Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

#RioéRua: Paris para carioca

Dias azuis e amenos de inverno são perfeitos para flanar na praça inspirada nos Jardins de Versalhes


A moça desenhando, o cachorro, a estátua e os jardins: tarde azul na Praça Paris (Foto: Oscar Valporto)
A moça desenhando, o cachorro, a estátua e os jardins: tarde azul na Praça Paris (Foto: Oscar Valporto)

Nos dias azuis do inverno carioca, quando só se tempo para comer um sanduíche entre um trabalho e outro, são poucas as opções de tranquilidade em meio ao burburinho do Centro do Rio. Às vezes, até esqueço que estou a 10 minutos – talvez menos – a pé da Praça Paris. Mas ela está lá como costuma ficar durante a semana: limpa, arrumada e quase deserta – bem diferente dos sábados e domingos pela manhã quando há um movimento de atletas de fim de semana, crianças das vizinhanças e até famílias em busca de um lugar para piquenique. Para quem veio da Cinelândia, é um alívio após passar pelo abandono da Praça Mahtma Gandhi, tomada pela população de rua, e pela falta de cuidado com o Passeio Público.

Estátuas em mármore, cópias do Jardim de Versalhes: praça no meio de pistas para automóveis (Foto: Oscar Valporto)
Estátuas em mármore, cópias do Jardim de Versalhes: praça no meio de pistas para automóveis (Foto: Oscar Valporto)

LEIA MAIS: RioéRua: tremoços e outras antiguidades na Rua do Senado

LEIA MAIS: #RioéRua: a festa da Abolição num Brasil racista

Inspirada em jardins franceses, com suas alamedas, arbustos e formas geométricas, a Praça Paris não é lá muito adequada ao lazer durante o verão inclemente do Rio: faltam árvores, falta sombra. Mas seria perfeita para passeio e descanso nesta época do ano se não estivesse cercada de carros por todos os lados. Ao ser inaugurada, em 1929, com projeto do francês Alfredo Agache, era uma praça enorme – 48 mil metros quadrados – no coração de uma cidade em fase de remodelação. Agache inspirou-se nos jardins do Palácio de Versalhes, sede da monarquia francesa, numa época em que a capital do Brasil sonhava ainda em ser Paris.

Praça Paris, construída em área roubada à Baía de Guanabara, com terra do desmonte do Morro do Castelo: ao ser inaugurada, em 1929, tinha 28 mil metros quadrados (Foto: Oscar Valporto)
Praça Paris, construída em área roubada à Baía de Guanabara, com terra do desmonte do Morro do Castelo: ao ser inaugurada, em 1929, tinha 28 mil metros quadrados (Foto: Oscar Valporto)

Construída em área de aterro, roubada à Baía de Guanabara, a praça foi feita com material retirado do desmonte do Morro do Castelo. Era maior do que é hoje: ia até o fim da Avenida Rio Branco. Era vizinha ao Palácio Monroe, sede do Senado Federal, e ao Supremo Tribunal Federal (onde, hoje, é o Centro Cultural da Justiça Federal); perto do Theatro Municipal e das salas da Cinelândia; no meio do caminho entre a Câmara dos Deputados (Palácio Tiradentes) e o Palácio do Catete, onde despachava o presidente da República. A estátua equestre do Marechal Deodoro, hoje na praça do mesmo nome, ficava ainda na área da praça.

As obras do Parque do Flamengo abriram pistas de alta velocidade de um lado, na década de 60. As obras do Metrô derrubaram o Monroe e mudaram a face da Cinelândia nos anos 70.  A Praça Paris virou um espaço para pedestres com três pistas para automóveis de um lado e outras 10 do outro – duas da Avenida Beira-Mar mais as oito do Aterro do Flamengo: espaço cercado por grades a partir da década de 1990, o que foi bom para preservação, e com apenas um dos quatro portões abertos para facilitar a segurança. Nos fins de semana, moradores da Glória e da Lapa ainda aproveitam o espaço, mas, de segunda a sexta, flanar por ali é um programa um tanto solitário. Pode estar um sol ameno ou tarde nublada: sempre parece haver mais bustos e estátuas do que gente.

Monumento ao Almirante Barroso sob a benção da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro: praça quase deserta numa tarde de dia útil (Foto: Oscar Valporto)
Monumento ao Almirante Barroso sob a benção da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro: praça quase deserta numa tarde de dia útil (Foto: Oscar Valporto)

A praça tem essa característica parisiense: de obras de arte em meio ao jardim. Quando foi inaugurada em 1929, eram poucas: quatro esculturas, em mármore de Carrara, alegorias das estações do ano, cópias das que estão no Palácio de Versalhes; as esculturas, também em mármore de carrara, “Leoa à Procura” e “Leoa à Espreita”, obras do francês François Auguste Hippolyte Peyrol, e o chafariz com seus quatro golfinhos, criação do paisagista André Le Note. As outras peças foram chegando com os anos: hoje são seis bustos – das cantoras Carmen Gomes e Vera Janacopulos, do jurista Clovis Bevilacqua, do professor e deputado Afonso Celso e educador e escritor Cândido Mendes e do próprio Alfred Agache – e os monumentos ao historiador Adolfo Varnhagem, Inaugurado em 1938 no centenário da fundação do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, onde o homenageado foi primeiro-secretário, e ao Almirante Barroso, comandante brasileiro na Batalha do Riachuelo, estratégica para a vitória na Guerra do Paraguai.

Um ensaio de percussão no silêncio da praça: cenário verde e tranquilo ao lado do burburinho do Centro do Rio (Foto: Oscar Valporto)
Um ensaio de percussão no silêncio da praça: cenário verde e tranquilo ao lado do burburinho do Centro do Rio (Foto: Oscar Valporto)

Num começo de tarde azul de inverno, sob as bênçãos da Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, somos poucos a aproveitar este cenário tranquilo e verde ao lado da poluição sonora e visual do Centro: uma moça desenha à beira do lago, outras duas passeiam com cachorros; um rapaz ensaia percussão no canto da praça. Nos bancos, há aqueles que aproveitam como podem a pausa do trabalho para o almoço – meu caso – e outras, certamente com menos sorte, que cochilam ao sol por não ter trabalho a fazer. Tivesse a cidade prefeito que dela gostasse, eu o instaria a imaginar um jeito de ocupar a praça, de torná-la mais amigável para que o carioca possa conhecê-la, admirar as esculturas e os jardins, fazer mais passeios ou piqueniques. Como não tem, melhor aproveitar que essa Paris está, pelo menos, bem cuidada.


Escrito por Oscar Valporto

Oscar Valporto é carioca e jornalista – carioca de mar e bar, de samba e futebol; jornalista, desde 1981, no Jornal do Brasil, O Globo, O Dia, no Governo do Rio, no Viva Rio, no Comitê Olímpico Brasileiro. Está de volta ao Rio após oito anos no Correio* (Salvador, Bahia), onde foi editor executivo e editor-chefe. É criador da página no Facebook #RioéRua, onde publica crônicas sobre suas andanças pela cidade.

94 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *