Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

UFF desenvolve prótese dentária de baixo custo

Pesquisadores produzem biomaterial já testado, com sucesso, em pessoas totalmente sem dentes


Teste em prótese no laboratório da UFF: alta eficiência e baixo custo para pacientes sem dentes no SUS (Divulgação/UFF)
Teste em prótese no laboratório da UFF: alta eficiência e baixo custo para pacientes sem dentes no SUS (Divulgação/UFF)

O sorriso é algo tão natural que não se pensa muito sobre isso até o dia em que ele muda. Perda de dentes pode ser uma situação muito difícil: abala a autoestima e pode alterar a fala. Afeta também a alimentação, pois a mastigação é comprometida. E se adaptar a utilizar próteses móveis também não é simples. As próteses fixas, por outro lado, além de caras, não são indicadas para todos os casos. Com todas essas preocupações, pesquisadores da UFF (Universidade Federal Fluminense) e da CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas) desenvolveram uma prótese de alta eficiência e também de baixo custo para facilitar o acesso dos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) ao tratamento.

Leia mais reportagens da série #100diasdebalbúrdiafederal

Os testes do material foram realizados inicialmente em células no Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia), sob a coordenação do pesquisador José Mauro Granjeiro e, posteriormente na UFF, sob a coordenação do professor Gutemberg Gomes Alves.  Em seguida, foi a vez dos testes em animais, no Laboratório de Experimentação Animal da UFF, com supervisão do professor Rodrigo Resende. Com resultados positivos e seguros, finalmente os testes clínicos (em humanos) foram iniciados. 

LEIA MAIS: Um país de desdentados: Brasil exibe dados alarmantes de descaso com a saúde bucal

LEIA MAIS: Reitora da UFRJ paga pesquisa do próprio bolso

Sob a coordenação da professora Monica Calasans, os testes em humanos tiveram como pré-requisito, que os participantes tivessem total ausência de dentes. “Todos os participantes de pesquisa foram reabilitados proteticamente e o resultado foi muito surpreendente, pois a solução para a ausência dos dentes foi mais importante do ponto de vista estético e de  convívio social do que da própria função mastigatória”, afirma a pesquisadora.

 O apoio para a pesquisa veio por meio do edital Programa para o SUS: Gestão compartilhada em Saúde. “O desenvolvimento da pesquisa só foi possível com o recurso financeiro proveniente do edital. Infelizmente com os cortes que o setor de pesquisa vem sofrendo nesses últimos anos, cada vez mais encontramos dificuldades financeiras para manutenção dos laboratórios e das pesquisas”, lamenta Monica Calasans.

A professora Monica Calasans, coordenadora da pesquisa sobre a prótese dentária: 'Infelizmente com os cortes que o setor de pesquisa vem sofrendo nesses últimos anos, cada vez mais encontramos dificuldades financeiras para manutenção dos laboratórios e das pesquisas' (Foto: Divulgação/UFF)
A professora Monica Calasans, coordenadora da pesquisa sobre a prótese dentária: ‘Infelizmente com os cortes que o setor de pesquisa vem sofrendo nesses últimos anos, cada vez mais encontramos dificuldades financeiras para manutenção dos laboratórios e das pesquisas’ (Foto: Divulgação/UFF)

Os recursos do PP SUS garantiram a ampliação do Laboratório Associado de Pesquisa Clínica em Odontologia (LPCO), o que permitiu que outros equipamentos fossem inseridos, como o EXAKT System Germany, adquirido com recursos da Rede de Bioengenharia do Estado do Rio de Janeiro. “Agora conseguimos analisar amostras de um tecido mineralizado sem a necessidade de realizar a desmineralização do material. Não só as pesquisas da UFF se beneficiaram, mas também pesquisas na UFRJ, CBPF, IME, Inmetro e outras instituições foram beneficiadas com este equipamento”, garante a coordenadora do trabalho.

Segundo Monica Calasans, os próximos passos da pesquisa, já com todos os testes realizados e com o depósito de patente encaminhado, será a transferência da tecnologia deste material para empresa privada e posterior comercialização.

Biomaterial para simular tecido ósseo

O material produzido é uma hidroxiapatita carbonatada nanoestrutura – material complexo utilizado para compostos biológicos, desenvolvido pelo CBPF e UFF, testado pelo Innmetro e pela UFF, sob a coordenação dos professores José Mauro Granjeiro e Monica Calasans. A hidroxiapatita é um fosfato de cálcio mais estável e indissolúvel em condições ambientes, muito usada para o desenvolvimento de materiais bioativos que simulem a composição do tecido ósseo, pois é capaz de induzir o crescimento desse tecido onde for aplicada. Nessa estrutura, é inserido o ácido carbono (deixando-a carbonatada) e, além disso, é nanoestruturada (materiais complexos em escala nanométrica).

Diferente dos materiais desenvolvidos atualmente no mercado nacional e internacional, essa hidroxiapatita carbonatada nanoestrutura é um biomaterial reabsorvível e permanece por longo período dentro da área implantada. Além disso, o formato de esferas, comprovadamente, reduz possíveis inflamações. O biomaterial foi testado com células, animais e humanas e não apresentou nenhum efeito adverso, com isso, até o momento, não apresenta contraindicações. 

49/100 A série #100diasdebalbúrdiafederal pretende mostrar, durante esse período, a importância das instituições federais e de sua produção acadêmica para o desenvolvimento do Brasil

 


Escrito por Barbara Lopes

Formada em Letras/Literaturas pela Universidade Federal Fluminense, carioca que não vai à praia, mas vive na floresta e na selva da cidade. Cursando graduação em Jornalismo na UFRJ. Acredita que a leitura e o diálogo transformam o mundo.

8 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *