Pandemia teve impacto mínimo nas emissões de carbono

Usina de carvão em Xangai, China, antes da pandemia: energia a carvão é uma vilã da emissão de gases de efeito estufa (Johannes Esbele/AFP)

Boletim de agência da ONU aponta que desaceleração provocada pela covid-19 não freou o aumento recorde das concentrações de CO2

Por Oscar Valporto | ODS 13 • Publicada em 24 de novembro de 2020 - 15:43 • Atualizada em 27 de novembro de 2020 - 19:56

Compartilhe

Usina de carvão em Xangai, China, antes da pandemia: energia a carvão é uma vilã da emissão de gases de efeito estufa (Johannes Esbele/AFP)

Boletim anual da Organização Meteorológica Mundial (OMM), sobre emissão de gases de efeito estufa, aponta que a concentração de dióxido de carbono na atmosfera aumentou de maneira brutal em 2019 e a tendência continuou em 2020, apesar das medidas restritivas contra a Covid-19. A desaceleração industrial devido à pandemia não reduziu os níveis recordes de gases de efeito estufa que estão prendendo o calor na atmosfera, aumentando as temperaturas e levando a eventos climáticos extremos, com derretimento do gelo, aumento do nível do mar e acidificação dos oceanos, de acordo com OMM, agência da ONU.

A queda de emissões relacionada ao lockdown e a medidas restritivas é apenas uma pequena mancha no gráfico de longo prazo. Precisamos de um achatamento sustentado da curva

Petteri Taalas
Secretário-Geral da OMM

O bloqueio reduziu as emissões de muitos poluentes e gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono. Mas qualquer impacto nas concentrações de CO2 – o resultado de emissões cumulativas passadas e atuais – não é maior do que as flutuações normais de ano a ano no ciclo do carbono. “O dióxido de carbono permanece na atmosfera por séculos e no oceano por mais tempo ainda. A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi de 3-5 milhões de anos atrás, quando a temperatura estava 2-3 ° C mais quente e o nível do mar estava 10-20 metros mais alto do que agora. Mas não havia 7,7 bilhões de habitantes ”, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, ao apresentar o documento.

Os níveis de dióxido de carbono viram outro surto de crescimento em 2019 e a média global anual ultrapassou o limite significativo de 410 partes por milhão, de acordo com o boletim da OMM. O aumento continuou em 2020. Desde 1990, houve um aumento de 45% no forçamento radiativo total – o efeito do aquecimento no clima – pelos gases de efeito estufa de longa duração, com o CO2 sendo responsável por quatro quintos disso. “Ultrapassamos o limite global de 400 partes por milhão em 2015. E apenas quatro anos depois, ultrapassamos 410 ppm. Essa taxa de aumento nunca foi vista na história de nossos registros. A queda de emissões relacionada ao lockdown e medidas restritivas é apenas uma pequena mancha no gráfico de longo prazo. Precisamos de um achatamento sustentado da curva”, disse Taalas.

O Projeto Carbono Global estimou que durante o período mais intenso de paralisação, as emissões diárias de CO2 podem ter sido reduzidas em até 17% globalmente devido ao confinamento da população. Como a duração e a severidade das medidas de confinamento permanecem obscuras, a previsão da redução total das emissões anuais em 2020 é muito incerta. Estimativas preliminares indicam redução da emissão global anual entre 4,2% e 7,5%.

Os pesquisadores explicam que, em escala global, uma redução de emissões dessa escala não fará com que o CO2 atmosférico diminua. O CO2 continuará a subir, embora em um ritmo ligeiramente menor, dentro da variabilidade interanual natural. Isso significa que, no curto prazo, o impacto dos confinamentos provocados pela pandemia, por ser reduzido, não pode ser distinguido da variabilidade natural, de acordo com o boletim da OMM. “A pandemia de covid-19 não é uma solução para as mudanças climáticas. No entanto, ele nos fornece uma plataforma para uma ação climática mais sustentada e ambiciosa para reduzir as emissões a zero por meio de uma transformação completa de nossos sistemas industriais, de energia e de transporte. As mudanças necessárias são economicamente acessíveis e tecnicamente possíveis. E afetariam nossa vida cotidiana apenas marginalmente. É para comemorarmos que um número crescente de países e empresas estejam se comprometendo com a neutralidade de carbono ”, disse o presidente da OMM. “Não há tempo a perder”, acrescentou.

Toda a nossa economia e nossos padrões de consumo nos conectam a emissões extremamente altas, mesmo se todos ficarmos confinados, em lockdown

Oksana Tarasova
Chefe de pesquisa ambiental atmosférica da OMM

As concentrações médias mensais de CO2 em Mauna Loa no Havaí – uma importante estação de monitoramento atmosférico, onde os dados de dióxido de carbono são coletados – foram 411,29 ppm em setembro de 2020, contra 408,54 no ano anterior. Da mesma forma, em Cape Grim, na Tasmânia, outra importante estação de medição da poluição do ar, em setembro de 2020 as concentrações de CO2 atingiram 410,8 ppm – acima dos 408,58 em 2019.

Estação de monitoramento do ar em Cape Grim, na Tasmânia: medição registrou aumento nas concentrações de CO2 em 2020 (Foto: William West/AFP)
Estação de monitoramento do ar em Cape Grim, na Tasmânia: medição registrou aumento nas concentrações de CO2 em 2020 (Foto: William West/AFP)

Embora não haja detalhes dos níveis de metano para 2020, as concentrações desse gás também aumentaram em 2019. As concentrações de metano aumentaram mais do que a média na última década, embora o aumento tenha sido um pouco menor do que nos anos anteriores. Mais da metade do metano emitido vem de atividades humanas, como criação de gado, cultivo de arroz e perfuração de petróleo e gás. As concentrações de óxido nitroso aumentaram cerca da média da última década. As emissões vêm da agricultura, energia e gestão de resíduos. Esse gás danifica a camada de ozônio, além de contribuir para o aquecimento global.

Chefe de pesquisa ambiental atmosférica da OMM, a física Oksana Tarasova disse que a magnitude do aumento nos níveis de dióxido de carbono nos últimos quatro anos foi comparável às mudanças vistas durante a passagem da idade do gelo para períodos mais temperados; naquela época, entretanto, a transição aconteceu durante um prazo muito mais longo. “Nós, humanos, fizemos isso sem nada, apenas com nossas emissões, e o fizemos em quatro anos”, destacou Oksana Tarasova que também espera uma redução pequena nos níveis de emissões durante este ano de pandemia. “Toda a nossa economia e nossos padrões de consumo nos conectam a emissões extremamente altas, mesmo se todos ficarmos confinados, em lockdown”, disse a chefe de pesquisa atmosférica da OMM.

Oscar Valporto

Oscar Valporto é carioca e jornalista – carioca de mar e bar, de samba e futebol; jornalista, desde 1981, no Jornal do Brasil, O Globo, O Dia, no Governo do Rio, no Viva Rio, no Comitê Olímpico Brasileiro. Está de volta ao Rio após oito anos no Correio* (Salvador, Bahia), onde foi editor executivo e editor-chefe. É criador da página no Facebook #RioéRua, onde publica crônicas sobre suas andanças pela cidade.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *