Biden aposta em ação integrada do governo para enfrentar crise climática

O presidente Joe Biden na apresentação de sua equipe climática: aposta em ação integrada para fazer políticas avançarem (Foto: Alex Edelman/AFP – 19/12/2020)

Novo presidente dos EUA, que toma posse nesta quarta (20), planeja mobilizar toda sua administração para lidar com os diferentes desafios do clima

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 20 de janeiro de 2021 - 09:21 • Atualizada em 11 de fevereiro de 2021 - 16:33

Compartilhe

O presidente Joe Biden na apresentação de sua equipe climática: aposta em ação integrada para fazer políticas avançarem (Foto: Alex Edelman/AFP – 19/12/2020)

Bill Ritter Jr.*

Joe Biden está se preparando para lidar com as mudanças climáticas de uma forma que nenhum presidente dos EUA fez antes – mobilizando toda a sua administração para enfrentar o desafio de todos os ângulos de forma estratégica e integrada.

A estratégia é evidente nas pessoas que Biden escolheu para sua equipe ministerial e outras funções de liderança sênior: a maioria tem histórico de incorporação de preocupações com as mudanças climáticas em uma ampla gama de políticas e tem experiência em parcerias entre agências e níveis de governo. Essas habilidades são cruciais, porque desacelerar as mudanças climáticas exigirá uma abordagem abrangente e coordenada.

Fizemos isso com energia quando eu era governador do Colorado, e posso dizer que não é simples. A política de energia não se trata apenas de eletricidade. É sobre como as casas são construídas, como elas geram energia e a alimentam na rede e como os setores de transporte, industrial e agrícola evoluem. É sobre regulamentos, regras comerciais, compras governamentais e financiamento para pesquisas para inovação. A coordenação e colaboração entre agências e diferentes níveis de governo são cruciais.

Uma abordagem coordenada também ajuda a garantir que as populações vulneráveis não sejam esquecidas. Biden se comprometeu a ajudar as comunidades carentes que muitas vezes suportam o impacto da poluição da indústria de combustíveis fósseis, bem como aquelas que vêm perdendo empregos em combustíveis fósseis.

A profundidade da experiência da equipe Biden-Harris será vital à medida que assumirem o lugar de uma administração Trump que vem privando as agências governamentais de sua experiência e eliminando proteções ambientais. Com os democratas ganhando o controle da Câmara e do Senado, o governo Biden também pode ter uma chance melhor de revisar as leis, o financiamento e os incentivos fiscais de maneiras que podem transformar fundamentalmente a abordagem dos EUA para a mudança climática.

Conselheira Especial para o Clima de Biden, Gina McCarthy na apresentação do time climático do novo presidente: ex-administradora da EPA no governo Obama (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP - 19/12/2020)
Conselheira Especial para o Clima de Biden, Gina McCarthy na apresentação do time climático do novo presidente: ex-administradora da EPA no governo Obama (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP – 19/12/2020)

Aqui estão alguns dos maiores desafios à frente.

Barrar os retrocessos da política climática de Trump

Desde os primeiros dias, o governo Trump começou a tentar anular ou enfraquecer as regulamentações ambientais dos EUA. Ele havia revertido 84 regras ambientais até novembro de 2020, incluindo importantes políticas climáticas, e mais reveses estavam sendo buscados, de acordo com uma análise do New York Times de pesquisas das faculdades de direito de Harvard e Columbia.

Muitas dessas regras foram projetadas para reduzir a poluição que causa o aquecimento do clima por usinas elétricas, carros e caminhões. Várias emissões reduzidas de metano, um potente gás de efeito estufa, da produção de petróleo e gás. A administração Trump também se moveu para abrir mais terras para mais perfuração, mineração e oleodutos.

Algumas reversões foram contestadas no tribunal e as regras, então, restabelecidas. Outros ainda estão sendo litigados. Muitos exigirão processos de formulação de regras governamentais que levam anos para serem revertidos.

Pressionar por ações climáticas em outros países

Biden pode rapidamente trazer os EUA de volta ao acordo climático internacional de Paris, por meio do qual países em todo o mundo concordaram em reduzir as emissões de gases de efeito estufa que causam o aquecimento global. Mas o restabelecimento do papel de liderança da nação com a comunidade climática internacional é um caminho muito mais longo.

O ex-secretário de Estado John Kerry vai liderar esse esforço como enviado especial para as mudanças climáticas, uma nova posição em nível de gabinete com assento no Conselho de Segurança Nacional. Outras partes do governo também podem pressionar os países a agirem. O financiamento do desenvolvimento internacional pode encorajar ações favoráveis ao clima, e acordos comerciais e tarifas podem estabelecer regras de conduta.

A ministra da Energia, Jennifer Granholm, ex-governadora do Michigan: desafios para acelerar mudança para energias renováveis (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP - 19/12/2020)
A ministra da Energia, Jennifer Granholm, ex-governadora do Michigan: desafios para acelerar mudança para energias renováveis (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP – 19/12/2020)

Limpar o setor de energia

O plano climático Biden-Harris visa reduzir as emissões de gases de efeito estufa do setor de energia para zero líquido até 2035. Embora 62 grandes empresas de serviços públicos nos Estados Unidos tenham definido suas próprias metas de redução de emissões, a maioria dos líderes nesse setor argumentaria que exigir emissões líquidas zero até 2035 é muito rápido.

Um problema é que os estados costumam estar mais envolvidos na regulamentação do setor elétrico do que o governo federal. E, quando as regulamentações federais são aprovadas, muitas vezes são contestadas nos tribunais, o que significa que podem levar anos para serem implementadas.

A redução dos gases de efeito estufa também requer a modernização da rede de transmissão de eletricidade. O governo federal pode agilizar o processo de licenciamento para permitir mais energia limpa, como eólica e solar, na rede. Sem essa intervenção, poderia levar uma década ou mais para permitir uma única linha de transmissão.

Michael Regan, novo administrador da Agência de Proteção Ambiental dos EUA: Biden quer mobilizar governo inteiro para enfrentar crise climática (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP - 19/12/2020)
Michael Regan, novo administrador da Agência de Proteção Ambiental dos EUA: Biden quer mobilizar governo inteiro para enfrentar crise climática (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP – 19/12/2020)

Reduzir as emissões de veículos

O setor de energia pode ser o setor mais fácil de “descarbonizar”. O setor de transportes é outra história. O transporte é agora o principal emissor de dióxido de carbono do país. A descarbonização exigirá uma transição do motor de combustão interna em um período de tempo relativamente curto.

Novamente, este é um desafio que requer muitas partes e níveis de governo trabalhando para o mesmo objetivo. Isso exigirá a expansão do transporte sem carbono, incluindo mais veículos elétricos, estações de recarga, melhor tecnologia de bateria e energia limpa. Isso envolve regulamentos e financiamento para pesquisa e desenvolvimento de vários departamentos, bem como acordos comerciais, incentivos fiscais para veículos elétricos e uma mudança na forma como as agências governamentais compram veículos. A EPA (Environmental Protection Agency) pode facilitar esses esforços ou prejudicá-los, como aconteceu quando a EPA de Trump revogou a capacidade da Califórnia de definir padrões de emissões mais elevados – algo que a administração Biden provavelmente restaurará rapidamente.

Os outros setores “difíceis de descarbonizar” – edifícios, indústria e agricultura – exigirão sofisticação e colaboração entre todos os departamentos e agências federais, ao contrário de quaisquer esforços anteriores do governo.

Aprovar uma nova legislação climática

A melhor maneira de lidar com esses setores seria um projeto de lei climático abrangente que use algum mecanismo, como um padrão de energia limpa, que estabeleça um teto ou limite para as emissões e o aperte com o tempo. Aqui, o problema está mais na política do momento do que em qualquer outra coisa. Biden e sua equipe terão que convencer os legisladores dos estados produtores de combustíveis fósseis a trabalharem nesses esforços.

O controle democrático do Senado aumenta as chances de o Congresso aprovar uma legislação climática abrangente, mas isso não é garantido. Até que isso aconteça, Biden terá que contar com agências que editem novas regras, que são vulneráveis ​​a serem revogadas por futuras administrações. É um pouco como jogar xadrez sem uma rainha ou torres.

Anos de atrasos permitiram que o aquecimento global progredisse tanto que muitos de seus impactos podem se tornar irreversíveis em breve. Para cumprir seus objetivos ambiciosos, o governo precisará que todos, progressistas e conservadores, líderes estaduais e locais, e o setor privado trabalhem com eles.

Deputada pelo Novo México, Deb Haaland será, na pasta do Interior, a primeira descendente de indígena a fazer parte do Ministério dos EUA: presidente quer ação coordenada nas questões climáticas (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP - 19/12/2020)
Deputada pelo Novo México, Deb Haaland será, na pasta do Interior, a primeira descendente de indígena a fazer parte do Ministério dos EUA: presidente quer ação coordenada nas questões climáticas (Foto: Joshua Roberts/Getty/AFP – 19/12/2020)

A equipe climática de Joe Biden

Conselheira Especial para o Clima – Gina McCarthy – presidente do NRDC, ex-administradora da EPA, liderou os esforços de política climática da era Obama, incluindo o Plano de Energia Limpa

Enviado Especial para Mudanças Climáticas – John Kerry – ex-secretário de Estado, negociou esforços climáticos internacionais sob Obama, assinou acordo climático de Paris

Ministra da Energia – Jennifer Granholm – ex-governadora de Michigan, defendeu o uso de energia renovável e tecnologia EV durante a recuperação da indústria automotiva

Ministra do Interior – Deb Haaland – deputada do Novo México promoveu a proteção do clima, meio ambiente e terras públicas

Administrador da Agência de Proteção Ambiental (EPA – Environmental Protection Agency) – Michael Regan – secretário do Departamento de Qualidade Ambiental da Carolina do Norte, lidera o conselho interinstitucional de mudança climática do estado

Diretora do Conselho de Qualidade Ambiental – Brenda Mallory – diretora de política regulatória do Centro de Direito Ambiental do Sul, ex-conselheira da EPA, advogada especialista em Direito Ambiental

Conselheiro Especial Adjunto para o Clima – Ali Zaidi – ex-funcionário do Gabinete de Gestão e Orçamento, advogado com foco em sustentabilidade e mudanças climáticas

*Bill Ritter Jr. é diretor do Centro de Economia da Nova Energia, da Colorado State University (EUA), e ex-governador do estado americano do Colorado

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *