Agrotóxicos: Lula veta trecho do PL do Veneno que limitava ação de Ibama e Anvisa

Ativistas do Greenpeace fazem protesto contra agrotóxicos no Congresso Nacional: Lula vetou trecho do PL do Veneno que limitava ação de Ibama e Anvisa (Foto: Bárbara Cruz / Greenpeace)

Nova lei acelera processo de registro de pesticidas, mas foram vetados dispositivos que concentravam poder de liberação no Ministério da Agricultura

Por #Colabora | ODS 3 • Publicada em 28 de dezembro de 2023 - 10:23 • Atualizada em 11 de janeiro de 2024 - 09:48

Ativistas do Greenpeace fazem protesto contra agrotóxicos no Congresso Nacional: Lula vetou trecho do PL do Veneno que limitava ação de Ibama e Anvisa (Foto: Bárbara Cruz / Greenpeace)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou com vetos o projeto de lei que acelera registro de agrotóxicos no Brasil. O texto foi publicado em edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira (28): entre os 14 trechos da lei vetados, está o do artigo que retirava do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a função de analisar impactos à saúde e ao meio ambiente, em casos de agrotóxicos já registrados que sofram alterações em sua composição química. Esse veto foi recomendado em notas técnicas dos dois órgãos federais.

Leu essas? Todas as reportagens da série especial Agrotóxicos: uma praga do Brasil

O presidente Lula vetou, entre outros dispositivos, trecho que determinava o Ministério da Agricultura como único órgão capaz de coordenar reanálises dos riscos de agrotóxicos, retirando a função do Ibama e da Anvisa; artigo que dava poder exclusivo ao Ministério da Agricultura para avaliar tecnicamente alterações nos registros de agrotóxicos quanto ao processo produtivo, especificações do produto técnico e alterações de matérias-primas ou aditivos; artigo que autorizava o Ministério da Agricultura e o Ibama a deferirem pedidos de produtos à base de ingrediente ativo em reanálise mesmo antes da conclusão do procedimento; trecho que dispensava as empresas de colocar nas embalagens, de forma que não seria possível apagar, o próprio nome e a advertência de que o recipiente não pode ser reaproveitado; e os artigos que criavam a Taxa de Avalição e de Registro de novos produtos.

Esses vetos atendem, em grande parte, as considerações feitas nas notas técnicas dos dois órgãos federais. “As alterações podem impactar diretamente no perfil ecotoxicológico e toxicológico do agrotóxico, inclusive com a presença de novas impurezas que podem torná-lo mais tóxico do que quando registrado inicialmente”, apontou a nota técnica do Ibama, destacando ainda que a mudança afronta a Constituição. “Trata-se de flagrante retrocesso socioambiental, uma vez que hoje esse tipo de avaliação é realizado de forma conjunta”, acrescentou o documento.

O presidente também atendeu as áreas de Meio Ambiente e de Saúde do governo ao vetar o artigo 41, que dispensava a necessidade de o fabricante gravar informações de modo indelével, ou seja, com rótulos em relevo, impossíveis de serem removidos sem danificações. “Retroceder no controle de embalagens desses produtos, facilitando a remoção da inscrição da empresa titular e a sua indevida reutilização, constitui retrocesso socioambiental e maior risco à saúde e ao meio ambiente. Vai de encontro à prática de controle de embalagens de agrotóxicos no Brasil há mais de 30 anos”, destacava a nota técnica do Ibama.

A aceleração do processo de avaliação dos pesticidas – inspiração original do texto e defendida pelos ruralistas – foi mantida: o processo de registro de produtos novos deverá ser concluído em até 24 meses e agrotóxicos com fórmulas idênticas a outros já aprovados terão prazo reduzido de 60 dias. De acordo com representantes do agronegócio, atualmente um produto pode levar até cinco anos para conquistar o registro para uso e comercialização no Brasil.

#Colabora

Texto produzido pelos jornalistas da redação do #Colabora.

Newsletter do #Colabora

Um jeito diferente de ver e analisar as notícias da semana, além dos conteúdos dos colunistas e reportagens especiais. A gente vai até você. De graça, no seu e-mail.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *