Covid-19: alerta vermelho ou verde esperança?

Para professor de economia espanhol, efeitos recessivos na economia mundial podem ser oportunidade para o desenvolvimento sustentável

Por The Conversation | ods3 ods8 • Publicada em 12 de março de 2020 - 10:50 • Atualizada em 16 de março de 2020 - 12:57

Bolsa de Londres em queda de mais de 10% com o avanço da pandemia de coronavírus: recessão inevitável ou oportunidade de redirecionar economia global (Foto: Daniel Sorabji/AFP)

(Francisco Jareño Cebrian*) – Você se lembra de quando era pequeno e diziam que o bicho-papão estava chegando? Algo parecido está acontecendo conosco agora. Basta pensar que “O coronavírus está chegando!” para começarmos a tremer e a multiplicar os efeitos do medo exponencialmente. As crianças tremiam imaginando um monstro feio e peludo, os mais velhos tremem também. Mas os mercados e as empresas também estão tremendo.

Esse tremor coletivo fez com que os mercados internacionais vivessem outra “segunda-feira negra” no último dia 9 de março, com todas as citações em vermelho. Na Espanha, o Ibex 35 caiu mais de 8%, o colapso do mercado de ações foi repetido em toda a Europa e chegou aos Estados Unidos. Esta queda é remanescente da que foi experimentada após o anúncio do Brexit e ocorre em um momento em que o preço do petróleo também está despencando. No caso dos preços do petróleo, seu declínio deve-se não apenas ao medo do Covid-19. As tensões geopolíticas e a guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia mantêm governos e mercados no limite, e as empresas do setor veem seus lucros operacionais e seus lucros no mercado de ações caírem.

Mulher com um máscara contra o coronavírus passa em frente ao Instituto Pasteur, em Paris. Foto Mehdi Taamallah/NurPhoto
Mulher com um máscara contra o coronavírus passa em frente ao Instituto Pasteur, em Paris. Foto Mehdi Taamallah/NurPhoto

Esses fatos demonstram o efeito contágio – tão estudado na literatura financeira – que está tornando as perspectivas econômicas vermelhas, despertando preocupação. Houve outras pandemias recentes, como a da SARS em 2003, mas a China ficou mais isolada do mundo. Agora, no entanto, com sua total participação na economia mundial e a disseminação do vírus em todo o mundo, espera-se que o impacto do Covid-19 seja muito maior.

Dada essa situação de incerteza, vale a pena perguntar: esperamos uma profunda recessão econômica ou há um resquício de esperança?

China pára, o mundo também

A situação de emergência derivada da disseminação do SARS-CoV-2 está nos levando a uma paralisia total, com a interrupção das atividades econômicas, a desaceleração das economias (principalmente as desenvolvidas) e o cancelamento de eventos de diferentes tipos e magnitude (Mobile World Congress, o torneio de tênis de Indian Wells e a NBA). Muitas empresas estão optando por minimizar contatos pessoais por meio de reuniões de teletrabalho e videoconferência. Essa interrupção na economia mundial será maior quanto mais tempo continuar o efeito negativo do coronavírus.

A indústria chinesa, que abastece o resto do mundo, teve que reduzir sua produção, alterando o planejamento de seus clientes. A Bloomberg Economics (BE) prevê que os setores mais afetados serão os têxteis e de componentes eletrônicos, já que a China é o maior fornecedor do mundo, com quase 20% dos produtos intermediários. Falando em números, a BE estima que haverá uma desaceleração de quase 5% no PIB chinês (que atualmente representa cerca de 17% do PIB mundial). Por seu lado, a OCDE estima que as economias do Camboja, Vietnã, Coréia, Japão, Chile, Estados Unidos, Índia, Austrália, Brasil e Rússia são as mais vulneráveis à desaceleração chinesa e à ruptura na cadeia produtiva.

Comparado aos efeitos econômicos do vírus SARS em 2003, a BE confirma que o impacto negativo do SARS-CoV-2 será muito maior, embora estejam previstos dois cenários diferentes: um de contenção do vírus a curto prazo e outro de situação prolongada no tempo. No melhor cenário, em que a persistência do impacto do Covid-19 não seria prolongada, a BE prevê um declínio da taxa de crescimento esperada de 0,4% em todo o mundo, afetando principalmente Hong Kong, Coréia. Sul, Brasil, Austrália, Indonésia e Japão, mas também para países europeus, principalmente Alemanha e França, embora Espanha e Itália também apareçam no ranking dos países afetados.

A persistência do efeito Covid-19 pode causar muitos danos à economia mundial, assumindo um freio real ao desenvolvimento, mas a história nos mostra que momentos de crise podem ser explorados. A situação excepcional que estamos enfrentando pode nos ajudar a começar a transformar o mundo, promovendo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O fim da pobreza, educação de qualidade, energia limpa e acessível, trabalho decente e crescimento econômico, redução de desigualdades, cidades sustentáveis, produção e consumo responsáveis e ação climática são alguns deles.

Diante do alerta vermelho catastrófico delineado pelos mercados, avaliando que a situação gerada pelo SARS-CoV-2 será perpetuada ao longo do tempo, a economia mundial deve fazer uma aposta para enfrentar o desafio que estamos enfrentando e aproveitar a oportunidade de começar a construir uma estrutura econômica global muito mais justa, respeitosa e sustentável. Temos a oportunidade de começar a mudar as coisas, esverdeando o futuro econômico com uma esperança verde.

Francisco Jareño Cebrian* é professor de Economia Financeira, Departamento de Análise Econômica e Finanças, Universidade de Castilla-La Mancha (Espanha)

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *