Recorde de calor nos oceanos: ‘umidade extra alimenta tempestades’

Tempestade, com precipitação recorde, provocada pelo furacão Ida, na Louisiana: oceanos mais quentes aumentam umidade na atmosfera e provocam chuvas cada vez mais intensas (Foto: Mark Felix / AFP – 29/08/2021)

Em entrevista, cientista climático avalia consequências do aumento da temperatura nos oceanos que, em 2021, atingiu níveis recordes pelo 3º ano seguido

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 14 de janeiro de 2022 - 16:03 • Atualizada em 24 de janeiro de 2022 - 09:36

Compartilhe

Tempestade, com precipitação recorde, provocada pelo furacão Ida, na Louisiana: oceanos mais quentes aumentam umidade na atmosfera e provocam chuvas cada vez mais intensas (Foto: Mark Felix / AFP – 29/08/2021)

O ano de 2021 foi o mais quente já registrado para os oceanos do mundo pelo terceiro ano consecutivo, de acordo com uma nova pesquisa, publicada na revista Advances in Atmospheric Sciences. Faz parte de uma tendência de aumento de longo prazo na temperatura dos oceanos que os cientistas dizem ser predominantemente devido às emissões de combustíveis fósseis que aquecem o planeta: o estudo descobriu que os últimos cinco anos foram os cinco mais quentes já registrados para os oceanos, desde o final da década de 1950.

Leu essa? Rede Global revela ameaça crescente aos corais brasileiros

Globalmente, foi o sexto ano mais quente já registrado para as temperaturas da superfície, de acordo com dados divulgados pela NASA e pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica em seu relatório anual sobre o clima global nesta quinta, 13 de janeiro.

À medida que os oceanos aquecem, seu calor sobrecarrega os sistemas climáticos, criando tempestades e furacões mais poderosos e chuvas mais intensas.

Kevin Trenberth
Cientista Climático

Mas, sob a superfície, as temperaturas dos oceanos estabeleceram novos recordes de calor em 2021: como explica o cientista climático Kevin Trenberth, enquanto a temperatura na superfície da Terra é o que as pessoas experimentam no dia a dia, a temperatura na parte superior do oceano é um indicador melhor de como o excesso de calor está se acumulando no planeta.

The Conversation conversou com Trenberth, coautor do estudo produzido por 23 pesquisadores de 14 institutos que acompanharam o aquecimento nos oceanos do mundo.

The Conversation – Esta pesquisa mais recente mostra que o calor do oceano está em níveis recordes. O que isso nos diz sobre o aquecimento global?

Kevin Trenberth – Os oceanos do mundo estão mais quentes do que nunca, e seu calor tem aumentado a cada década desde a década de 1960. Este aumento implacável é um indicador primário da mudança climática induzida pelo homem.

À medida que os oceanos aquecem, seu calor sobrecarrega os sistemas climáticos, criando tempestades e furacões mais poderosos e chuvas mais intensas. Isso ameaça a vida humana e os meios de subsistência, bem como a vida marinha.

Os oceanos absorvem cerca de 93% da energia extra retida pelos crescentes gases de efeito estufa das atividades humanas, principalmente da queima de combustíveis fósseis. Como a água retém mais calor do que a terra e os volumes envolvidos são imensos, os oceanos superiores são uma memória primária do aquecimento global.

Nosso estudo forneceu a primeira análise do aquecimento dos oceanos em 2021 e conseguimos atribuir o aquecimento às atividades humanas. O aquecimento global está vivo e bem, infelizmente.

A temperatura média global da superfície foi a quinta ou sexta mais quente já registrada em 2021 (o registro depende do conjunto de dados usado), em parte devido às condições de La Niña ao longo do ano, nas quais as condições frias no Pacífico tropical influenciam os padrões climáticos ao redor. o mundo.

Os oceanos mais quentes também fornecem rios atmosféricos de umidade para áreas terrestres, aumentando o risco de inundações

Kevin Trenberth
Cientista climático

Há muito mais variabilidade natural nas temperaturas do ar da superfície do que nas temperaturas do oceano por causa do El Niño/La Niña e eventos climáticos. Essa variabilidade natural no topo de um oceano em aquecimento cria pontos quentes, às vezes chamados de “ondas de calor marinhas”, que variam de ano para ano. Esses pontos quentes têm profundas influências na vida marinha, de minúsculos plânctons a peixes, mamíferos marinhos e pássaros. Outros pontos quentes são responsáveis ​​por mais atividade na atmosfera, como furacões e tufões.

Embora as temperaturas da superfície sejam tanto uma consequência quanto uma causa, a principal fonte dos fenômenos que causam extremos está relacionada ao calor do oceano que energiza os sistemas climáticos.

Descobrimos que todos os oceanos estão aquecendo, com as maiores quantidades de aquecimento no Oceano Atlântico e no Oceano Antártico ao redor da Antártida. Essa é uma preocupação para o gelo da Antártida – o calor no Oceano Antártico pode rastejar sob as plataformas de gelo da Antártida, afinando-as e resultando no desprendimento de enormes icebergs. O aquecimento dos oceanos também é uma preocupação para o aumento do nível do mar.

De que maneira o calor extra oceânico afeta a temperatura do ar e a umidade na terra?

O aquecimento global aumenta a evaporação e a secagem em terra, além de elevar as temperaturas, aumentando o risco de ondas de calor e incêndios florestais. Vimos o impacto em 2021, especialmente no oeste da América do Norte, mas também em meio a ondas de calor na Rússia, Grécia, Itália e Turquia.

Os oceanos mais quentes também fornecem rios atmosféricos de umidade para áreas terrestres, aumentando o risco de inundações, como a costa oeste dos EUA vem experimentando.

Rastro de destruição deixado pelo super tufão Rai no norte das Filipinas: calor nos oceanos alimentam eventos extremos (Foto: Erwin Mascarinas / AFP - 17/12/2021)
Rastro de destruição deixado pelo super tufão Rai no norte das Filipinas: calor nos oceanos alimentam eventos extremos (Foto: Erwin Mascarinas / AFP – 17/12/2021)

Em 2021, o mundo viu vários ciclones destrutivos, incluindo o furacão Ida nos EUA e o tufão Rai nas Filipinas. Como a temperatura do oceano afeta tempestades como essas?

Oceanos mais quentes fornecem umidade extra para a atmosfera. Essa umidade extra alimenta tempestades, especialmente furacões. O resultado pode ser chuvas prodigiosas, como os EUA viram em Ida, e inundações generalizadas, como ocorreram em muitos lugares no ano passado.

A lenta penetração do calor para as profundezas significa que os oceanos continuarão a aquecer e o nível do mar continuará a subir mesmo após a estabilização dos gases de efeito estufa

Kevin Trenberth
Cientista climático

As tempestades também podem se tornar mais intensas, maiores e durar mais. Vários grandes eventos de inundação ocorreram na Austrália no ano passado e também na Nova Zelândia. Quedas de neve maiores também podem ocorrer no inverno, desde que as temperaturas permaneçam abaixo de zero, porque o ar mais quente retém mais umidade.

Se as emissões de gases de efeito estufa diminuíssem, o oceano esfriaria?

Nos oceanos, a água quente fica no topo das águas mais frias e densas. No entanto, os oceanos aquecem de cima para baixo e, consequentemente, o oceano está se tornando mais estratificado. Isso inibe a mistura entre as camadas que, de outra forma, permitem que o oceano aqueça a níveis mais profundos e absorva dióxido de carbono e oxigênio. Por isso, afeta toda a vida marinha.

Descobrimos que os 500 metros superiores do oceano estão claramente aquecendo desde 1980; as profundidades de 500-1.000 metros estão se aquecendo desde cerca de 1990; as profundidades de 1.000-1.500 metros desde 1998; e abaixo de 1.500 metros desde cerca de 2005. A lenta penetração do calor para as profundezas significa que os oceanos continuarão a aquecer e o nível do mar continuará a subir mesmo após a estabilização dos gases de efeito estufa.

A última área a ser observada é a necessidade de expandir a capacidade dos cientistas de monitorar as mudanças nos oceanos. Uma maneira de fazer isso é através da matriz Argo – atualmente cerca de 3.900 flutuadores de perfil que enviam dados sobre temperatura e salinidade da superfície para cerca de 2.000 metros de profundidade, medidos à medida que sobem e depois afundam, em bacias oceânicas ao redor do mundo. mundo. Esses instrumentos robóticos, de mergulho e de deriva exigem reabastecimento constante e suas observações são inestimáveis.

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *