Pesquisadores produzem soro com sangue de cavalos para tratar covid-19

Testes com cavalos na Fazenda Vital Brazil: animais produziram anticorpos potentes contra a infecção causada pelo novo coronavírus (Foto: Divulgação)

Proteína produzida em parceria por UFRJ, Fiocruz e Vital Brazil mostrou-se até 50 vezes mais efetiva que plasmas de pessoas que contraíram a doença

Por Faperj | ODS 3ODS 4 • Publicada em 14 de agosto de 2020 - 09:04 • Atualizada em 2 de janeiro de 2021 - 10:24

Compartilhe

Testes com cavalos na Fazenda Vital Brazil: animais produziram anticorpos potentes contra a infecção causada pelo novo coronavírus (Foto: Divulgação)

Débora Motta*

Pesquisadores de instituições sediadas no estado do Rio de Janeiro criaram, com tecnologia brasileira, um soro que pode ser uma arma valiosa no tratamento da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). Desenvolvido por cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Instituto Vital Brazil (IVB) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o soro, obtido a partir do sangue de cavalos, possui anticorpos neutralizantes – de 20 a 50 vezes mais potentes do que aqueles naturalmente encontrados no plasma sanguíneo de pacientes que já foram infectados pelo vírus e estão se recuperando. Os pesquisadores aguardam a aprovação, ainda com prazo indeterminado, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), para a realização de testes clínicos (em humanos). Caso essa etapa seja aprovada, o soro pode ser aplicado para reforçar o sistema imunológico de pacientes com casos mais graves de Covid-19, como são usados os soros contra o tétano ou veneno de cobras.

Coordenada pelo professor Jerson Lima Silva, do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ, que também é presidente da Faperj, a pesquisa em rede teve início em maio “Essa pesquisa reafirma a importância das instituições unirem suas diferentes expertises. Somos uma equipe de mais de 20 pesquisadores, na UFRJ, no IVB e na Fiocruz. Sabemos que há mais de 170 formulações de possíveis vacinas contra o novo coronavírus, em diferentes fases de desenvolvimento, ao redor do mundo, e estamos desenvolvendo outra alternativa, pelo caminho da imunização passiva, com o soro. O Brasil já tem forte tradição científica, que não pode ser menosprezada, na produção de soros. Há 103 anos, Vital Brazil escreveu uma carta ofertando a patente do soro antiofídico para ser produzido no Instituto Butantã e nesta quarta, 12 de agosto, demos entrada na patente para a produção do soro anti-Covid-19”, destacou Lima, durante simpósio virtual realizado na noite desta quinta-feira, 13 de agosto, organizado pela Academia Nacional de Medicina (ANM). Na transmissão ao vivo, ele também anunciou a submissão de publicação sobre a pesquisa no MedRxiv, que é um repositório de resultados preprint, ou seja, pré-publicados.

Clique para acompanhar a cobertura completa do #Colabora sobre a pandemia do coronavírus

Um elemento essencial do projeto é uma proteína do novo coronavírus, que tem se mostrado estratégica para diferentes usos e pesquisas: a chamada proteína S (responsável pela ligação e entrada do vírus na célula humana). Localizada na espícula do vírus, região que lembra uma coroa, com pequenas antenas, ela é considerada pelos cientistas um alvo preferencial do sistema imunológico quando este reage à infecção causada pelo novo coronavírus. Em outras palavras, o organismo produz grande quantidade de anticorpos contra esta proteína, quando é infectado pelo vírus. A letra S é derivada da palavra spike, em inglês, ou espícula, em português. No Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares (LECC) do Instituto de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), a equipe coordenada pela professora Leda Castilho vem produzindo desde fevereiro de 2020 a proteína S recombinante, ou seja, uma cópia fiel da proteína S da superfície do novo coronavírus. Foi esta proteína S produzida no laboratório da Coppe/UFRJ que foi inoculada em cavalos do Instituto Vital Brazil.

Segundo Leda Castilho, a proteína S apresenta estrutura equivalente à proteína presente na superfície do coronavírus, sendo, portanto, capaz de estimular a produção de anticorpos que reconhecem e neutralizam o vírus. “A proteína que produzimos na Coppe/UFRJ se mostrou muito efetiva para estimular a produção de anticorpos em cavalos, tendo-se obtido uma quantidade muito maior do que a de anticorpos encontrados em humanos que já contraíram covid-19. Diante da inexistência de terapias específicas para a doença, os anticorpos de cavalos produzidos pelo IVB são uma grande esperança de tratamento possível e específico para a covid-19”, afirma a cientista.

Leia todas as reportagens da série #100diasdebalbúrdiafederal

Além de ser usada em pesquisas diversas, a proteína S vem sendo utilizada também em testes para diagnóstico sorológico da covid-19 e em vacinas que ainda estão em desenvolvimento. “Nosso papel no LECC é a produção de uma glicoproteína recombinante da espícula do vírus SARS-CoV-2, ou seja, de uma cópia da proteína S, presente em grande quantidade na superfície externa do novo coronavírus e que foi usada na pesquisa para imunizar os cavalos do IVB. Graças à inoculação dessa proteína, em maio deste ano, os equinos tiveram uma produção expressiva de anticorpos contra o novo coronavírus”, explicou Leda.

O presidente do Instituto Vital Brazil, Adilson Stolet, um dos integrantes da pesquisa, ressaltou que o Brasil tem vasta tradição científica brasileira na produção de soros. “O IVB, que completou cem anos em 2019, é uma fábrica de imunoglobulinas para soros, incluindo os antirrábicos, para o tratamento da raiva, e os antiofídicos, para o veneno da serpente brasileira. Os soros produzidos pelo IVB têm excelente resultado de uso clínico, sem histórico de hipersensibilidade ou eventuais reações adversas”, disse. Os testes foram realizados com cinco cavalos na Fazenda Vital Brazil, localizada no município fluminense de Cachoeiras de Macacu, onde são criados os equinos utilizados no processo de obtenção de plasma para produção dos soros hiperimunes do IVB. “Depois da imunização dos cavalos, trouxemos o plasma deles, em amostras colhidas na Fazenda, para a nossa Fábrica de imunoglobulinas, em Niterói. Lá, realizamos o processo de produção do soro, separando o anticorpo especifico contra o vírus, a imunoglobulina anti-Covid 19”, resumiu.

A pandemia causada pela Covid-19 resultou, até agosto de 2020, em mais de 700 mil mortes e mais de 19 milhões de casos confirmados em todo o mundo. No Brasil, a triste marca de 100 mil óbitos e três milhões de infectados foi atingida esta semana. Enquanto não há vacinas aprovadas e, mesmo posteriormente, pela dificuldade de suprir a grande demanda internacional de vacinação, o uso potencial da imunização passiva por terapia com soro deve ser considerado com uma opção. “O objetivo é que esse tratamento soroterápico seja usado como uma política pública de saúde complementar à aplicação da futura vacina contra a Covid-19, para os casos mais graves de pacientes com Covid e os que requerem internação hospitalar. Como o soro é intravenoso, o efeito já começa em minutos após a aplicação. Sem o soro, um paciente leva cerca de 15 dias para produzir naturalmente anticorpos, o que pode representar a diferença entre a vida e a morte em casos mais graves”, ponderou Stolet.

Participam da pesquisa um grupo grande de cientistas, incluindo Leda Castilho e Renata Alvim (Coppe/UFRJ); Luís Eduardo Ribeiro da Cunha, Adilson Stolet e  Marcelo Strauch (IVB); Amilcar Tanuri, Andrea Cheble Oliveira, Andre Gomes, Victor Pereira e Carlos Dumard (UFRJ); Thiago Moreno Lopes (Fiocruz) e Herbert Guedes (UFRJ/Fiocruz). O pedido de patente se refere ao processo de produção do soro anti-SARS-CoV-2, a partir da glicoproteína da espícula (spike), com todos os domínios, preparação do antígeno, hiperimunização dos equinos, produção do plasma hiperimune, produção do concentrado de anticorpos específicos e do produto finalizado, após a sua purificação por filtração esterilizante e clarificação, envase e formulação final. Além do apoio da FAPERJ, a pesquisa conta com subsídios do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

*Faperj

A série #100diasdebalbúrdiafederal terminou, mas o #Colabora vai continuar publicando reportagens para deixar sempre bem claro que pesquisa não é balbúrdia.

Faperj

Este texto foi produzido e publicado originalmente no boletim da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

2 comentários “Pesquisadores produzem soro com sangue de cavalos para tratar covid-19

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *