Em cartaz: o medo da sala escura

Cinema no centro de Stuttgart, na Alemanha, publica o cartaz do “filme”: “O vírus ataca outra vez – Parte 2”. Foto Marijan Murat/DPA. Novembro de 2020

Como os pequenos e médios exibidores nacionais estão sobrevivendo com cinemas fechados, estúdios segurando os melhores filmes e espectadores hesitantes

Por Carla Lencastre | ODS 11 • Publicada em 30 de novembro de 2020 - 09:23 • Atualizada em 3 de dezembro de 2020 - 09:04

Compartilhe

Cinema no centro de Stuttgart, na Alemanha, publica o cartaz do “filme”: “O vírus ataca outra vez – Parte 2”. Foto Marijan Murat/DPA. Novembro de 2020

Regilson Cavalcante divide o tempo entre uma oficina de motocicletas e o Cine RT, seus dois negócios em Remígio, no interior da Paraíba. A 150 km de João Pessoa, a única sala de cinema da região, com 100 lugares e aberta em 2012, é ponto de encontro de moradores de Remígio, que tem menos de 20 mil habitantes, e de cidades vizinhas. Depois de sete meses parado por conta da pandemia de Covid-19, o projetor do cinema deu defeito e não voltou ao trabalho. Enquanto tenta reunir recursos para repor as peças necessárias, o remigioense Regilson suspira e afirma que não vai desistir do negócio à la Cinema Paradiso:

“Foi preciso fechar o cinema por conta da pandemia, sem dúvida. Mas agora a minha situação financeira está ruim de verdade. Sou um mecânico de motos que tem um cinema. Mantenho os custos operacionais com o que ganho na oficina. É muito triste ver a sala fechada, vou lá quase todo dia mexer no projetor. Quero reabrir até dezembro. O filme Cinema Paradiso me inspirou a restaurar o antigo Cine São José, que eu frequentava quando criança, e abrir o Cine RT. A história do menino Totó é encantadora. É negócio de amor, não sou empresário”.

O Cine RT, a 150 km de João Pessoa, na Paraíba, é a única sala de cinema da região, com 100 lugares. Foto Arquivo Pessoal
O Cine RT, a 150 km de João Pessoa, na Paraíba, é a única sala de cinema da região, com 100 lugares. Foto Arquivo Pessoal

Corta para a Região Sul do país. No interior de Santa Catarina, a paulista de Jaú Mariá Marins tenta se manter otimista. No dia 29 de outubro o primeiro de seus três cinemas retomou as atividades em Campos Novos, cidade de 36,5 mil habitantes a 350km de Florianópolis. Tenet, novo filme dirigido por Christopher Nolan, é a estreia em cartaz na sala de 190 lugares do Cine Lúmine. Os três cinemas ficam em municípios diferentes, e são os únicos nas cidades.

“Os protocolos não são unificados, mas vamos reabrir. Estamos angustiados. Ficamos muito vulneráveis e sem recursos. Mas sou apaixonada por cinema. É meu espaço de meditação, o melhor lugar do mundo depois da minha casa. Ver a emoção do público, trabalhar com as escolas, apresentar o cinema às crianças… Este é o meu combustível e a minha vida”.

No estado vizinho, em Santa Cruz do Sul, a 150km de Porto Alegre, Cristchie Bechert também contrapõe ansiedade a alívio. Seus dois cinemas, cada um com duas salas, são os únicos da cidade de 131 mil habitantes e reabriram na segunda quinzena de outubro.

“Foram sete meses muito difíceis nos quais ninguém conversava com os pequenos exibidores. A retomada será lenta e gradual. Reabrimos com apenas 30% da capacidade, uma hora de intervalo entre uma sessão e outra, duas poltronas de distância entre espectadores, e uma fileira vazia entre cada ocupada. Às vezes temos sessões com apenas um ou dois espectadores. Mas vamos em frente para mostrar que nossas salas são seguras”.

Foi preciso fechar o cinema por conta da pandemia, sem dúvida. Mas agora a minha situação financeira está ruim de verdade. Sou um mecânico de motos que tem um cinema. Mantenho os custos operacionais com o que ganho na oficina. É muito triste ver a sala fechada, vou lá quase todo dia mexer no projetor. Quero reabrir até dezembro. É negócio de amor, não sou empresário

Regilson Cavalcante
Proprietário do Cine RT, na Paraíba

Cris, como prefere ser chamada, tem dois cinemas de shopping em Santa Cruz do Sul e um total de 18 funcionários, todos com empregos mantidos até agora. No Cine Max, inaugurado em 2012, uma sala tem 170 lugares; a outra, 130. O Cine Santa Cruz, de 2016, também tem capacidade para 170 pessoas na sala principal, e 130 na menor.

“Sou apaixonada por cinema desde pequena. Quando abriu um shopping na cidade, não tive dúvida de que era hora de ter as minhas salas”, diz Cris, que nasceu em Santa Cruz.

Há duas décadas no ramo, Mariá começou com duas salas de rua em Jaú, no interior de São Paulo. Em 2017, com a chegada dos cinemas de shopping à cidade, ela transferiu o Cine Lúmine para as ruas do interior de Santa Catarina. Além da sala recém-reaberta em Campos Novos, em uma fundação cultural, há uma em Caçador (cidade de 79 mil habitantes a 400km de Florianópolis), com 145 lugares, e outra em Curitibanos (município de 40 mil habitantes a 320km da capital), com 130 lugares. Mariá manteve os dez funcionários.

“Vamos reabrir as outras duas salas nas próximas semanas. Estamos tranquilos em relação aos protocolos de biossegurança e faremos apenas duas sessões por dia. Em Caçador, por exemplo, a lotação máxima permitida é de 50%, mas optamos por recomeçar com apenas 40%. O importante é trabalhar com segurança e oferecer segurança. Estou feliz e esperançosa por reabrir com Tenet, da Warner Bros. Espero que as outras distribuidoras também ofereçam filmes novos que justifiquem todo o nosso esforço em retomar as atividades”.

Dicas de segurança não chegam a tranquilizar os expectadores. Foto Reprodução
Dicas de segurança não chegam a tranquilizar os expectadores. Foto Reprodução

Sem estreias, sem público

A pandemia da Covid-19 teve impacto em todos os setores da economia, e foi especialmente dura com as artes em geral. Cinemas estão na parte final das listas de reabertura. E com a chegada de uma nova onda serão os primeiros a fechar novamente. Como em novembro na Itália, país do cineasta Giuseppe Tornatore de Cinema Paradiso (1988), e na Alemanha do Wim Wenders de No Decurso do Tempo (1976) no qual o protagonista é um técnico que conserta projetores em pequenas cidades do interior. Entre outras medidas, países europeus fecharam de novo os cinemas para tentar conter a segunda onda da Covid-19. Na Los Angeles de Hollywood as salas não reabriram. Em Nova York, os cinemas foram autorizados a retomar as atividades no final de outubro com lotação máxima de 25%.

Dados da Ancine (Agência Nacional do Cinema) mostram que o parque exibidor do Brasil tinha 3.507 salas de cinema em 2019. Destas, mais de 700 são independentes ou pertencem a pequenos e médios exibidores. Não está fácil para os grandes complexos exibidores, mas são os pequenos e médios os que mais sofrem. A maioria destas empresas tem menos de dez salas de exibição, administradas pelos próprios donos, como Cris, Mariá e Regilson.

Vontade há. Pesquisa nacional do Itaú Cultural em parceria com o Datafolha sobre hábitos culturais no contexto da pandemia, realizada em setembro e apresentada em outubro, mostra que ir ao cinema era o principal programa de 72% dos entrevistados antes da pandemia e aquele com maior potencial na reabertura, com 44% da preferência de 66% das pessoas que têm intenção de participar presencialmente de uma atividade cultural nos próximos meses. Porém, 46% dos entrevistados ainda não se sentem confiantes para retomar hábitos culturais.

Cada estado e município brasileiro tem suas regras de reabertura. No Rio de Janeiro, por exemplo, os cinemas começaram a retomar as atividades ao longo do mês de outubro. Mas o calendário de lançamentos mundiais dos grandes estúdios continua praticamente parado. E sem filmes novos fica ainda mais difícil atrair público. Por enquanto, o que mais há em exibição são filmes antigos. Tenet é o primeiro grande lançamento no país depois da flexibilização das medidas restritivas. Adiada várias vezes desde julho, a estreia ficou para 29 de outubro. Na última semana do mês, antes de Tenet, apenas cerca de 20% dos filmes em cartaz no Rio eram de 2020. O dia 29 de outubro registrou dez estreias. Vários lançamentos importantes previstos para este ano foram para o video on demand (VOD), como Mulan, da Disney. Ou adiados para 2021, como o novo James Bond, No Time to Die, da MGM.

Distribuidoras e estúdios estão reticentes. O público também. O que é compreensível em tempos de pandemia. Afinal, cinema é uma sala fechada onde se fica no escuro com desconhecidos por duas horas ou mais. Já é seguro? Não há resposta simples. A lotação foi reduzida, assim como o número de sessões diárias em uma mesma sala, que agora acontecem com um intervalo maior. Há novos protocolos de higienização, e poltronas e ar-condicionado passam por limpeza constante. A maioria das salas de cinema já funcionava com equipamentos que trabalham com fluxo de ar renovado, como nos hospitais.

Em uma das entradas do Grupo Estação, no Rio, as dicas de segurança para os cinéfilos. Foto Carla Lencastre
Em uma das entradas do Grupo Estação, no Rio, as dicas de segurança para os cinéfilos. Foto Carla Lencastre

A alternativa do vídeo sob demanda

Será o VOD, no qual se paga por cada filme assistido, uma saída enquanto persistir o medo da sala escura? O cinema doméstico provavelmente veio para ficar. Também provavelmente diminuirá o prazo entre um filme estrear no cinema e estar disponível para ser assistido em casa. O tradicional Cine Belas Artes, em São Paulo, com seis salas na esquina da Rua da Consolação com a Avenida Paulista, foi um dos exibidores nacionais pioneiros do video on demand e lançou serviço à la carte pouco antes da pandemia. Mais recentemente, criou uma assinatura, como fazem Netflix e Prime Video, entre outros serviços de streaming.

No Rio de Janeiro, o Grupo Estação tem 15 salas de cinema (algumas permanecem fechadas) e patrocínio anual da Net, o que segurou a folha de pagamento de 75 funcionários e a manutenção durante os três meses primeiros meses da pandemia. Mas o grupo exibidor não conseguiu linhas de crédito e resolveu apostar no financiamento coletivo. A campanha “Continua meu, Estação”, arrecadou mais de R$ 737 mil doados por mais de 4,5 mil pessoas e evitou demissões até o final do ano. Parte do dinheiro arrecado com a vaquinha on-line do Grupo Estação será usado no financiamento de um serviço próprio de vídeo sob demanda.

Mas não há indícios que o VOD vá sustentar estúdios, distribuidores e muito menos exibidores. Em setembro a Bloomberg publicou um dado que mostra que o interesse por filmes sob demanda nos Estados Unidos caiu 30% em relação às primeiras semanas de pandemia. Disney e Universal, dois grandes estúdios que optaram por estrear filmes nos EUA on-demand durante a pandemia, não têm, por enquanto, novos planos de VOD. Outro fato a ser levado em conta: quem assiste filme em casa não compra pipoca. Bombonières são fundamentais para fechar as contas das salas de exibição seja em Santa Cruz do Sul ou em Hollywood. Mas VOD pode ser uma alternativa para festivais. A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no final de outubro, teve sessões on-line com venda de ingressos (além de sessões em dois cines drive-in na capital paulista) e democratizou o acesso aos filmes.

Como é ir a uma sala de exibição durante a pandemia

Cinema na pandemia não estava na minha lista de prioridades. Mas depois de conversar com Regilson, Mariá e Cris, fiquei confiante e fui conferir como estava funcionando um cinema do Grupo Estação. São salas que frequento desde a abertura do Estação Botafogo, que deu origem ao grupo há 35 anos. Nada mais natural que fosse a minha escolha para a primeira sessão de cinema pandêmica, para driblar a insegurança com uma sensação de familiaridade.

O bilhete pode ser comprado pelo aplicativo do próprio grupo ou pelo de um site de venda de ingressos. Depois que o assento é escolhido, o app automaticamente bloqueia as poltronas em volta para manter o distanciamento social. Não é preciso imprimir, basta apresentar o celular na entrada. A temperatura é medida na chegada e há álcool em gel por toda a parte. Para aumentar a segurança, é preciso que o espectador também faça a sua parte. Ou seja, não ir ao cinema se não estiver se sentindo bem, usar máscara, permanecer no lugar escolhido para garantir o distanciamento social e manter as mãos limpas.

Fui a uma sessão das quatro de uma sexta-feira, a primeira do dia naquela sala. A paranoia foi junto e usei um spray de álcool 70 para dar um banho nos braços da poltrona. Não havia ninguém na minha fileira, na da frente nem na de trás. Éramos nove pessoas em uma sala de 94 lugares. Na saída, um funcionário que me lembrou um dos personagens do filme Os Caça-Fantasmas (1984), com um tanque de desinfetante certificado pela Anvisa às costas e um pulverizador nas mãos, entrou para fazer a higienização. A segunda, e última sessão da sala no dia, começaria uma hora depois. O Grupo Estação está com lotação máxima de 50% e as sessões de cada sala começam em horários diferentes para evitar aglomerações.

Não tinha me dado conta do tanto de saudade que sentia de cinema. Como Regilson, Mariá, Cris e todos os que amamos filmes não têm a menor dúvida, nada substitui a mágica da sala escura. Saí feliz, mas com o coração apertado. Quando poderemos voltar a ter como única preocupação ao ir ao cinema chegar cedo o suficiente para comprar a pipoca?

Carla Lencastre

Jornalista carioca, escreve sobre estilo de vida, turismo e viagens para diversas publicações impressas e websites brasileiros. Editou durante 11 anos a revista e o site de viagens do jornal "O Globo". Anda pelo mundo desde sempre, a passeio e a trabalho. Gosta de visitar novos lugares, de revisitar velhos conhecidos, de contar uma boa história e de pensar em como o turismo é importante do ponto de vista econômico.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *