E quando o coronavírus chegar às favelas?

Especialista da Fiocruz diz que bairros populares precisam receber tratamento diferenciado para evitar uma catástrofe maior

Por Agostinho Vieira | ODS 1ODS 3 • Publicada em 13 de março de 2020 - 23:44 • Atualizada em 12 de abril de 2020 - 13:26

Compartilhe

A desigualdade vista do alto, no Rio de Janeiro, uma das maiores cidades do país. Foto Custódio Coimbra

Dez em cada dez infectologistas do planeta dizem que uma ação básica para evitar a contaminação pelo vírus Covid-19, mais conhecido como coronavírus, é evitar as aglomerações. Daí os cancelamentos em série de jogos de futebol, basquete, shows de música, congressos e aulas nas escolas e universidades. Até o saudável hábito de ir ao cinema virou um programa arriscado. Agora, o que acontece quando você passa 365 dias por ano vivendo no meio de uma aglomeração? É essa a realidade de favelas do Rio e de outros estados, como a Rocinha, a Maré, a Casa Amarela e Paraisópolis. O próprio IBGE classifica essas áreas das cidades como “aglomerados subnormais”, por falta, na maioria das vezes, de condições mínimas de habitação, saneamento e saúde.

Ainda não é possível dizer como o coronavírus vai se comportar no Brasil, é claro que não devemos espalhar o pânico, mas é certo também que a população mais pobre será mais afetada que a população de classe média

Valcler Rangel
Médico sanitarista da Fiocruz

Junte um aglomerado subnormal com um vírus novo altamente contagioso que vem se propagando rapidamente. O que pode acontecer? Para o médico sanitarista Valcler Rangel, da Fiocruz, essa é uma bomba relógio que precisa ser desarmada rapidamente. Ele defende que haja equidade nas medidas de prevenção e controle do coronavírus, tratando de forma diferente as pessoas e os locais que são diferentes: “Muitas das medidas que estão sendo adotadas ou recomendadas, todas elas corretas, não são acessíveis a essas populações que vivem nas favelas do Rio ou de São Paulo, por exemplo. Limpar as mãos com álcool gel, usar lenço de papel, isolar os doentes em um dos cômodos das casas… Como fazer quarentena em casas que possuem apenas um cômodo, com vários moradores vivendo ali e onde muitas vezes não há sequer um banheiro?”, pergunta o doutor Valcler.

Imagem área do Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Foto de Custódio Coimbra
Imagem área do Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Foto de Custódio Coimbra

O raciocínio do especialista da Fiocruz é relativamente simples e óbvio. Como essas comunidades reúnem milhares de pessoas morando em condições subnormais, para usar o termo do IBGE, as chances de proliferação de um vírus agressivo como o Covid-19 é imensa: “Ainda não é possível dizer como o coronavírus vai se comportar no Brasil, é claro que não devemos espalhar o pânico, mas é certo também que a população mais pobre será mais afetada que a população de classe média”, explica. Um levantamento recente mostrou que só a favela da Maré, nas vizinhanças da Fiocruz, possui mais de 10 mil idosos, com idade superior aos 65 anos, público que corre mais riscos quando se fala em coronavírus.

Entre as medidas sugeridas pelo médico, estão a derrubada da Emenda 95, que limita os gastos do governo e a liberação imediata dos R$ 5 bilhões para o SUS: “Estamos em momento especial, precisamos de medidas especiais”. Ele recomenda fortemente que haja um foco diferenciado nessas comunidades, com os agentes de saúde aumentando o número de visitas, com a identificação das áreas de risco, uma oferta maior de leitos e algum tipo de prioridade no atendimento do SUS para as pessoas que vivem nesses aglomerados urbanos: “Quando o poder público decide suspender as aulas, por exemplo, ele faz com que as aglomerações nas favelas fiquem ainda maiores e os riscos de contaminação cresçam”

Valcler Rangel lembra que várias outras doenças virais ainda estão fortemente presentes no Brasil e nessas comunidades, como a Dengue, a Chikungunya, a Zika e o próprio Sarampo. O que complica ainda mais a situação. A Rocinha, localizada na Zona Sul do Rio, com mais de 100 mil moradores, ainda é uma das campeãs em registros de tuberculose no Brasil. Segundo a OMS, são mais de 300 casos para cada 100 mil habitantes, um índice 11 vezes mais alto do que a média nacional. Um indicador a mais da desigualdade reinante nas nossas cidades e que, agora, pode ficar ainda mais evidente por conta de um vírus importado da China.

Agostinho Vieira

Formado em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ. Foi repórter de Cidade e de Política, editor, editor-executivo e diretor executivo do jornal O Globo. Ainda na Infoglobo, empresa que administra os jornais O Globo, Extra e Valor Econômico, exerceu por oito anos a função de diretor executivo de Negócios. Também foi diretor do Sistema Globo de Rádio e da Rádio CBN. Ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo, em 1994, e dois prêmios da Society of Newspaper Design, em 1998 e 1999. Tem pós-graduação em Gestão de Negócios pelo Insead (Instituto Europeu de Administração de Negócios) e em Gestão Ambiental pela Coppe/UFRJ. Atualmente é Editor Chefe do Projeto #Colabora.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

6 comentários “E quando o coronavírus chegar às favelas?

  1. Paula disse:

    Estimular o conhecimento e a adoção de comidas baratas e muito nutritivas. Gongee é um prato asiático muito barato: basicamente, arroz com muita água e cozido por muito tempo. Fica mais rico se tiver ossos e vegetais. Encontrar quem fale com propriedade sobre os benefícios e estimular o consumo pode ser bacana.
    Outra coisa é ver com quem entende de respiração se há exercícios simples, que podem começar mesmo por quem jamais praticou e que possam fortalecer os pulmões.

  2. guido disse:

    Quqndo se pensa em lotação logo surge o paredão, as festas, o carnaval. Porem são todos eventos temporarios . duram desde algumas hora ou algums dias. Mas as favelas são perenais. Os moradores se espremen em quitinetes, talvez se revesando para dormir, porque não tem metros quadrados suficientes para totos. Quando saem se esfregam em vielas e becos de menos de um metro. Na comunidade , pouco é o espaço para muita gente e, os contatos são frequentes, talvez queridos, espontaneos e, agora, iesponsaveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *