A Amazônia vista por Sebastião Salgado

Xamã Yanomami em ritual durante a subida para o Pico da Neblina, na Amazônia (Foto Sebastião Salgado / 2014)

Depois de passar por capitais europeias, exposição do fotógrafo sobre o principal bioma brasileiro chega ao Sesc Pompeia, em São Paulo, e ao Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro

Por Carla Lencastre | ODS 15 • Publicada em 11 de abril de 2022 - 10:56 • Atualizada em 19 de abril de 2022 - 08:55

Compartilhe

Xamã Yanomami em ritual durante a subida para o Pico da Neblina, na Amazônia (Foto Sebastião Salgado / 2014)

Rios voadores. Povos ameaçados. Árvores exuberantes. A exposição “Amazônia” de Sebastião Salgado é uma extraordinária aula de educação ambiental. Com cerca de 200 fotografias em preto e branco, a maioria ampliada em grandes formatos, a mostra já esteve em Paris, Roma e Londres. Agora pode ser vista no Sesc Pompeia, em São Paulo. No segundo semestre entra em cartaz no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. No Amanhã, a exposição de um dos maiores fotógrafos brasileiros dará continuidade à mostra atual sobre a Amazônia, a “Fruturos: tempos amazônicos”. Regeneração é a palavra-chave das duas exposições.

Leu essa? A Amazônia às margens da Baía de Guanabara em “Fruturos. tempos amazônicos”

Lélia Wanick Salgado, curadora e cenógrafa de “Amazônia”, diz no texto de apresentação da mostra que “quis criar um ambiente em que o visitante se sentisse dentro da floresta, imerso em sua exuberante vegetação e no cotidiano de suas populações locais”. A trilha sonora, assinada pelo músico francês Jean-Michel Jarre, é inspirada nos sons da maior floresta tropical do planeta, como a água correndo, o canto dos pássaros, o vento nas folhas. A exposição apresenta ainda vídeos e mapas que chamam a atenção para a dimensão do mais importante bioma brasileiro, que ocupa quase 50% do território do país. A produção do projeto “Amazônia” durou sete anos e teve o apoio do Instituto Socioambiental (Isa), que colaborou desde a execução dos mapas até o contato com líderes indígenas e as expedições.

São muitas as paisagens admiráveis, com destaque para os rios aéreos, ou “rios voadores”, formados quando o vapor d’água flutua por cima da floresta. Esses “rios” são fundamentais para o bioma amazônico e podem carregar mais água do que os “terrestres”. Os “voadores” influenciam o clima em todo o mundo, e, claro, são suscetíveis à devastação da floresta e à crise climática. Além de panoramas impressionantes de rios, montanhas, chuvas torrenciais, a mostra chama a atenção para 12 comunidades indígenas isoladas, como a Zo’é, que vive no Pará, na margem norte do Rio Amazonas, em uma área de floresta mais preservada do que a margem sul. Outro povo retratado é o Awá-Guajá, que migrou do Pará para o Maranhão e hoje habita um território cada vez menor por conta da exploração das jazidas de minério de ferro e da ação de madeireiros. A organização não-governamental (ONG) Survival International considera os Awá-Guajá como a “tribo mais ameaçada da Terra”. “Amazônia”, a exposição, ressalta a potência da vida e o poder da regeneração sobre a destruição.

Leu essa? A força das línguas indígenas

Serviço

Sesc Pompeia, São Paulo. “Amazônia” pode ser vista até julho de 2022, de terça-feira a sábado, das 10h30m às 21h (entrada até as 19h30m), e aos domingos, das 10h30 às 18h (entrada até as 16h30m). O acesso é gratuito, com apresentação do certificado de vacinação.

Museu do Amanhã, Rio de Janeiro. “Amazônia” entra em cartaz no segundo semestre. Enquanto isso, “Fruturos: tempos amazônicos” pode ser vista até 12 de junho, de terça-feira a domingo, das 10h às 17h. Os ingressos (R$ 30, inteira, e R$ 15) são vendidos online. Às terças a entrada é gratuita, mas os tíquetes com dia e hora marcados também precisam ser reservados online. É obrigatória a apresentação do certificado de vacinação.

Carla Lencastre

Jornalista formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou por mais de 25 anos na redação do jornal O Globo nas áreas de Comportamento, Cultura, Educação e Turismo. Editou a revista e o site Boa Viagem O Globo por mais de uma década. Anda pelo Brasil e pelo mundo em busca de boas histórias desde sempre. Especializada em Turismo, tem vários prêmios no setor e é colunista do portal Panrotas. Desde 2015 escreve como freelance para diversas publicações, entre elas o #Colabora e O Globo. É carioca e gosta de dias nublados. Ama viajar. Está no Instagram em @CarlaLencastre 

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.