Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

UFMG desenvolve protótipo de carro elétrico com eficiência energética

Depois de vencer disputa no Brasil, equipe Milhagem foi vice-campeã de competição intercontinental de veículos econômicos na Califórnia


A equipe Milhagem UFMG coim seu carro elétrico: 25 quilos e 2,40m para poder rodar mais tempo, gastando menos energia (Foto: Equipe Milhagem UFMG)
A equipe Milhagem UFMG coim seu carro elétrico: 37,5 Kg e 2,40m para poder rodar mais tempo, gastando menos energia (Foto: Equipe Milhagem UFMG)

Gasolina, além de ser um recurso poluente e não renovável, ainda custa caro. Um carro padrão – nem muito econômico, nem muito gastador – consome, a cada 10 quilômetros rodados, um litro de gasolina – que custa, em média, R$ 3,40, de acordo com a mais recente pesquisa da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Com o desafio de ter carros com mais eficiência energética, 35 estudantes de Engenharia Mecânica, Controle e Automação, Elétrica e Eletrônica, junto com professores e pesquisadores, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) criaram uma equipe de milhagem e, depois de montarem com sucesso, veículos mais econômicos movidos movidos a gasolina, passaram a motores a eletricidade. Ano passado, o  grupo foi campeão nacional com um protótipo de carro que faz 266 quilômetros com apenas um quilowatt/hora, o equivalente ao combustível no veículo elétrico. 

Leia mais reportagens da série #100diasdebalbúrdiafederal

Com cálculos realizados pelo pesquisador e professor Fabrício Pujatti, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), coordenador do grupo, uma comparação pode ser feita entre a eficiência do veículo elétrico desenvolvido pelos alunos e a do convencional movido a combustão. Um carro normal, se tivesse a mesma eficiência que o elétrico nesse caso, faria 2.100 quilômetros com um litro de gasolina, o que seria utópico hoje em dia. “O mais interessante é o custo por quilômetro rodado. Um kWh de energia da rede elétrica custa em torno de R$ 0,90. Ou seja, o nosso carro gasta menos de R$ 1,00 para rodar 225,6 quilômetros”, explicou Fabrício sobre o protótipo que ficou em segundo lugar esse ano na maratona Shell-Eco Americas, na Califórnia. 

LEIA MAIS: Mitos sobre carros elétricos: o que falta para vê-los nas ruas?

LEIA MAIS: O caminhoneiro sumiu: veículos de carga autônomos e elétricos começam a sair do papel

A equipe Milhagem UFMG surgiu em 2005 com o objetivo de construir protótipos aerodinâmicos e leves capazes de alcançar consumos reduzidos de combustível por quilometragem. “Em 2005 a gente ainda não tinha o carro elétrico. Fomos só começar a trabalhar com esse tipo de veículo em 2016. Antes, era protótipo de veículo que usasse combustível, no caso, gasolina. Em 2006, nosso carro estabeleceu o primeiro recorde, fazendo 598 quilômetros com apenas um litro de gasolina”, disse Fabrício Pujatti, professor associado da UFMG e pesquisador do Centro de Tecnologia e Mobilidade da universidade.

A partir de 2016, o grupo passou a desenvolver também o veículo elétrico, movido a bateria. “A primeira participação do veículo elétrico em competição foi em 2017, aqui no Brasil. Ele teve a terceira colocação na maratona Shell Eco-Marathon”, contou o professor. No ano passado, a Milhagem UFMG levou dois carros, um elétrico e outro a gasolina, para disputar a Shell-Eco-Marathon, que é disputada em três categorias – a terceira também de etanol – sempre com objetivo de fazer mais quilômetros com menos energia. 

Carro da UFMG durante a competição nos Estados Unidos: feito de acrílico e fibra d e vidro para ser mais leve (Foto: Milhagem UFMG)
Carro da UFMG durante a competição nos Estados Unidos: feito de alumínio e fibra de vidro para ser mais leve (Foto: Milhagem UFMG)

A competição foi disputada numa pista oval de 750 metros montada no Riocentro, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Com 37,5kg, sem piloto),  2,40m de comprimento, o carro elétrico da UFMG rodou pelo circuito com a velocidade média de até 40Km/h e apresentou a maior eficiência energética entre os competidores: 266 quilômetros por kWh – o carro a combustão por gasolina teve problemas e não se classificou. Até o peso dos pilotos foi calculado para que o veículo elétrico da Milhagem tivesse a melhor performance nas 14 voltas dadas na pista. Depois que a gente pegou o primeiro lugar nacional, nos classificamos para a competição na Califórnia onde fomos vice-campeão das Americas, com nosso carro rodando 225,6 quilômetros com apenas um kWh”, acrescentou o professor Pujatti. 

Para ficar mais leve e econômico, o carro desenvolvido pelos alunos da UFMG é feito com alumínio e fibra de vidro.  Depois da competição brasileira, em outubro de 2018, a Milhagem UFMG fez melhorias no protótipo – principalmente uma sistema de Data Log para acompanhar dados do motor durante a competição – para a disputa realizada em abril na Califórnia.  Foram três dias de competição. Após um primeiro dia de apresentação dos protótipos para verificação dos organizadores, os dois dias seguintes foram de disputa com as equipes se revezando na pista. As equipes dispunham de cinco tentativas em oito voltas que deviam ser completadas em menos de 24 minutos. Vencia o carro que registrar o menor consumo de energia. O veículo dos mineiros conseguiu fazer 225,6, superando competidores dos Estados Unidos, do Canadá, da Argentina e do México.

54/100 A série #100diasdebalbúrdiafederal pretende mostrar, durante esse período, a importância das instituições federais e de sua produção acadêmica para o desenvolvimento do Brasil


Escrito por Carolina Moura

Jornalista com interesse em Direitos Humanos, Segurança Pública e Cultura. Já passou pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Jornal O DIA e TV Bandeirantes. Como freelancer já colaborou com reportagens para Folha de São Paulo, Al Jazeera, Ponte Jornalismo, Agência Pública e The Intercept Brasil.

13 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *