Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Leituras em tempos polarizados

Livros que podem ajudar a reduzir a desinformação e a violência verbal dos dias de hoje

Nesta guerra digital, palavras e conceitos importantes vão sendo jogados ao vento, formando uma nuvem de (des)informação
Nesta guerra digital, palavras e conceitos importantes vão sendo jogados ao vento, formando uma nuvem de (des)informação

Numa época de ânimos exacerbados, que leva a pensamentos (e atitudes) extremos do tipo “se você não está comigo, está contra mim”, as redes sociais têm sido responsáveis por exibir a faceta menos bonita, digamos assim, da sociedade. Às vezes dá saudade do tempo das cavernas… E nesse espaço, a pretexto de se indignar, cobrar, resistir ou até mesmo esclarecer, muitas palavras e conceitos importantes vão sendo jogados ao vento, formando uma nuvem de (des)informação. Quem é nazista? E fascista? Totalitarista, eu?  Estamos numa democracia ou num rabicho da ditadura? E a corrupção, era maior ou menor nos velhos tempos? Feminista virou xingamento?

O bom é que todos estes temas foram e continuam sendo objeto de numerosos livros, e estão à disposição de todos: dos curiosos profissionais; daqueles que sempre desconfiam de termos e conceitos históricos usados sem cerimônia e sem noção; e também de quem simplesmente quer xingar ou elogiar – depende sempre do ângulo que se olha… – com alguma propriedade.

A lista de publicações é muito extensa, composta por autores mais ou menos conhecidos, alguns tendo vivenciado o momento histórico que relatam, outros tendo se debruçado sobre o tema por uma paixão intelectual específica. Às vezes ambas as coisas. Portanto, a seleta que se segue não pretende e não vai dar conta desse universo tão rico, tão precioso. Aqui não entraram, por exemplo, obras de ficções gloriosas que abordam, em maior ou menor grau de alegoria e ferocidade, as entranhas das múltiplas formas de poder.  De todo modo são leituras que podem valer para muitos momentos – há vários clássicos em suas áreas – e, como grande parte dos livros, colaboram para a criação de um mundo melhor. Que talvez continue cada vez mais cindido, mais polarizado, mas quem sabe com menos desinformação e violência verbal.

Como toda e qualquer lista, essa também não será unanimidade, ainda bem. Então agora vem a pergunta: qual é a sua?

Origens do totalitarismo. De Hannah Arendt.  Tradução de Roberto Raposo. Editora Companhia das Letras (edição de bolso), 832 páginas.

capa (10)A filósofa alemã de origem judaica (1906-1975), que em 1933 decidiu fugir de seu país quando Adolf Hitler se tornou chanceler e o Partido Nazista ganhou força, iniciando a perseguição de judeus e de quem estivesse em desacordo com a nova ordem, dedicou grande parte de sua vida a combater os regimes totalitários. E combater significava principalmente escrever e refletir sobre o tema, buscando compreender a gênese e o impacto destes regimes sobre a Humanidade. “Origens do totalitarismo” foi publicado em 1951, pouco depois do fim da Segunda Guerra, quando Arendt já morava nos Estados Unidos, onde ganhou nova cidadania (em 1937 o nazismo cassara a sua identidade alemã) e onde morreu em 1975. Considerada uma obra capital para o entendimento dos movimentos totalitários, o livro aborda o antissemitismo e a questão judaica (que alimentaram o movimento nazista e a guerra); o imperialismo e sua máquina ameaçadora de expansão territorial; e, juntando as pontas históricas, chega finalmente ao totalitarismo, suas formas de opressão pelo terror e propaganda, centrando na Alemanha nazista e na Rússia stalinista. No prefácio à primeira edição, a filósofa afirma que o livro foi escrito com uma “mescla do otimismo temerário e do desespero temerário”, diante de um mundo que via derreter seus valores básicos. Ao falar do exercício da compreensão da História, a autora de obras importantes como “Eichmann em Jerusalém”, “Sobre a revolução” e “A condição humana”, entre outras, define: “Compreender significa, em suma, encarar a realidade sem preconceitos e com atenção, e resistir a ela – qualquer que seja”.

A anatomia do fascismo. De Robert  O. Paxton. Tradução de Patrícia Zimbres e Paula Zimbres. Editora Paz e Terra, 420 páginas.

capa (7)Na obra, o historiador americano Robert O. Paxton diz que o fascismo foi a grande inovação política do século XX e, ao longo do volume, vai examinando minuciosamente suas origens, seu desenvolvimento, analisando menos o ideário e mais as ações práticas dos fascistas e de seus aliados, para tentar entender a complexidade do movimento. Alemanha e Itália – país onde o fascismo nasceu oficialmente em 1919, na cidade de Milão – são os Estados em que o regime se fez mais evidente, mas Paxton, professor emérito de História Contemporânea da Universidade Columbia, em Nova York, também aponta sua lupa para lugares como a França e outros fora da Europa. Das raízes intelectuais e culturais às causas das radicalizações, o historiador elabora o conceito de fascismo – a literatura sobre o tema registra muitos deles, às vezes contraditórios – e se pergunta se ainda há espaço para isso nos dias de hoje.

Hitler, de Ian Kershaw. Tradução de Pedro Maia Soares. Editora Companhia das Letras, 1024 páginas.

capa (9)Embora seja uma biografia, publicada originalmente em dois volumes, “Hitler”, do historiador britânico Sir Ian Kershaw, pode iluminar com bastante clareza os meandros do nazismo através da trajetória de seu protagonista. Além de mostrar em detalhes quem foi essa figura, e sua capacidade de influenciar a sociedade, Kershaw contextualiza o momento em que a Alemanha começou a flertar seriamente com o nacional-socialismo, que desaguou na maior tragédia do mundo moderno, o Holocausto.

Coleção Ditadura: A ditadura envergonhada; A ditadura escancarada; A ditadura derrotada; A ditadura encurralada. De Elio Gaspari. Editora Intrínseca.

capa (5)E se as palavras da vez são golpe, democracia e ditadura, nada como ler os quatro volumes, já clássicos, do jornalista Elio Gaspari sobre o assunto. Dividida em dois conjuntos (“As ilusões armadas”, com os dois primeiros tomos, e “O sacerdote e o feiticeiro”, com os últimos), a coleção é resultado de uma extensa e minuciosa pesquisa de Gaspari sobre o governo militar que se instaurou no Brasil, com um golpe, em 1964. Saber exatamente como tudo começou e terminou, quais os principais personagens da trama, e os desdobramentos de ontem nos dias atuais pode facilitar a vida de muita gente. A coleção, considerada o mais completo retrato do período, foi relançada em 2014 (a primeira edição é da Companhia das Letras, publicada entre 2002 e 2004) numa versão revista, incorporando novos documentos. A novidade maior foram as edições digitais, coordenadas pela jornalista Adriana Barsotti, enriquecidas com áudios e vídeos que complementam e avançam nas narrativas. A Intrínseca, aliás, deve lançar em junho “A ditadura acabada”, quinto volume da série, que abordará os últimos meses do governo Ernesto Geisel e o governo de João Baptista Figueiredo, último presidente militar do Brasil.

Corrupção, mostra a sua cara. De Marco Morel. Editora Casa da Palavra, 204 páginas.

capa (2)Uma breve procura por corrupção no site de uma livraria qualquer já dá uma ideia do quanto o tema interessa ao país. Infelizmente. Porque não deixa de ser um triste dado revelador a maneira como o assunto foi e continua sendo explorado sob diversas óticas por jornalistas, historiadores, juristas, sociólogos e afins. É um karma que acompanha o Brasil desde sua descoberta, desde o troca-troca de favores entre homens da Corte e da então Colônia. Difícil escolher apenas um título. Como o tema anda deixando muita gente deprimida, sem vontade de ver, ouvir ou ler o noticiário, a obra do jornalista, historiador e professor Marco Morel pode ser um jeito um pouco menos sofrido de mergulhar na lama. O autor pesquisou o tema a fundo, optando pelo caminho do “rir para não chorar” ao recolher histórias de escândalos de tempos ancestrais e dos dias de hoje (o livro foi lançado em 2012). Além da grande corrupção, aquela mais facilmente reconhecível, que mistura a coisa pública e a privada, Morel também lembra as pequenas corrupções do dia a dia (quase nunca percebidas como tal), como o plágio nos trabalhos escolares. Completa a obra um capítulo otimista, dedicado aos personagens incorruptíveis.

Dicionário de política (dois volumes). Organização de Norberto Bobbio, Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino. Tradução de Carmen C.  Varrialle, Gaetano Lo Mônaco, João Ferreira, Luís Guerreiro Pinto Cacais e Renzo Dini. Editora UnB/Imprensa Oficial.

capa (4)Para quem quer ter tudo, ou quase tudo, à mão num só lugar, a dica são os dois volumes de “Dicionário de política”. Eles constituem um clássico da historiografia política, e reúnem verbetes escritos por diversos especialistas sobre termos que vão de absolutismo (o primeiro) a vontade geral (o último). Coordenado pelo filósofo, historiador, escritor e jurista italiano Norberto Bobbio (1909-2004), ao lado de Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino, a obra foi escrita pensando no leitor leigo, que se interessa pelo assunto, e por isso apresenta uma linguagem fluida, acessível. Um compêndio precioso.

Os donos do poder, de Raymundo Faoro. Editora Globo Livros, 944 páginas.

capa (6)E para quem quer entender principalmente como o Brasil se tornou o Brasil, o livro é “Os donos do poder”, clássico dos clássicos lançado em 1958 pelo jurista, historiador, cientista político, escritor e acadêmico Raymundo Faoro (1925-2003). Reeditada diversas vezes, a obra monumental mostra como a estrutura patrimonialista trazida pela Coroa portuguesa tornou-se a base rígida da nossa economia política, formando uma casta burocrática que propiciou, entre outras coisas, o desenvolvimento e enraizamento da corrupção no país.

*********

Cada vez mais importante, a discussão sobre feminismo aparece, muitas vezes, de forma enviesada, algumas delas quase como um insulto
Cada vez mais importante, a discussão sobre feminismo aparece, muitas vezes, de forma enviesada, algumas delas quase como um insulto

Num outro canto do ringue armado pelas redes sociais está a questão feminista, sem dúvida alguma uma discussão cada vez mais importante, mas invocada muitas vezes de forma enviesada, algumas delas quase como um insulto. Ter uma mulher pela primeira vez na presidência do Brasil influenciou positivamente o debate e ações no país. Nos últimos tempos, porém, muitos dizem acreditar que o enfraquecimento de Dilma Rousseff foi causado, entre outras coisas, pelo machismo avassalador que ainda domina a sociedade de forma geral e a cena política nacional em particular. Ah, a filósofa francesa Simone de Beauvoir não está nesta seleção, alguns hão de reclamar, mas nem precisava lembrá-la. Sempre haverá espaço para ela, em qualquer lista. Façam as suas.

Sejamos todos feministas. De Chimamanda Ngozi Adichie. Tradução de Cristina Baum. Editora Companhia das Letras, 64 páginas.

capa (1)A celebrada autora de “Americanah”, nascida na Nigéria em 1977, usa sua própria experiência como mulher, negra e africana para insistir na tecla de que muito caminho ainda deverá ser trilhado até que a sociedade seja verdadeiramente igualitária, libertadora. Tanto para meninas como para meninos, já que encaixar o ser humano em padrões específicos oprime representantes de todos os sexos. O pequenino livro é uma adaptação de um discurso feito por Chimamanda no TEDxEuston (http://tedxtalks.ted.com/video/We-should-all-be-feminists-Chim), e que teve inclusive um trecho musicado pela pop star Beyoncé. Quando foi chamada de feminista pela primeira vez, por um amigo de infância, a Chimamanda conta que percebeu imediamente que o que ele queria não era elogiá-la, e sim acusá-la.

Feminismo e política. De Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli. Editora Boitempo, 164 páginas.

capa (8)Lançado em 2014, o livro apresenta as principais contribuições da teoria política sobre o feminismo feitas a partir dos anos 1980, analisando conceitos e termos ainda em debate dentro do próprio movimento, como o aborto, por exemplo. Segundo os autores, a obra foi escrita com o objetivo de facilitar (sem banalizar) o assunto para aqueles que têm interesse, mas ainda não muita intimidade, com o tema. Uma das questões importantes levantadas é a ainda incipiente representação das mulheres na política, apesar de inegáveis avanços em diversas áreas.

Dicionário crítico do feminismo. Organização de Helena Hirata, Françoise Laborie, Hélène Le Doaré e Danièle Senotier. Editora Unesp, 344 páginas.

capa (3)Como o próprio título diz, a principal proposta da obra, publicada na França em 2000 e no Brasil em 2009, é estimular e embasar um pensamento mais aprofundado sobre o feminismo, sem pretender dar conta de todas as questões ainda abertas em torno do tema. Dominação, violência, aborto e patriarcado são alguns dos assuntos desenvolvidos em 48 verbetes por autoras e autores de origem predominantemente francesa.

Escrito por Mànya Millen

Mànya Millen

Manya Millen é jornalista. Em 1989 ingressou na redação do jornal O Globo, onde trabalhou como repórter da área de cultura, editora assistente da editoria Mundo e, entre agosto de 2004 e agosto de 2015, como editora do caderno Prosa, suplemento de livros e debates do jornal.

3 posts

3 Comentários

Deixe uma mensagem
  1. Da hora, Mànya! Estamos precisando ampliar o debate sobre toda essa polarização “amarelo x vermelho”, recatadas e não recatadas,etc…mais, mais, mais! Um beijo!

  2. Excelente a seleção. Incluiria também o Villa na análise dos tempos de chumbo até agora, junto com o Gaspari. Acredito que um complemente o outro. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *