A goleada da Argentina contra o Brasil no jogo por vidas em meio à pandemia

Enquanto Brasil registra 71 mortes a cada milhão de habitantes, Argentina tem quase dez vezes menos óbitos. País vizinho decretou série de medidas rígidas desde o início da pandemia do coronavírus.

Por Aline Gatto Boueri | ODS 3Vídeo • Publicada em 16 de maio de 2020 - 16:38 • Atualizada em 18 de maio de 2020 - 13:03

Compartilhe

Muitos se perguntam: qual o motivo da Argentina ter resultados tão bons no combate à pandemia do coronavírus? Não faltam respostas para o questionamento. Lockdown desde o dia 20 de março; população respeitando o isolamento social; circulação de automóveis restrita; testagem em comunidades de baixa renda; pessoas contaminadas isoladas em hotéis de Buenos Aires; saída de crianças proibida e acesso ao transporte público também restrito. Esses são apenas alguns pontos que fazem dos nossos hermanos um exemplo mundial. Por conta dessa série de medidas com resultados positivos, só agora, após dois meses de uma rígida quarentena, o presidente Alberto Fernández começou a relaxar algumas regras.

Clique para acompanhar a cobertura completa do #Colabora sobre a pandemia do coronavírus

Enquanto isso, no Brasil já são mais de 15 mil mortes por covid-19. A Argentina tem 363. Mas você pode se questionar: a população da Argentina não é bem menor? Sim! No entanto, quando comparadas as mortes a cada milhão de habitantes, o país vizinho registra uma taxa quase 10 vezes menor. Oito óbitos contra 71 do Brasil. No novo episódio de Mundo em Quarentena, a jornalista Aline Boueri divide com a gente as lições deixadas pela nação argentina no enfrentamento ao coronavírus. Confira!

Também mora fora do Brasil e quer contar para a gente como está a quarentena em seu país? Nosso objetivo é mostrar a realidade de diversas regiões em todos os continentes. Entre em contato pelas nossas redes sociais ou pelo e-mail [email protected]

Aline Gatto Boueri

Jornalista, mora em Buenos Aires desde 2008, de onde escreve sobre a Argentina e região para o público brasileiro. Entre 2013 e 2016, co-editou a Revista Geni, publicação independente sobre gênero e sexualidade, assuntos sobre os quais pesquisa e escreve até hoje.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *