Por que as fontes de financiamento climático estão secando?

Morador ajuda bombeiro no combate ao incêndio na ilha grega de Eubeia, que arde desde o primeiro dia de agosto: países ricos não cumprem promessas de financiamento climático (Foto: Angelos Tzortzinis / AFP)

Artigo cobra de países ricos cumprimento de promessas de financiamento e estabelecimento de novos compromissos com o mundo em desenvolvimento

Por ActionAid | ODS 13ODS 17 • Publicada em 18 de agosto de 2021 - 09:13 • Atualizada em 27 de outubro de 2021 - 08:32

Compartilhe

Morador ajuda bombeiro no combate ao incêndio na ilha grega de Eubeia, que arde desde o primeiro dia de agosto: países ricos não cumprem promessas de financiamento climático (Foto: Angelos Tzortzinis / AFP)

(Teresa Anderson e Harpreet Kaur Paul*) – Em todo o mundo – de Grécia, Canadá e Alemanha à Índia, à China e à África do Sul -, altas temperaturas, incêndios florestais e inundações sem precedentes destruíram casas e ceifaram a vida de centenas de pessoas nas últimas semanas.

Como afirma o relatório histórico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), é inequívoco: os extremos climáticos estão se tornando mais frequentes e intensos, e uma ação urgente em escala global é necessária para evitar a catástrofe climática.

Leu essa? Desastres fazem número de refugiados climáticos alcançar 7 milhões

Mas, em uma série recente de importantes reuniões internacionais sobre o clima, os países ricos mostraram relutância em propor o financiamento necessário para permitir que as nações em desenvolvimento enfrentem e respondam à crise climática.

Costumávamos ter mais dinheiro do que projetos. Agora temos mais projetos do que dinheiro

Yannick Glemarec
Diretor-executivo do Fundo Verde para o Clima

Doze anos atrás, os países ricos se comprometeram a fornecer US$ 100 bilhões por ano até 2020 para adaptação e mitigação do clima nos países em desenvolvimento. Além de não cumprirem essa promessa, 80% dos fundos que apresentam são na forma de empréstimos ou financiamento privado, em vez de doações.

As reuniões do mês passado do conselho do Fundo Verde para o Clima (GCF), os ministros do clima do G20 e um grupo mais amplo de ministros do clima no Reino Unido repetiram esse padrão angustiante.

Em vez de anunciar metas financeiras claras, os países ricos enganaram o mundo com promessas de “trabalhar juntos” para “entregar um plano” para cumprir a promessa de US$ 100 bilhões.

Quando os observadores alertam que o financiamento do clima é essencial para uma Cop26 bem-sucedida, é porque os países em desenvolvimento precisam urgentemente desses fundos para poder responder à crise climática – e porque o consenso não pode ser construído sobre as fundações destruídas de promessas quebradas.

Mas na última reunião do GCF, o diretor executivo Yannick Glemarec disse aos membros do conselho do fundo: “Costumávamos ter mais dinheiro do que projetos. Agora temos mais projetos do que dinheiro”.

À medida que os fundos se esgotam, o GCF, que foi criado para distribuir financiamento climático aos países em desenvolvimento, está considerando a perspectiva de reduzir pela metade os fundos disponíveis em 2022.

Garoto escala varanda para chegar em casa na alagada cidade de Allahabad, na Índia: países pobres queixam-se de dificuldades para o financiamento de ações para enfrentar crise climática (Foto: Sanjay Kanojia / AFP)

Para piorar as coisas, os países vulneráveis ​​temem que suas propostas para projetos de adaptação estejam sendo rejeitadas pelo painel técnico do GCF com base no fato de que também poderiam ser classificados como projetos de “desenvolvimento”. Eles dizem que o painel insiste em requisitos técnicos árduos e coleta de dados que os países de baixa renda e pós-conflito simplesmente não podem atender.

Essa distinção artificial entre “adaptação climática” e “desenvolvimento”, e a falta de compreensão por parte dos países desenvolvidos ricos estão criando mais obstáculos para aqueles que precisam urgentemente de apoio para adaptação.

O fracasso dos países ricos em cumprir seus compromissos financeiros está deixando comunidades empobrecidas em apuros, pagando por uma crise com a qual menos contribuíram.

Em Bangladesh, os impactos climáticos significam que até 2030 quase um milhão de pessoas enfrentarão o deslocamento todos os anos, mesmo se as metas do Acordo de Paris forem cumpridas – e o dobro, se não for. As emissões per capita de Bangladesh são cerca de um décimo das emissões da pessoa média no Reino Unido e trinta vezes menos do que nos Estados Unidos, no Canadá ou na Austrália.

O financiamento do clima será fundamental para que países como Bangladesh aumentem a resiliência de plantações, terras e meios de subsistência a enchentes, secas e ciclones, e para apoiar os indivíduos a enfrentar essas interrupções.

A adaptação não requer apenas investimento em infraestrutura, mas também proteção social na forma de garantias de emprego, reciclagem e requalificação para se adaptar, bem como moradia, alimentação e apoio financeiro para superar crises e prevenir o aumento da pobreza quando ocorre um desastre.

A mesquinha promessa de US$ 100 bilhões (e o fracasso em cumpri-la) deve ser vista no contexto dos custos prováveis ​​da ação climática para mitigação, adaptação e tratamento de perdas e danos.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) estima custos de US$ 1,6 trilhão a US$ 3,8 trilhões anuais apenas para a transformação dos sistemas de energia entre 2016 e 2050. A Comissão Global de Adaptação (GCA) estima que os custos anuais de adaptação são provavelmente de US$ 180 bilhões por ano entre 2020 e 2030. E a modelagem da Climate Analytics estima que os custos de perdas e danos induzidos pelo clima chegarão a cerca de US$ 300 bilhões até 2030 somente no sul global.

Comparado com os trilhões necessários a cada ano, os US$ 20 bilhões anuais em financiamento baseado em subsídios fornecidos pelos países desenvolvidos destacam o abismo crescente entre necessidades cada vez maiores e promessas não cumpridas.

Sem mencionar o fato de que, a cada ano, US$ 40 bilhões a mais de riqueza flui da África para o norte global – na forma de extração de recursos, evasão fiscal e reembolso de dívidas – do que é recebido na forma de ajuda, empréstimos e remessas.

Com a crise climática entrando em uma nova e perigosa fase de aquecimento e impactos, os países ricos não devem apenas cumprir suas promessas, mas estabelecer novos compromissos que estejam de acordo com a necessidade real.

Caso contrário, o risco de uma seca no financiamento climático pode deixar a Cop26 – e o potencial de ações climáticas futuras – em crise.

*Teresa Anderson é coordenadora de Política Climática na ActionAid International; Harpreet Kaur Paul é consultor em Política Climática na ActionAid International

** Artigo publicado originalmente, em inglês, na Climate Home News

ActionAid

A ActionAid é uma organização internacional de combate à pobreza presente em 43 países. No Brasil, atua desde 1999 realizando projetos pela garantia dos direitos à alimentação, igualdade de gênero, participação popular e educação.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *