As enchentes mortais na Alemanha e na Bélgica em sete questões

Destruição causada pelas enchentes em Erftstadt, na Alemanha: chuvas em intensidade e volume maior do que a média deixaram centenas de mortos na Europa Central (Foto: David Yound / DPA / AFP – 16/07/2021)

Chuvas "extraordinárias", em volume e intensidade, na Europa Central deixam dezenas de mortos; especialistas analisam relação com mudanças climáticas

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 20 de julho de 2021 - 08:07 • Atualizada em 23 de julho de 2021 - 11:42

Compartilhe

Destruição causada pelas enchentes em Erftstadt, na Alemanha: chuvas em intensidade e volume maior do que a média deixaram centenas de mortos na Europa Central (Foto: David Yound / DPA / AFP – 16/07/2021)

(Vazken Andréassian, Maria-Helena Ramos e Charles Perrin*) – De acordo com um último relatório provisório, elaborado neste domingo, 18 de julho, mais de 175 pessoas morreram nas enchentes que afetaram parte da Europa Central no início do mês. A Alemanha paga o preço mais alto, com mais de 150 mortos; seguida pela Bélgica, onde também foram registradas dezenas de mortes. A busca por desaparecidos ainda está em andamento, apontando para um número de vítimas ainda maior.

Mais: Canadá e noroeste dos EUA sofrem com calor recorde

Como pode um desastre natural fazer tantas vítimas quando foi previsto com tanta antecipação? Qual é o papel das mudanças climáticas nesta situação? Qual a melhor forma de antecipar esse tipo de evento? São muitas perguntas às quais tentaremos dar respostas.

Estrada submersa no oeste da Alemanha: especialistas analisam enchentes provocadas por chuvas "extraordinárias" no verão europeu (Foto: Sebatien Bozon / AFP - 17/07/2021)
Estrada submersa no oeste da Alemanha: especialistas analisam enchentes provocadas por chuvas “extraordinárias” no verão europeu (Foto: Sebatien Bozon / AFP – 17/07/2021)

1. Como explicar essas enchentes repentinas na Alemanha, Bélgica, Luxemburgo e Holanda?

Elas são explicadas pelas chuvas muito fortes que ocorreram nos dias 13 e 14 de julho nessas regiões. Como exemplo, o Deutsche Wetterdienst (DWD , o serviço meteorológico alemão) registrou 154 mm de chuva na cidade de Colônia (no oeste da Alemanha) no dia 14 de julho, o que corresponde a precipitação de 154 litros de água por metro quadrado! Um verdadeiro dilúvio: e, pela sua alta intensidade, a água não consegue se infiltrar no solo, escoando diretamente para os rios.

Para piorar, esta chuva ocorreu após um dia particularmente chuvoso (13 de julho), caindo sobre solos já umedecidos pelas chuvas dos dias anteriores.

Quanto à situação meteorológica que permitiu tais chuvas, é relativamente clássica para a Europa Central, ainda que a sua duração, desta vez, tenha sido excepcional.

É uma bolsa isolada de ar frio – os meteorologistas chamam de “gota fria” – que tem uma tendência natural a pairar sobre uma grande área. Este bloqueio favorece acúmulos de chuva muito significativos em um espaço limitado de tempo. Em torno da depressão fria, o ar quente (com alto teor de vapor de água) se condensa e causa verdadeiras cachoeiras sobre a região.

Destruição causada pelas enchentes em Bad Neuenahr-Ahrweiler, na Alemanha: número de mortos se aproxima de 200 (Foto: Cristof Stache / AFP - 17/07/2021)
Destruição causada pelas enchentes em Bad Neuenahr-Ahrweiler, na Alemanha: número de mortos se aproxima de 200 (Foto: Cristof Stache / AFP – 17/07/2021)

2. Como explicar essas enchentes no verão europeu?

Para muitos europeus, principalmente na França, o que chama a atenção nessas enchentes – além do pesado custo de vidas humanas – é sobretudo a estação: na verdade, preferimos associar as enchentes ao inverno (lembre-se que a grande enchente de 1910 no norte da França ocorreu em janeiro), principalmente na área do Mediterrâneo.

Mas, antes de exclamar que não há mais estações, devemos ver que as grandes inundações da Europa Central ocorrem geralmente no verão: podemos citar recentemente a grande inundação do rio Elba (que nasce na República Tcheca e desagua no Mar do Norte) em junho de 2013, as grandes inundações do Danúbio em junho de 1965 e junho de 2013, a grande inundação do Oder (que desagua no Báltico) em julho de 1997. No vale do rio Ahr, na Alemanha, particularmente afetado pelas inundações dos últimos dias, as principais inundações de referência datam de julho de 1804, junho de 1910 e junho de 2016

O hidrólogo francês Maurice Pardé havia criado uma classe especial para esses eventos – “inundações do tipo centro-europeu” – que ele já explicou por um fenômeno de “queda de frio” semelhante ao observado nos últimos dias.

 Destruição às margens do rio Ahr, na Alemanha, que transbordou em vários pontos: calor extremo, provocado pela crise climático, gerou precipitação recorde (Foto: Cristof Stache / AFP)
Destruição às margens do rio Ahr, na Alemanha, que transbordou em vários pontos: calor extremo, provocado pela crise climático, gerou precipitação recorde (Foto: Cristof Stache / AFP)

3. Qual o papel das mudanças climáticas nessa tragédia?

O fenômeno ocorrido nos últimos dias pode ser considerado “clássico”, tanto do ponto de vista meteorológico quanto hidrológico. À primeira vista, não haveria necessidade de invocar o papel das mudanças climáticas para explicá-lo.

Por outro lado, o que pode e deve chamar a nossa atenção é que as intensidades de chuva registadas (e acumulações) são, a rigor, “extraordinárias”.

Esta evolução corresponde ao que os meteorologistas preveem como consequência do aumento das temperaturas, em virtude da lei de Clausius Clapeyron que relaciona a quantidade máxima de vapor de água que a atmosfera pode conter e sua temperatura; e o que permite prever um aumento de 7% da quantidade total de vapor d’água na atmosfera por grau Celsius adicional: é esse aumento que se teme pelas fortes chuvas.

Outros trabalhos recentes sobre inundações também podem nos esclarecer: em artigo publicado em julho de 2020 na revista Nature, o professor Günther Blöschl (Universidade Técnica de Viena) mostrou que, se o período atual não é único na história da Europa pela abundância dos fenômenos de temporais e enchentes, ele é único por sua temperatura elevada.

Na verdade, se outros períodos relativamente “ricos” em inundações foram registrados na Europa no passado (1560-1580, 1760-1800 e 1840-1870), eles foram todos mais frios do que a média, enquanto o período recente se destacou com uma temperatura significativamente mais alta em comparação com as médias históricas.

Moradores de Schuld passam por parte da cidade arrasada pelas inundações: alerta disparado pelo serviço meteorológico não chegou a muitas localidades (Foto: Cristof Stache / AFP - 18/07/2021)
Moradores de Schuld passam por parte da cidade arrasada pelas inundações: alerta disparado pelo serviço meteorológico não chegou a muitas localidades (Foto: Cristof Stache / AFP – 18/07/2021)

4. Este evento extremo foi previsto?

O que, sem dúvida, vai impressionar mais os especialistas neste evento de julho de 2021 é que o caráter excepcional das chuvas que caíram no oeste da Alemanha e da Bélgica haviam sido previstas a partir de 12 de julho: a previsão do tempo de médio alcance da Europa Central (ECMWF) havia, de fato, anunciado a probabilidade muito alta de chuvas excepcionais e emitiu um alerta enviado ao serviço meteorológico alemão (DWD).

A partir de segunda-feira, 12 de julho, mais da metade dos cenários em análise indicava a possibilidade de chuvas extremas, o que é raro e certamente chamou a atenção dos meteorologistas alemães. Podemos, portanto, perguntar se a mensagem de advertência (e acima de tudo, a natureza excepcional da precipitação que se aproximava) realmente chegou ao nível local, municipal. Não basta alertar: a população deve poder se abrigar e as autoridades locais devem iniciar ações de proteção e socorro. No entanto, garantir a comunicação adequada dos alertas e a organização dos serviços de emergência continua a ser uma prerrogativa local.

5. E do lado francês, deve haver preocupar?

As atuais inundações no leste da França, na fronteira com os países atingidas pelas enchentes, são de amplitude muito menor do que na Alemanha, embora, perto da Bélgica, às vezes tenhamos atingido níveis históricos. Estas cheias foram geralmente bem previstas pelos serviços de previsão de cheias da França (SPC) que são responsáveis pelos alertas.

No site vigicrues.gouv.fr , as cheias foram antecipadas com vários dias de antecedência, mesmo que os níveis extremos dos picos das cheias só pudessem ser avaliados com 24 horas de antecedência nas pequenas bacias; as acumulações medidas revelaram-se as mais elevadas entre as indicadas pelas projeções do conjunto.

Equipes de resgate buscam vítimas em Pepinster, na Bélgica, onde também há dezenas de mortos e desaparecidos: necessidade de mais preparação para eventos extremos (Foto: John Thys/AFP - 19/07/2021)
Equipes de resgate buscam vítimas em Pepinster, na Bélgica, onde também há dezenas de mortos e desaparecidos: necessidade de mais preparação para eventos extremos (Foto: John Thys/AFP – 19/07/2021)

6. Podemos prevenir inundações excepcionais?

Não há como conter as chuvas torrenciais e, depois que essas chuvas caem, o armazenamento de água para limitar as enchentes torna-se um problema técnico e econômico.

Obviamente, não é possível imaginar a construção de represas ou diques para limitar as inundações em todos os pequenos rios, e devemos, portanto, ter sistemas eficientes de alerta e implementar medidas preventivas – construir apenas fora de áreas propensas a inundações, trabalhar para reduzir a vulnerabilidade de edifícios já presentes em áreas inundáveis, informar melhor a população sobre o que fazer em caso de enchentes, etc.

Em rios maiores, a montante de aglomerações maiores, é possível limitar o transbordamento por meio de represas e diques. Essas soluções têm um custo, consomem espaço e, portanto, é necessário racionalizar sua construção, comparando custos e benefícios.

O ordenamento do território, especialmente quando se trata de proibir a construção em áreas sujeitas a inundações, é a solução do “bom senso”… que, no entanto, esbarra em interesses especiais.

Já as chamadas soluções “hidráulicas suaves”, preconizadas pelos defensores da natureza (plantação de sebes, faixas de relva), não surtem efeito nas grandes cheias provocadas por chuvas excepcionais, como as que a Alemanha enfrentou nos últimos dias.

Casas destruídas pelas enchentes em Schuld, na Alemanha: especialistas defendem criação de cultura de risco em áreas onde as chuvas intensas e volumosas podem se tornar novo normal (Cristof Stache / AFP - 17/07/2021)
Casas destruídas pelas enchentes em Schuld, na Alemanha: especialistas defendem criação de cultura de risco em áreas onde as chuvas intensas e volumosas podem se tornar novo normal (Cristof Stache / AFP – 17/07/2021)

7. Como lidar com esse tipo de evento?

Como vimos, ser capaz de prever (mesmo com vários dias de antecedência) inundações excepcionais não é suficiente: dada a incerteza que sempre acompanhará as previsões hidrológicas e meteorológicas, o principal desafio é implantar uma verdadeira cultura de risco, a fim de garantir uma reação rápida a fenômenos com os quais a população nunca foi confrontada.

Manter uma população mobilizada e pronta para reagir é possível se o risco for frequente – é o caso dos terremotos no Japão, por exemplo. Parece mais difícil de organizar para eventos de inundação realmente excepcionais.

Portanto, parece essencial implementar esforços em várias direções: melhoria dos sistemas de previsão, melhoria do uso dessas previsões, comunicação mais eficiente das crises. E, além das crises, continua sendo essencial agir para proteger as edificações em áreas propensas a inundações.

*Vazken Andréassian é hidrólogo e diretor da unidade de pesquisa HYCAR (Hidrossistemas Continentais Antropizados – Recursos, Riscos, Restauração), do Inrae (l’Institut national de recherche pour l’agriculture, l’alimentation et l’environnement – Instituto Nacional de Pesquisas Agropecuárias, Alimentares e Meio Ambiente) da França; Maria-Helena Ramos é hidróloga do Inrae; e Charles Perrin é engenheiro agrônomo e ambiental do Inrae

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *