Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Documentários contra a destruição

Onze dicas de filmes para você entender melhor os desafios ambientais que enfrentamos


Pode-se dizer que o debate sobre a questão ambiental como o conhecemos hoje, começou com a publicação, em 1962, do histórico Primavera Silenciosa, no qual a autora, a bióloga Rachel Carlson, denunciou os malefícios do uso de pesticidas na agricultura. Antes disso, em 1952, um documentário sobre a vida marinha, vencedor do Oscar da categoria, se baseava em outro livro de Carlson, O Mar Em Nosso Redor.

O movimento em defesa do planeta começou a tomar corpo no começo da década de 1970, mas bem antes disso se manifestava em outro meio, as telas dos cinemas. Ainda que sofrendo com baixas audiências pela escassez de exibição, os documentários sobre o tema se tornaram ferramentas importantes como formadoras de opinião.

Já em 1947, um documentário sobre a devastação na Europa do pós-guerra, O Mundo É Rico (The World is Rich), tratava do excesso de consumo e de produtos de luxo no mercado negro, e foi indicado ao Oscar.

Estes trabalhos cresceram em volume e deram ao produtor Al Gore, ex-vice presidente dos EUA e conhecido militante ambientalista, o Oscar de melhor documentário em 2007 por Uma Verdade Inconveniente (trailer, legendado) – enfático esforço de tentar educar o mundo sobre o aquecimento global, e hoje amplamente utilizado nas escolas americanas.

Não se pretende aqui dar uma lista exaustiva de obras, uma vez que somam centenas, de vários países do mundo. As indicações apenas cobrem um espectro relativo aos principais problemas ambientais contemporâneos. A não ser quando indicado, os documentários estão na íntegra, em inglês.

1 – Comecemos por Super Size Me – A Dieta do Palhaço (dublado, completo) que concorreu ao Oscar em 2004. Trata dos males produzidos à saúde humana por junk food e alimentos processados. Durante 30 dias, seu diretor se alimentou apenas no MacDonald’s e sofreu diversos distúrbios, tanto físicos quanto psicológicos.

2 – O Oscar de melhor documentário de 2005 acabou se tornando popular. Foi A Marcha dos Pinguins (trailer, dublado). Mostra as jornadas dos pinguins imperadores da Antártica, que no outono, e na idade da procriação (de cinco anos ou mais) deixam o oceano, seu habitat natural, e caminham em terra para seus ancestrais locais de procriação.

3 – O vencedor do Oscar de 2009, A Cova (íntegra, legendado), traz imagens perturbadoras. Busca conscientizar as pessoas sobre o assassinato anual de golfinhos em Taiji, no Japão.

4 – Food, Inc., de 2009, examina uma fazenda corporativa nos Estados Unidos, concluindo que o modo como o agrobusiness produz alimentos é ambientalmente daninho tanto para os animais quanto para os empregados da fazenda.

5 – Shift: Beyond the Numbers of the Climate Crisis, de 2013, trata de uma questão muito relevante. Todos sabemos dos danos causados pelos combustíveis fósseis ao planeta. Mas qual é o custo humano disso? Quem está sendo afetado?

6 – Years of Living Dangerously (trailer, em inglês) foi produzido em nove episódios por uma equipe de prestígio, que incluiu James Cameron e Arnold Schwarzeneger, e traz estrelas como Matt Damon, Harrison Ford e Jessica Alba. Todas elas, além de diversos jornalistas especializados, têm uma história de envolvimento com a causa ambiental, e bsucam soluções para os efeitos do aquecimento global.

7 – Inside the Garbage of The World (trailer, em inglês), de 2014, traz diversos cientistas discutindo a séria questão do lixo produzido no mundo, e não reciclado, como a montanha de plástico que gerou uma imensa ilha no Oceano Pacífico.

8 – The Future of Energy, de  2015, fala de um dos temas mais importantes na sociedade moderna, a produção de energia. Hoje, a maior parte dela é gerada pela queima de combustíveis fósseis, com as consequências conhecidas. A solução, dizem especialistas, são as fontes solar, eólica e hidrelétricca.

9 – Para falarmos um pouco da produção brasileira, temos dois exemplos relevantes. Um deles é Estamira (íntegra, em português) filmado no aterro do Jardim Gramacho (o maior da América Latina), no Rio de Janeiro, e que documenta a loucura e a lucidez de Estamira, que vivia e trabalhava em meio ao lixo – em um mundo, ela dizia, “onde não há mais inocentes”.

10 – O mesmo Jardim Gramacho (trailer, em português) foi palco de Lixo Extraordinário, no qual o artista plástico Vic Muniz trabalha com catadores na feitura de obras de arte lixo.


Escrito por José Eduardo Mendonça

É jornalista, com passagens por publicações como Exame, Gazeta Mercantil, Folha de São Paulo, e criador da revista Bizz e do suplemento Folha Informática. Vem nos últimos anos se dedicando aos temas ligados à sustentabilidade e foi pioneiro ao fazer, para o Jornal da Tarde, em 1976, uma série de matérias sobre energia limpa.

74 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *