O efeito estufa da eleição de Trump

Donald Trump: AFP PHOTO / Timothy A. CLARY

Vitória do Republicano é terrível ameaça a avanços sobre aquecimento global

Por Trajano de Moraes | ODS 13 • Publicada em 10 de novembro de 2016 - 09:55 • Atualizada em 11 de novembro de 2016 - 11:33

Compartilhe

Donald Trump: AFP PHOTO / Timothy A. CLARY
Donald Trump: ameaça de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris
Donald Trump: ameaça de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris. Foto de Timothy A. CLARY/AFP

A vitória de Donald Trump provoca calafrios. Considere, por exemplo, o futuro da humanidade e do planeta. Não se trata de exagero retórico. Ele quer jogar no ralo as conquistas arduamente obtidas pela comunidade internacional nos últimos 40 anos, no que se refere ao combate à emissão de gases-estufa e às metas para manter a Terra habitável para as futuras gerações.

Enquanto Trump saboreia a vitória, a Conferência da Onu Sobre Mudanças Climáticas (COP 22) se realiza até dia 18 em Marrakesh, no Marrocos. O principal foco da conferência é pôr em prática o Acordo de Paris, negociado em novembro de 2015 e aprovado a 12 de dezembro por 197 países, com total apoio do presidente Barack Obama.

Uma das promessas de Trump é retirar os EUA do tratado. Ou seja: livrar o segundo maior poluidor do mundo dos compromissos assumidos com outras 197 nações e com o futuro da humanidade. O que está, aliás, em linha com declarações do ainda candidato de que o aquecimento global não passa de um embuste criado pela China para prejudicar a competitividade da indústria americana.

Vamos ver algumas das iniciativas prometidas por Trump:

  1. Retirada dos EUA do Acordo de Paris

A meta do tratado é manter o aumento da temperatura média global em menos de 2ºC acima dos níveis pré-industriais e fazer um esforço para ir além – limitar essa elevação a 1,5º C.  O Brasil assumiu o compromisso de cortar as emissões de gases-estufa em 37% até 2025, com o indicativo de redução de 43% até 2030, em comparação aos níveis de 2005.

Em tese, se Trump cumprir a promessa, a China poderá ir em duas direções: manter os compromissos assumidos no tratado e sacramentar os EUA como o grande vilão climático mundial; ou se sentir livre para também deixar de cumpri-lo, o que seria o pior dos mundos

Trump pode simplesmente retirar os EUA do acordo firmado por Obama? Segundo a Ministra do Meio Ambiente da França, Ségolène Royal, não. Ela disse ao jornal inglês “Independent” que o acordo proíbe a saída de um país signatário por  três anos, mais um ano de “aviso prévio”, o que daria um período de estabilidade de quatro anos.

Alvo da declaração de Trump sobre o “embuste” do aquecimento global, a China, o maior poluidor, tornou-se recentemente  o maior investidor mundial em energia renovável. Confrontado com a promessa do presidente eleito dos EUA de retirar seu país do tratado, o principal negociador chinês, Xie Zhenhua, disse ao Independent: “Se eles resistirem à tendência (de aceitar as provas científicas do aquecimento global), acho que não terão o apoio da população e o progresso econômico e social do país será afetado. Entendo que um líder sábio deve adotar posições de acordo com as tendências globais”.

Em tese, se Trump cumprir a promessa, a China poderá ir em duas direções: manter os compromissos assumidos no tratado e sacramentar os EUA como o grande vilão climático mundial; ou se sentir livre para também deixar de cumpri-lo, o que seria o pior dos mundos.

2. Derrubada das medidas pró-ambiente do governo Obama

A política ambiental de Trump é pautada por sua negação de que as mudanças climáticas sejam reais ou relevantes. Segundo  o site Law Street Media, seu plano original era abolir inteiramente a Agência de Proteção Ambiental (EPA), cujo raio de ação foi significativamente ampliado por Obama. Mas como isto não está entre seus poderes unilaterais, o que contará mesmo é quem ele escolherá para dirigir a agência. Se depender de quem indicou para chefiar a equipe de transição, a situação é preocupante. Trata-se de Myron Ebell, diretor do Centro para Energia e Meio Ambiente, um think tank conservador, que usa dados científicos questionáveis para denunciar o “alarmismo global sobre o aquecimento”.

Ebell acredita que o Clean Power Plan (Plano da Energia Limpa), de Obama, que mudará profundamente  a produção futura de energia nos EUA, é não só um enorme desperdício de recursos públicos mas também ilegal, devido à carga de regulamentação que impõe aos negócios no país.

3) Remover o máximo possível de regulamentação

Trump e equipe encaram as exigências criadas nos últimos anos para que as atividades econômicas emitam menos poluentes como obstáculos ao crescimento da produção e à criação de empregos. Segundo Law Street Media,  os planos do presidente eleito incluem a liberação de espaços federais sob proteção, na terra e no mar, para exploração de petróleo e gás.

Colocar uma área sob proteção federal  é uma das poucas armas de um presidente dos EUA  para proteger o meio ambiente. Tanto George W. Bush quanto Bill Clinton usaram amplamente esse recurso, no caso de Clinton especificamente para evitar que companhias de óleo e gás fizessem perfurações em determinadas áreas. “A tentativa de Trump de usar seu futuro poder como chefe do Executivo para remover esses obstáculos é como se um presidente lutasse diretamente contra o legado de outro”, observou o site Law Street Media.

4) Ênfase na produção de óleo e gás

Em artigo no site “The Conversation”, o diretor do Instituto de Energia da Universidade de Michigan, Mark Barteau, relatou que a produção doméstica de óleo e gás aumentou substancialmente, tornando os EUA os maiores produtores mundiais de energia e reduzindo a dependência americana do óleo importado de 57% para 24%, desde a eleição do presidente Obama.

Trump fala numa “revolução energética”, que produziria uma “nova e vasta riqueza” para o país.  Nada a ver com a revolução energética preconizada por Obama, baseada, em grande parte, em novas tecnologias e em energias renováveis e limpas. Para Trump, trata-se de abrir novas áreas, inclusive sob proteção, para a produção de óleo, gás  e até mesmo carvão, num perigoso retrocesso.

A única limitação em sua política “perfure, baby, perfure” e “cave, baby, cave” é o reconhecimento de que as comunidades devem ter o direito de opinar sobre a permissão para, por exemplo, o uso da técnica de fraturamento hidráulico, utilizada na obtenção de óleo e gás de xisto.

5) Ameaça à Energia renovável

Trump fez declarações no mínimo preocupantes sobre fontes renováveis de energia. A seu ver, energia solar é OK, mas pouco competitiva em termos de custos. Ele também sugeriu que a energia eólica é uma “matadora de águias” e deixa para trás carcaças de turbinas obsoletas na paisagem. Na sua concepção, nenhuma das duas merece subsídios.

Por outro lado, afirmou que protegerá o Renewable Fuel Standard (RFS – Padrão de Combustível Renovável), que estimula a produção de biocombustíveis, como etanol à base de milho. Mas ele deverá descobrir que esta é uma questão controversa entre seus próprios partidários, variando de acordo com os diferentes interesses dos estados.

Segundo Mark Barteau, a “revolução energética”  de Trump se baseia na expansão da produção convencional de energia e na oposição a tudo que a limite. E sua política para o clima é totalmente afinada com a visão de que os controles sobre a emissão de gases-estufa devem ser eliminados.

Para Khalid Pitts, diretor do grupo ambientalista americano Sierra Club, “os líderes mundiais evoluem, mas a ignorância científica de Donald Trump continua a mesma”. Em declaração ao “Independent”, frisou que “eleger um defensor da teoria da conspiração científica na questão climática, como Trump, tornará os EUA alvo de chacota e prejudicará nosso papel de liderança mundial. Não se negocia com o derretimento de geleiras, nem com a elevação dos mares. A incapacidade moral de Donald Trump de reconhecer a crise climática pode muito bem significar um desastre em escala planetária”.

Trajano de Moraes

Jornalista com longas passagens por Jornal do Brasil, na década de 1970, e pelo Globo (1987 a 2014), sempre tratando de temas de Política Internacional e/ou Economia. Estava posto em sossego quando foi irresistivelmente atraído pelos encantos do Projeto#Colabora. E resolveu sair da toca.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *