Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor esperiência em nosso site. ao "Aceitar" ou continuar navegando em nosso site, você aceita a nossa Política de Privacidade

Vacinas contra covid-19 terão efeitos colaterais – e isso é bom

Casal britânico de idosos vacinado em Londres: imunologista alerta que efeitos colaterais são normais, previstos e até intencionais (Foto: Victoria Jones/AFP)

Imunologista explica que é natural e desejável que o nosso sistema imunológico tenha reações à vacina e isso cause algum mal estar

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 14 de dezembro de 2020 - 10:43 • Atualizada em 5 de janeiro de 2021 - 09:42

Compartilhe

Casal britânico de idosos vacinado em Londres: imunologista alerta que efeitos colaterais são normais, previstos e até intencionais (Foto: Victoria Jones/AFP)

Matthew Woodruff*

Em 2021, centenas de milhões de pessoas serão vacinadas contra a SARS-CoV-2. O sucesso dessa campanha de vacinação contra a covid-19 dependerá muito da confiança pública de que as vacinas não são apenas eficazes, mas também seguras. Para construir essa confiança, as comunidades médicas e científicas têm a responsabilidade de se envolver em difíceis discussões com o público sobre a fração significativa de pessoas que sofrerão os efeitos colaterais temporários dessas vacinas.

Sou um imunologista que estuda os fundamentos das respostas imunológicas à vacinação, então parte dessa responsabilidade recai sobre mim. Em resumo: receber essas vacinas provavelmente fará com que muitas pessoas se sintam mal por alguns dias. Isso é provavelmente uma coisa boa, e é uma perspectiva muito melhor do que uma doença prolongada ou morte.

Em 1989, o imunologista Charles Janeway publicou um artigo resumindo a situação no campo da imunologia. Até aquele ponto, os imunologistas aceitavam que as respostas imunológicas eram iniciadas ao encontrar algo estranho – bactérias, vírus e parasitas – que era “não próprio” ao organismo. Janeway suspeitou que havia mais na história, e tornou-se famoso por apresentar o que ele chamou de “o segredinho sujo do imunologista”: Nosso sistema imunológico não responde apenas a coisas estranhas ao organismo. Ele responde a coisas estranhas que considera perigosas.

Agora, 30 anos depois, os imunologistas sabem que nosso sistema imunológico usa um conjunto complexo de sensores para entender não apenas se algo é estranho ou não, mas também que tipo de ameaça – se houver – um micro-organismo pode representar. Ele pode dizer a diferença entre vírus – como o SARS-CoV-2 – e parasitas, como tênias, e ativar braços especializados do seu sistema imunológico para lidar com essas ameaças específicas de maneira adequada. Ele pode até monitorar o nível de dano ao tecido causado por um invasor e aumentar sua resposta imunológica correspondente..

Sentir o tipo de ameaça representada por um micro-organismo e o nível de intensidade dessa ameaça permite que nosso sistema imunológico selecione o conjunto certo de respostas, manuseie-as com precisão e evite o perigo real de uma reação imunológica exagerada.

O papel dos adjuvantes

As vacinas funcionam introduzindo uma versão segura de um patógeno ao sistema imunológico de um paciente. Seu sistema imunológico se lembra de seus encontros anteriores e responde com mais eficiência se vir o mesmo patógeno novamente. No entanto, ele gera memória apenas se a vacina embala sinais de perigo suficientes para iniciar uma resposta imunológica sólida.

Como resultado, a necessidade do seu sistema imunológico de sentir o perigo antes de responder é, ao mesmo tempo, extremamente importante – imagine se ele começasse a atacar as milhares de espécies de bactérias amigáveis ​​em seu organismo – e altamente problemático. O requisito de perigo significa que seu sistema imunológico está programado para não responder a menos que uma ameaça clara seja identificada. Também significa que, se estou desenvolvendo uma vacina, preciso convencer o sistema imunológico de que a própria vacina é uma ameaça que vale a pena levar a sério.

Isso pode ser feito de várias maneiras. Uma é injetar uma versão enfraquecida – o que os imunologistas chamam de atenuada – ou mesmo morta de um patógeno. Essa abordagem tem o benefício de parecer quase idêntica ao patógeno “real”, disparando muitos dos mesmos sinais de perigo e muitas vezes resultando em imunidade forte e de longo prazo, como é visto na vacinação contra a pólio. Também pode ser arriscado – se você não enfraqueceu o patógeno o suficiente e implementou a vacina muito rápido, existe a possibilidade de infectar acidentalmente um grande número de receptores da vacina. Além desse custo humano inaceitável, a perda de confiança resultante nas vacinas pode levar a um sofrimento adicional à medida que menos pessoas tomam outras vacinas mais seguras.

Profissional de saúde recebe dose da vacina russa Sputnik em Moscou: objetivo dos laboratórios é produzir vacina para colocar o sistema imunológico em ação de uma forma que maximize a eficácia e a longevidade da resposta (Foto: Sputnik/AFP)
Profissional de saúde recebe dose da vacina russa Sputnik em Moscou: objetivo dos laboratórios é produzir vacina para colocar o sistema imunológico em ação de uma forma que maximize a eficácia e a longevidade da resposta (Foto: Sputnik/AFP)

Uma abordagem mais segura é usar componentes individuais do patógeno, inofensivos por si próprios, mas capazes de treinar seu sistema imunológico para reconhecer a coisa real. No entanto, essas partes do patógeno nem sempre contêm os sinais de perigo necessários para estimular uma forte resposta de memória. Como resultado, eles precisam ser suplementados com sinais de perigo sintéticos, que os imunologistas chamam de “adjuvantes” (medicamento que, ministrado com algum outro ou adicionado à sua fórmula, reforça a ação).

Para tornar as vacinas mais eficazes, laboratórios inteiros têm se dedicado ao teste e ao desenvolvimento de novos adjuvantes. Todos são projetados com o mesmo propósito básico – colocar o sistema imunológico em ação de uma forma que maximize a eficácia e a longevidade da resposta. Ao fazer isso, maximizamos o número de pessoas que se beneficiarão com a vacina e o tempo de proteção dessas pessoas.

Para fazer isso, aproveitamos os mesmos sensores que nosso sistema imunológico usa para detectar danos em uma infecção ativa. Isso significa que, embora estimulem uma resposta imunológica eficaz, o farão produzindo efeitos inflamatórios temporários. Em um nível celular, a vacina desencadeia inflamação no local da injeção. Os vasos sanguíneos da área ficam um pouco mais “vazados” para ajudar a recrutar células imunológicas para o tecido muscular, fazendo com que a área fique vermelha e inchada. Tudo isso dá início a uma resposta imunológica desenvolvida em um nódulo linfático em algum lugar próximo, que se manifestará ao longo de semanas.

Em termos de sintomas, isso pode resultar em vermelhidão e inchaço no local da injeção, rigidez e dor no músculo, sensibilidade e inchaço dos gânglios linfáticos locais e, se a vacina for potente o suficiente, até mesmo febre (e aquela associada sensação geralmente ruim )

Este é o equilíbrio do projeto da vacina – maximizando a proteção e os benefícios enquanto minimiza seus efeitos colaterais desconfortáveis, mas necessários. Isso não quer dizer que não ocorram efeitos colaterais graves – eles acontecem – mas são extremamente raros. Dois dos efeitos colaterais graves mais discutidos, anafalaxia (uma reação alérgica grave) e Síndrome de Guillain-Barré (lesão do nervo devido à inflamação), ocorrem com uma frequência de menos de 1 em 500.000 doses.

As vacinas contra a covid-19

Dados iniciais sugerem que as vacinas de mRNA (como a da Pfizer/Biontech) em desenvolvimento contra SARS-CoV-2 são altamente eficazes – mais de 90%. Isso significa que eles são capazes de estimular respostas imunes robustas, completas com sinalização de perigo suficiente, em mais de nove entre 10 pacientes. Esse é um número alto em qualquer circunstância e sugere que essas vacinas são potentes.

Então vamos ser claros aqui. Você deve esperar sentir dor no local da injeção no dia seguinte à vacinação. Você deve esperar alguma vermelhidão e inchaço, e pode até sentir uma sensação geral de esgotamento por um ou dois dias após a vacinação. Todas essas coisas são normais, antecipadas e até intencionais.

Embora os dados não tenham sido finalizados, mais de 2% dos recipientes da vacina da Moderna experimentaram o que eles classificaram como efeitos colaterais temporários graves, como fadiga e dor de cabeça. A porcentagem de pessoas que apresentam quaisquer efeitos colaterais será maior. Estes são sinais de que a vacina está fazendo o que foi projetada para fazer – treinar seu sistema imunológico para responder contra algo que ele poderia ignorar para que você seja protegido mais tarde. Isso não significa que a vacina provocou covid-19.

Tudo se resume a isso: em algum momento nos próximos meses, você terá uma escolha simples: proteger a si mesmo, seus entes queridos e sua comunidade de uma doença altamente transmissível e mortal que resulta em consequências de saúde de longo prazo para um número significativo de pessoas saudáveis. E isso pode custar-lhe alguns dias de mal estar.

Por favor, escolha sabiamente.

*Matthew Woodruff é imunologista do Centro Lowance de Imunologia Humana, da Emory University (Atlanta, EUA)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *