COP26: encontro dos ricos ou conferência da desigualdade

A caminho de Glasgow: apartheid das vacinas coloca Conferência do Clima em xeque, e movimento para adiar o encontro ganha musculatura

Por Liana Melo | ODS 13 • Publicada em 9 de setembro de 2021 - 08:07 • Atualizada em 30 de setembro de 2021 - 20:07

Protesto no Reino Unido, sede da COP26, pede ação aos governantes: movimento de ONGs teme encontro de países ricos, e pede adiamento da conferência (Foto: David Cliff / Anadolu Agency / AFP – 23/08/2021)

Protesto no Reino Unido, sede da COP26, pede ação aos governantes: movimento de ONGs teme encontro de países ricos, e pede adiamento da conferência (Foto: David Cliff / Anadolu Agency / AFP – 23/08/2021)

A caminho de Glasgow: apartheid das vacinas coloca Conferência do Clima em xeque, e movimento para adiar o encontro ganha musculatura

Por Liana Melo | ODS 13 • Publicada em 9 de setembro de 2021 - 08:07 • Atualizada em 30 de setembro de 2021 - 20:07

Compartilhe

Se a Conferência do Clima, a COP26, não for adiada, o primeiro grande encontro internacional na era covid-19 corre o sério risco de entrar para a história como a COP dos ricos ou a COP da desigualdade. Faltando apenas dois meses para a conferência das Nações Unidas em Glasgow, na Escócia, a COP26 está em xeque.

Leu essa? Brasil chegará isolado à COP26

Um movimento internacional para adiar o encontro começou a tomar corpo no último dia 7 de setembro, quando a Climate Action Network (CAN, na sigla em inglês), uma rede global de mais de 1,3 mil organizações não governamentais ambientais em mais de 130 países, pediu formalmente o adiamento da conferência.

Uma COP híbrida seria o pior dos mundos

Ana Toni
diretora-executiva do ICS

A motivação é o apartheid de vacinas que emergiu com a pandemia. “Uma conferência climática global segura, inclusiva e justa no início de novembro será impossível devido ao fracasso em apoiar o acesso a vacinas a milhões de pessoas em países pobres”, diz o documento da CAN. Sem falar no custo da viagem, que incluí quarentena dentro e fora do Reino Unido, especialmente para os países incluídos na lista vermelha. É o caso, por exemplo, do Brasil.

Na série “A caminho de Glasgow”, o #Colabora conversou sobre essa ameaça à COP26 com Ana Toni, diretora-executiva do Instituto Clima e Sociedade (ICS). “Quem decide que países estão dentro ou fora da lista vermelha? Quais são critérios?”, pergunta Ana Toni, alertando que as regras para a definição do que é bandeira vermelha não estão claras: “É preciso cobrar isso do governo britânico”. Ainda que admita que o Reino Unido esteja fazendo de tudo para realizar uma conferência em segurança, a diretora-executiva do ICS defende que é preciso repensar se é mesmo o momento de realizar a COP26 ainda este ano.

Leu essa? Agronegócio e agricultura familiar são vulneráveis às mudanças climáticas

Devido a urgência para conter a emergência climática e sendo a COP26 o encontro mais importante depois da COP21, quando foi assinado o Acordo de Paris, nem mesmo um encontro híbrido, meio presencial, meio virtual, seria aceitável.

“Uma COP híbrida seria o pior dos mundos”, comenta Ana. É que nesse tipo de encontro, decisões são discutidas madrugada a dentro, em jantares, em conversas de pé de ouvido nos corredores… “Ou fazemos uma COP 100% online, porque as regras seriam iguais para todos, ou é melhor adiar o encontro”, defende.

A grande preocupação do diretor-executivo da CAN, Tasneem Essop, é que “os países mais afetados pela crise climática e os países que sofrem com a falta de apoio das nações ricas no fornecimento de vacinas sejam deixados de fora das conversas”. O desequilíbrio dentro das negociações climáticas da ONU não é novidade, mas corre-se o risco dessa desigualdade ser potencializada pela crise sanitária.

As negociações sobre o clima são importantes, mas contra o atual contexto de apartheid da vacina, eles simplesmente não podem prosseguir bloqueando as vozes daqueles que precisam ser ouvidos neste momento

Tasneem Essop
diretor-executivo da Climate Action Network

Um ano e seis meses depois de a Organização Mundial da Saúde declarar a pandemia, 57% da Europa está totalmente vacinada, enquanto esse percentual é de apenas cerca de 3% em países da África. “As negociações sobre o clima são importantes, mas contra o atual contexto de apartheid da vacina, eles simplesmente não podem prosseguir bloqueando as vozes daqueles que precisam ser ouvidos neste momento”, denuncia Essop.

O apelo internacional para adiar a COP26 não significa boicotar as negociações climáticas. Muito pelo contrário. “A escalada dos impactos climáticos em todo o mundo é um lembrete de que uma ação consistente, urgente e transformadora no terreno para evitar o pior da crise climática é necessária todos os dias, dia após dia”, conclui o documento da CAN.

Liana Melo

Formada em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ. Especializada em Economia e Meio Ambiente, trabalhou nos jornais “Folha de S.Paulo”, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “O Dia” e na revista “IstoÉ”. Ganhou o 5º Prêmio Imprensa Embratel com a série de reportagens “Máfia dos fiscais”, publicada pela “IstoÉ”. Tem MBA em Responsabilidade Social e Terceiro Setor pela Faculdade de Economia da UFRJ. Foi editora do “Blog Verde”, sobre notícias ambientais no jornal “O Globo”, e da revista “Amanhã”, no mesmo jornal – uma publicação semanal sobre sustentabilidade. Atualmente é repórter e editora do Projeto #Colabora.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *