Mais biodiesel, menos poluição

Brasil é um dos líderes em agroenergia no mundo e será pioneiro na produção de etanol de soja

Por Liana Melo | conteudo-marca • Publicada em 17 de janeiro de 2018 - 17:59 • Atualizada em 18 de março de 2020 - 17:39

Produção de Biodisel Caramuru. Agricultura familiar. Flávio Roberto do Carmo Oliveira (blusa azul), Rafael do Carmo Oliveira (irmãos) e José Vaz de Oliveira(pai, de blusa verde), produtores, na propriedade em Morrinhos, Goiás. Plantação de soja. (Foto Simone Marinho)
Os irmaos Flavio (de blusa azul de manga comprida) e Rafael que representam a segunda geracao da familia Vaz, produtores de soja em Ipameri. Foto de Simone Marinho
Os irmãos Fávio (de blusa de manga comprida) e Rafael são pequenos produtores familiares de soja em Ipameri, Goiás. Foto de Simone Marinho

O setor de biodiesel vive um momento de otimismo. É esperada para março a entrada em vigor da mistura obrigatória de biocombustível na fórmula do diesel na proporção de 10%. O assunto passou a dominar as rodas de conversa, no campo, onde vivem os irmãos Flávio e Rafael do Carmo Oliveira, produtores familiares de soja em Ipameri, no sudoeste de Goiás; e nas cidades, onde estão os grandes empresários da indústria de biocombustível. É que o B10, como ficou conhecida a mistura, tem condições de atender, simultaneamente, interesses econômicos, decorrentes do aumento da proporção do biodiesel ao diesel, e ambientais, porque polui menos. Sem falar nos benefícios à saúde humana.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ainda não divulgou o balanço de 2017, mas a expectativa é de um resultado ligeiramente superior ao registrado no ano anterior. O aumento da adição obrigatória dos atuais B8, que começou a vigorar no começo de 2017, para B10 pode levar o setor a romper, este ano, a barreira dos 5 bilhões de litros de biodiesel, chegando a algo próximo de 5,4 bilhões de litros. Se as expectativas da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio) se confirmarem, a retomada do mercado servirá para atenuar a ociosidade do segmento, estimada em pouco mais de 40%. A capacidade instalada do setor é de 7,7 bilhões de litros.

Menos danos ao ambiente

Do ponto de vista ambiental, o planeta agradece. À medida que aumenta a proporção de biocombustível no diesel, menor é a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera. Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) calcula emissão de 57% menos gás carbônico que o óleo diesel derivado de petróleo. Outro levantamento, da Control Union, projeta que a redução do gás em toda a cadeia produtiva do biodiesel supera os 70%, desde o plantio das oleaginosas, que servem de matéria prima, até a sua combustão nos motores.

Compartilhe

Liana Melo

Formada em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ. Especializada em Economia e Meio Ambiente, trabalhou nos jornais “Folha de S.Paulo”, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “O Dia” e na revista “IstoÉ”. Ganhou o 5º Prêmio Imprensa Embratel com a série de reportagens “Máfia dos fiscais”, publicada pela “IstoÉ”. Tem MBA em Responsabilidade Social e Terceiro Setor pela Faculdade de Economia da UFRJ. Foi editora do “Blog Verde”, sobre notícias ambientais no jornal “O Globo”, e da revista “Amanhã”, no mesmo jornal – uma publicação semanal sobre sustentabilidade. Atualmente é repórter e editora do Projeto #Colabora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *