O bem-estar não é amigo das mulheres: é uma distração das aflições femininas

Mulher faz yoga ao pôr do sol: para pesquisadoras, indústria do bem-estar gerencia agenda diária das mulheres com “rotinas de cuidados com a pele, desafios de 30 dias, meditações, velas acesas, ioga e água com limão” (Foto: Sakkmesterke / AAT / Science Photo Library / AFP – 15/12/2021)

Para pesquisadoras, indústria do bem-estar encobre questões estruturais que realmente prejudicam mulheres: é racista, sexista, etarista e classista

Por The Conversation | ODS 5 • Publicada em 8 de março de 2022 - 09:37 • Atualizada em 13 de março de 2022 - 11:51

Compartilhe

Mulher faz yoga ao pôr do sol: para pesquisadoras, indústria do bem-estar gerencia agenda diária das mulheres com “rotinas de cuidados com a pele, desafios de 30 dias, meditações, velas acesas, ioga e água com limão” (Foto: Sakkmesterke / AAT / Science Photo Library / AFP – 15/12/2021)

(Kate Seers e Rachel Hogg*) – O bem-estar é comercializado principalmente para mulheres. Somos encorajados a comer limpo, assumir responsabilidade pessoal por nosso bem-estar, felicidade e vida. Essas são as marcas de uma mulher forte e independente em 2022.

Mas na véspera do Dia Internacional da Mulher, vamos olhar mais de perto para essa noção feminista neoliberal de bem-estar e responsabilidade pessoal – a ideia de que a saúde e o bem-estar das mulheres dependem de nossas escolhas individuais.

Leu essa? Feminismo na prática: mulheres brasileiras diante de desafio histórico

Argumentamos que o bem-estar não está preocupado com o bem-estar real, o que quer que a “guru” do bem-estar, atriz e empresária Gwyneth Paltrow sugira, ou os influenciadores digam no Instagram.

O bem-estar é uma indústria. É também uma distração sedutora do que realmente está impactando a vida das mulheres. Ele encobre as questões estruturais que realmente prejudicam as mulheres; problemas não podem ser resolvidos bebendo um café com leite de açafrão ou #livingyourbestlife.

Bem-estar culpa as mulheres

O bem-estar é uma indústria global não regulamentada de US$ 4,4 trilhões que deve atingir quase US$ 7 trilhões até 2025. Ela promove a autoajuda, o autocuidado, a boa forma, a nutrição e a prática espiritual. Incentiva boas escolhas, intenções e ações.

O bem-estar é atraente porque parece empoderador. As mulheres ficam com uma sensação de controle sobre suas vidas. É particularmente atraente em tempos de grande incerteza e controle pessoal limitado. Isso pode ocorrer durante o término de um relacionamento, ao enfrentar instabilidade financeira, discriminação no local de trabalho ou uma pandemia global.

Mas bem-estar não é tudo o que parece.

Bem-estar implica que as mulheres são falhas e precisam ser corrigidas. Exige que as mulheres resolvam seu sofrimento psicológico, melhorem suas vidas e se recuperem das adversidades, independentemente das circunstâncias pessoais.

Auto-responsabilidade, auto-capacitação e auto-otimização sustentam como se espera que as mulheres pensem e se comportem.

Como tal, o bem-estar patrocina as mulheres e micro-gerencia suas agendas diárias com rotinas de cuidados com a pele, desafios de 30 dias, meditações, velas acesas, ioga e água com limão.

O bem-estar incentiva as mulheres a melhorar sua aparência por meio de dieta e exercícios, gerenciar seu ambiente, desempenho no trabalho e sua capacidade de conciliar o equilíbrio indescritível entre vida profissional e pessoal, bem como suas respostas emocionais a essas pressões. Eles fazem isso com o apoio de coaches de vida caríssimos, psicoterapeutas e guias de auto-ajuda.

O bem-estar exige que as mulheres se concentrem em seu corpo, sendo o corpo uma medida de seu compromisso com a tarefa de bem-estar. No entanto, isso ignora o quanto essas escolhas e ações custam.

A jornalista autraliana e apresentadora de TV Tracey Spicer diz que gastou mais de 100 mil dólares australianos nos últimos 35 anos para que seu cabelo “parecesse aceitável” no trabalho.

O bem-estar mantém as mulheres focadas em sua aparência e as mantém gastando seu dinheiro.

Também é racista, sexista, etarista (com preconceito contra idade) e classista. Destina-se a um ideal de mulheres jovens, magras, brancas, de classe média e fisicamente aptas.

O bem-estar nos distrai

O bem-estar pressupõe que as mulheres tenham acesso igual a tempo, energia e dinheiro para atender a esses ideais. Se você não fizer isso, “você simplesmente não está se esforçando o suficiente”. Também implora que as mulheres sejam “adaptáveis e positivas”.

Se as vibrações #positivas e o bem-estar de um indivíduo são vistos como moralmente bons, torna-se moralmente necessário que as mulheres se envolvam em comportamentos enquadrados como “investimentos” ou “autocuidado”.

Para aqueles que não alcançam a auto-otimização (dica: a maioria de nós) esta é uma falha pessoal e vergonhosa.

Quando as mulheres acreditam que são culpadas por suas circunstâncias, isso esconde desigualdades estruturais e culturais. Em vez de questionar a cultura que marginaliza as mulheres e produz sentimentos de dúvida e inadequação, o bem-estar oferece soluções na forma de empoderamento superficial, confiança e resiliência.

As mulheres não precisam de bem-estar. Elas sofrem com a falta de segurança.

As mulheres são mais propensas a serem assassinadas por um parceiro íntimo atual ou anterior, com relatos da pandemia aumentando o risco e a gravidade da violência doméstica.

Leu essa? Especial Um vírus e duas guerras: feminicídio no Brasil avança na pandemia

As mulheres são mais propensas a serem empregadas em trabalho precário instável e experimentam dificuldades econômicas e pobreza. As mulheres também estão sofrendo o impacto das consequências econômicas da covid-19. As mulheres são mais propensas a fazer malabarismos para equilibrar a carreira com tarefas domésticas não remuneradas e mais propensas a ficarem sem-teto à medida que se aproximam da idade da aposentadoria.

Em seu livro Confidence Culture, as pesquisadoras britânicas Shani Orgad e Rosalind Gill argumentam que hashtags como #loveyourbody e #believeinyourself implicam bloqueios psicológicos, em vez de injustiças sociais arraigadas, que impedem as mulheres.

O que deveríamos estar fazendo

O bem-estar, com sua retórica de autoajuda, absolve o governo da responsabilidade de fornecer ações transformadoras e eficazes que garantam que as mulheres estejam seguras, façam justiça e sejam tratadas com respeito e dignidade.

A desigualdade estrutural não foi criada por um indivíduo e não será resolvida por um indivíduo.

Portanto, neste Dia Internacional da Mulher, tente resistir à exigência neoliberal de assumir a responsabilidade pessoal pelo seu bem-estar. Em vez disso, pressione os governos para abordar as desigualdades estruturais.

Siga sua raiva, não sua felicidade; denuncie as injustiças quando puder. E, nas palavras de uma sobrevivente de agressão sexual, a militante dos direitos femininos Grace Tame, “faça barulho”.

*Kate Seers é cientista social e mestranda em Psicologia na Charles Sturt University (Austrália); Rachel Hogg é pesquisadora e conferencista em Psciologia na Charles Sturt University (Austrália)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.