Últimos 8 anos foram os 8 anos mais quentes da história

Moradores de Serang, na Indonésia, deixam casas inundadas pela enchente: crises relativas à agua atingem mais da metade da população mundial (Foto: Dziki Oktomauliyadi / AFP – 01/03/2022)

Relatório anual da Organização Meteorológica Mundial alerta para multiplicação de eventos climáticos extremos

Por #Colabora | ODS 13 • Publicada em 21 de abril de 2023 - 11:11 • Atualizada em 27 de abril de 2023 - 22:42

Moradores de Serang, na Indonésia, deixam casas inundadas pela enchente: crises relativas à agua atingem mais da metade da população mundial (Foto: Dziki Oktomauliyadi / AFP – 01/03/2022)

O avanço implacável da crise climática trouxe mais secas, inundações e ondas de calor para comunidades em todo o mundo no ano passado, agravando as ameaças à vida e aos meios de subsistência das pessoas, apontou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU, na sexta-feira (21/04), ao divulgar seu mais recente relatório sobre o estado do clima global. A OMM mostra que os últimos oito anos foram os oito mais quentes já registrados, e que o aumento do nível do mar e o aquecimento dos oceanos atingiram novos patamares inéditos. Níveis recordes de gases de efeito estufa causaram “mudanças em escala planetária na terra, no oceano e na atmosfera.

Leu essa: Quatro indicadores da crise climática batem recordes em 2021

A organização diz que seu relatório, divulgado antes do Dia da Mãe Terra deste ano, ecoa o apelo do secretário-geral da ONU, António Guterres, por “ cortes de emissões mais profundos e rápidos para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 grau Celsius”, bem como “a ampliação massiva de investimentos em adaptação e resiliência, particularmente para os países e comunidades mais vulneráveis ​​que menos fizeram para causar a crise”.

O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, disse que, em meio ao aumento das emissões de gases de efeito estufa e às mudanças climáticas, “as populações em todo o mundo continuam a ser gravemente afetadas por eventos climáticos e climáticos extremos”. Ele enfatizou que, no ano passado, “a seca contínua na África Oriental, chuvas recordes no Paquistão e ondas de calor recordes na China e na Europa afetaram dezenas de milhões, causaram insegurança alimentar, impulsionaram a migração em massa e custaram bilhões de dólares em perdas e danos”.

A OMM destaca a importância de investir no monitoramento climático e nos sistemas de alerta precoce para ajudar a mitigar os impactos humanitários do clima extremo. O relatório também aponta que hoje, a tecnologia aprimorada torna a transição para a energia renovável “mais barata e acessível do que nunca”.

Secas e enchentes

Segundo o relatório, “o derretimento das geleiras e a elevação do nível do mar – que voltou a atingir níveis recordes em 2022 – terão impactos por milhares de anos”. A OMM destaca ainda que, com os seguidos anos quentes, “o gelo do mar Antártico caiu em sua menor extensão já registrada” e o derretimento de algumas geleiras europeias foi igualmente inédito.

As geleiras de referência, que possuem observações de longo prazo, experimentaram uma perda média de 1,3 metro em sua espessura, número muito maior do que a média da última década. A perda acumulada desde 1970 chega a quase 30 metros. Ao mesmo tempo, a extensão do gelo marinho na Antártica caiu para 1,92 milhão de km2 em 25 de fevereiro do ano passado, o nível mais baixo já registrado e quase 1 milhão de km2 abaixo da média de longo prazo (1991-2020).

Nos oceanos, os sinais do aquecimento global são ainda mais evidentes. O teor de calor atingiu novo recorde em 2022, com cerca de 90% da energia retida no sistema climático global ficando nos oceanos. Apesar do La Niña, 58% da superfície oceânica experimentou pelo menos uma onda de calor marinha no ano passado. Já o nível médio global do mar continuou a subir, com a taxa de elevação média dobrando entre a primeira década de registro por satélite (1993-2002, de 2,2 milímetros por ano) e a última (2013-2022, 4,62 mm por ano).

Portanto, a elevação do nível do mar, que ameaça a existência de comunidades costeiras e às vezes de países inteiros, foi alimentada não apenas pelo derretimento de geleiras e calotas polares na Groenlândia e na Antártida, mas também pela expansão do volume dos oceanos devido ao calor. A OMM observa que os oceanos mais quentes têm sido uma tendência permanente últimas duas décadas.

O relatório examina os muitos impactos socioeconômicos do clima extremo, que causaram estragos na vida dos mais vulneráveis ​​em todo o mundo. Cinco anos consecutivos de seca na África Oriental – em conjunto com outros fatores, como conflitos armados – trouxeram insegurança alimentar devastadora para 20 milhões de pessoas em toda a região.

Extensas inundações no Paquistão causadas por fortes chuvas em julho e agosto do ano passado mataram mais de 1.700 pessoas, enquanto cerca de 33 milhões foram afetadas. A OMM destaca que os danos totais e as perdas econômicas foram avaliados em US$ 30 bilhões e que, até outubro de 2022, cerca de 8 milhões de pessoas foram deslocadas internamente pelas enchentes.

O relatório também observa que, além de colocar dezenas de pessoas em movimento, ao longo do ano, o clima perigoso e os eventos relacionados ao clima “pioraram as condições” para muitos dos 95 milhões de pessoas que já vivem em deslocamentos.

Ecossistemas ameaçados

Os impactos ambientais das mudanças climáticas são outro foco do relatório, que destaca uma mudança nos eventos recorrentes na natureza, “como quando as árvores florescem ou os pássaros migram”. O florescimento das cerejeiras no Japão é rastreado desde o século IX e, em 2021, a data do evento foi a mais antiga registrada em 1.200 anos .

Como resultado dessas mudanças, ecossistemas inteiros podem ser derrubados . A OMM observa que os tempos de chegada da primavera de mais de cem espécies de aves migratórias europeias ao longo de cinco décadas “mostram níveis crescentes de incompatibilidade com outros eventos da primavera”, como o momento em que as árvores produzem folhas e os insetos voam, que são importantes para a sobrevivência das aves.

O relatório diz que essas incompatibilidades “ provavelmente contribuíram para o declínio populacional de algumas espécies migratórias , particularmente aquelas que invernam na África subsaariana” e para a destruição contínua da biodiversidade.

Sem alertas adequados

O secretário-geral da OMM disse que cerca de cem países atualmente não possuem serviços meteorológicos adequados e que a Iniciativa de Avisos Prévios para Todos da ONU “visa preencher a lacuna de capacidade existente para garantir que todas as pessoas na Terra é coberto por serviços de alerta precoce”.

Taalas explicou que “alcançar esta tarefa ambiciosa requer a melhoria das redes de observação, investimentos em alerta precoce, capacidade de serviços hidrológicos e climáticos”. Ele também enfatizou a eficácia da colaboração entre as agências da ONU na abordagem dos impactos humanitários dos eventos climáticos, especialmente na redução da mortalidade e das perdas econômicas.

#Colabora

Texto produzido pelos jornalistas da redação do #Colabora.

Newsletter do #Colabora

Um jeito diferente de ver e analisar as notícias da semana, além dos conteúdos dos colunistas e reportagens especiais. A gente vai até você. De graça, no seu e-mail.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *