Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

E fez-se a luz… com garrafas PET

Litro de Luz


Instalação de um poste da Litro de Luz: iluminação mais barata e sustentável. Foto: Divulgação

Até bem pouco tempo, moradores de comunidades ribeirinhas do município de Caapiranga, no Amazonas, evitavam jantar após o anoitecer, preocupados com os acidentes provocados por espinhas de peixe que eles temiam não conseguir enxergar. A cidade, com 12 mil habitantes,  continua sem rede de energia elétrica –  realidade compartilhada com mais de 1 milhão de brasileiros -, mas a vida por lá começou a mudar com a chegada, em março de 2017, da ONG Litro de Luz, levando suas soluções criativas e sustentáveis. Foram instalados, em sete comunidades, 100 postes e doados 100 lampiões, feitos com materiais como garrafas PET, lâmpadas de LED e painéis solares. A vida em Caarapiranga se transformou.

Nossa missão é melhorar a qualidade de vida das pessoas, por meio de soluções sustentáveis, e empoderar os moradores, que participam de todo o processo de instalação e manutenção

Saulo Silos
Líder da célula da Litro de Luz no Rio

A ONG, internacional, foi criada 2012 pelo filipino Illac Diaz, que se inspirou em um invento de um brasileiro: o mecânico Alfredo Moser, de Uberaba. Para enfrentar o apagão de 2002, o mineiro  criou uma lâmpada com garrafa PET, água e água sanitária (Veja vídeo abaixo).  Hoje, a Litro de Luz atua em 20 países, como o Quênia, Colômbia e Honduras. Em alguns locais, ainda é utilizada a fórmula criada pelo uberabense. Mas no Brasil,  os postes e lampiões ganharam uma versão aprimorada, sem água sanitária, com painel solar.

O primeiro projeto de grande porte da ONG no país foi em 2015, na favela Vila Beira Mar, no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Foram instalados 25 postes na comunidade. “Nossa missão é melhorar a qualidade de vida das pessoas, por meio de soluções sustentáveis, e empoderar os moradores, que participam de todo o processo de instalação e manutenção, aprendendo a lidar com a tecnologia, que é muito simples”, diz Saulo Silos, líder da célula da ONG no Rio de Janeiro.

Existem áreas muito escuras aqui. Nos locais iluminados com os novos postes, diminuiu o número de assaltos e estupros

Zélia Maria do Nascimento
Líder comunitária da Vila Beira Mar

Saulo ressalta que a ONG atua tanto em áreas sem energia pública – não contempladas pelo programa federal Luz Para Todos, caso da Caapiranga – como em locais onde o serviço é deficiente. “Em ambientes urbanos, como a Vila Beira Mar, a proposta é implementar uma iluminação mais eficaz, barata e sustentável. Sem falar na questão da insegurança em áreas pouco iluminadas”.

Dona Zélia, líder comunitária da Vila Beira-Mar: menos assaltos e estupros na favela. Foto: Divulgação

O depoimento de Zélia Maria do Nascimento, líder comunitária da Vila Beira-Mar, dá a dimensão da importância da chegada da Litro de Luz. “Existem áreas muito escuras aqui. Nas áreas iluminadas com os novos postes, diminuiu o número de assaltos e estupros. Além disso, a atuação da ONG, com diálogo e parceria, torna as famílias mais confiantes”. A Litro de Luz também está presente na Rocinha. Foram instalados dois postes,  no Laboriaux, parte alta do morro, por meio de uma parceria com a ONG Favela Verde; e outros dois,  no pé da favela, na área conhecida como Roupa Suja, com apoio do projeto de reciclagem do Viva Rio.

Além do Rio, a Litro de Luz tem núcleos em São Paulo, Campina Grande, Brasília, Florianópolis e Manaus. Ao todo, são em torno de 300 voluntários, 200 postes instalados e 100 lampiões distribuídos, em oito localidades – como Sol Nascente, em Brasília; Vila Santa Margarida, em Ferraz de Vasconcellos (SP) e Vila Moraes, em São Bernardo do Campo (SP).

O lampião é uma invenção de um dos voluntários da ONG, o aposentado Nelson Yematsu. “É uma excelente solução para comunidades isoladas da Amazônia. Os pescadores podem carregá-lo para ir até porto de madrugada, as crianças usam para estudar até mais tarde e as mulheres, nas oficinas de costura”, diz Saulo.

Se os lampiões podem ser ligados a qualquer momento, os postes, fixados no solo por um cano de PVC com concreto em seu interior, acendem automaticamente ao anoitecer. Tudo é feito com material de baixo custo e alta durabilidade. A bateria tem vida útil de cerca de seis anos, enquanto o painel solar dura cerca de duas décadas. Em algumas comunidades amazônicas existem geradores movidos a diesel. “Eles só ficam ligados por poucas horas. Os moradores arcam com parte dos custos, e o estado é responsável por outra. Mas nem sempre isso é cumprido. Caapiranga, por exemplo, estava há meses sem luz”, afirma Saulo.

Feitos com painéis solares, os postes acendem automaticamente ao anoitecer. Foto: Divulgação

Em breve, a Litro de Luz fará uma grande ação na Chapada dos Veadeiros, em Kalunga, uma das maiores comunidades quilombolas do Brasil. Serão instalados 90 postes e levados 90 lampiões. No Rio de Janeiro, há planos de atingir comunidades tradicionais, indígenas e ribeirinhas, principalmente na Região dos Lagos. “A relação dos moradores de áreas rurais com a iluminação é completamente diferente. Eles têm um apego e um carinho especial pela luz, algo que para nós, de áreas urbanas, parece tão banal”, diz Saulo.

Ficha

Área de atuação Geração de energia sustentável

Nº de funcionários com carteira assinada ou autônomos 2

Orçamento anual Cerca de R$ 300 mil

Percentual doado pelo maior patrocinador 100 mil dólares

Existe formalmente há mais de 5 anos? Não

Possui alguma atuação que busque influenciar as políticas públicas? Não

Publica prestação de contas periodicamente no site? Não

Site www.litrodeluz.com


Escrito por Denis Kuck

Denis Kuck

Denis Kuck é jornalista desde criança, quando acompanhava o pai repórter nas sessões da CPI do PC, em Brasília. Anos depois, formou-se pela UFRJ, foi assistente do escritor Fernando Morais e trabalhou nas redações do Ciência Hoje, O Globo, Agência EFE e do irreverente Perú Molhado, de Búzios. Recentemente, no Comitê Rio 2016, foi editor/repórter do jornal distribuído dentro da Vila Olímpica, o Village Life. Atualmente, é freelancer e editor do Notícias em Português, publicação de Londres.

4 posts

3 Comentários

Deixe uma mensagem
    • Dolyca, teremos um debate no dia 24 de outubro, em Madureira, promovido pelo #Colabora, com a presença do pessoal do Litro de Luz. Apareça lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *