trabalho de Marizilda Cruppe
Lideranças amazônicas ameaçadas de morte são o tema do trabalho de Marizilda Cruppe

Robin Hammond, da Nova Zelândia, é outro fotógrafo que propõe a Amazônia como tema, mas não só ela. A ideia é analisar o impacto da produção de carne, leite e soja nos ecossistemas da Califórnia, da Polônia e da Região Norte do Brasil. Já a equatoriana Karen Miranda Rivadeneira pretende mostrar os efeitos da exploração de petróleo sobre a Amazônia equatoriana.

Os onze projetos concorrem a três prêmios, em dinheiro, no valor de 10 mil euros cada um. Um deles será escolhido pelo público, que tem até o dia 30 de setembro para votar. Os outros serão indicados por um júri de especialistas, formado por Peter Pfrunder, diretor de Fotostiftung Schweiz; Azu Nwagbogu, diretor de Lagos Foto Festival; e Ruth Eichhorn, editora de fotografia da GEO International Magazine.

Para Peter Pfrunder, Diretor do Júri, “É quase impossível medir o efeito preciso que as imagens têm sobre as nossas ações. Mas não pode haver dúvida de que as fotografias expandem nossa compreensão sobre o planeta. Ampliam a gama de conhecimentos, afetam nossa consciência e influenciam nossas ações”. Clique nos links abaixo para conhecer os trabalhos e  votar:

O impacto da produção de carne, leite e soja na Amazônia é parte da proposta de Hammond
O impacto da produção de carne, leite e soja na Amazônia é parte da proposta de Hammond

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *