Estados Unidos podem cumprir sua nova promessa climática?

O presidente Joe Biden, seu enviado especial para o clima, John Kerry, e o secretário de Estado, Anthony Blinken, ouvem o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres: promessa de corte de 50% das emissões (Foto: Brendan Smialowski / AFP)

Para pesquisadores, reforma do setor industrial é o maior desafio para a meta estabelecida por Biden de cortar pela metade as emissões até 2030

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 23 de abril de 2021 - 09:04 • Atualizada em 27 de abril de 2021 - 09:25

Compartilhe

O presidente Joe Biden, seu enviado especial para o clima, John Kerry, e o secretário de Estado, Anthony Blinken, ouvem o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres: promessa de corte de 50% das emissões (Foto: Brendan Smialowski / AFP)

Morgan Bazilian e David Victor*

O presidente Joe Biden anunciou uma nova meta climática nacional ambiciosa em uma cúpula de líderes mundiais transmitida ao vivo em 22 de abril de 2021: Ele prometeu cortar as emissões de carbono dos EUA pela metade até o final desta década e buscar emissões zero líquidas até 2050.

A nova meta é importante porque reúne formalmente as muitas ideias diferentes sobre infraestrutura, orçamento, política regulatória federal e ações díversas nos estados e na indústria para transformar a economia dos EUA em um gigante altamente competitivo, mas muito verde. Também sinaliza para o resto do mundo que “a América está de volta ” e preparada para trabalhar na mudança climática após quatro anos de atraso no governo Trump.

Parar o aquecimento global em 1,5 graus Celsius – o objetivo do acordo climático de Paris – exigirá um esforço global imediato que pode transformar os sistemas de energia e fazer as emissões despencarem a taxas nunca antes observadas na história.

As declarações dos 40 líderes mundiais presentes na cúpula refletiram tanto visões ambiciosas para esse futuro quanto a realidade de que as palavras nem sempre correspondem às ações no concretas.

Formalmente, a nova meta dos EUA – conhecida no acordo climático de Paris como uma ” contribuição determinada nacionalmente ” –  é, na verdade, uma promessa não vinculativa para o resto do mundo . Além dos números principais, incluindo a nova promessa de reduzir as emissões em 50-52% até 2030 em comparação com os níveis de 2005, a promessa de Biden dá atenção à necessidade de se adaptar às mudanças climáticas já em andamento e construir resiliência.

Quase todos os países estão assumindo novos compromissos na preparação para uma grande conferência do clima das Nações Unidas em novembro . Com a promessa dos EUA, cerca de dois terços das emissões globais atuais vêm de países que agora se comprometeram a atingir emissões líquidas zero até meados do século.

Nós dois estivemos envolvidos com a política climática e as negociações internacionais por décadas, e essas novas metas mostram um impulso real. Mas a nova promessa dos EUA terá um impacto nas emissões tão grande quanto parece?

Líderes mundiais - entre eles, Bolsonaro (embaixo) - no telão durante o discurso do presidente dos EUA: novas metas de redução das emissões (Foto: Pool / Getty Images / AFP)
Líderes mundiais – entre eles, Bolsonaro (embaixo) – no telão durante o discurso do presidente dos EUA: novas metas de redução das emissões (Foto: Pool / Getty Images / AFP)

A meta climática dos EUA pode ser alcançada?

Já tem havido muito barulho sobre a ousadia da meta dos EUA – por empresas, grupos de advocacy ambiental e de reflexão acadêmica, muitas vezes apontando para estudos com a conclusão que um corte de emissões de 50% é realizável .

Nossa principal preocupação é a realidade industrial – reduzir as emissões pela metade em uma década implica transformar o sistema elétrico, o transporte, a indústria e a agricultura.

Esses sistemas não mudam de uma hora para outra. O estabelecimento de metas é a parte fácil: é em grande parte uma combinação de viabilidade técnica com palatabilidade política. O trabalho difícil é fazer isso acontecer.

Praticamente tudo precisará ser alinhado rapidamente – políticas que sejam confiáveis ​​e duráveis, junto com respostas industriais. Como costuma acontecer com as mudanças tecnológicas , a maioria dos analistas está superestimando a rapidez com que as coisas podem se transformar no curto prazo e, provavelmente, subestimando a profundidade dessas mudanças em um futuro mais distante.

O setor elétrico é o principal pioneiro nos Estados Unidos e em todo o mundo. Pesquisa do Laboratório da Universidade de Berkeley mostra que, nos últimos 15 anos, os EUA reduziram as emissões de carbono do setor elétrico pela metade em relação aos níveis projetados .

O governo Biden agora tem uma meta para que a eletricidade seja livre de carbono até 2035 . Quase todos os estudos que mostram que ser viável uma queda de 50% nas emissões dos EUA se baseiam na observação de que o setor de energia cortará as emissões rapidamente.

Apesar de todo o progresso na eletricidade, mesmo empurrar esse setor rapidamente para zero em breve será difícil e criará tensões e necessidad de compensações. Por exemplo, o sofrimento causado pelo declínio acentuado da indústria do carvão já é evidente nas comunidades de Appalachia (área do estado da Virgínia onde o colapso da indústria do carvão levou milhares ao desemprego).

Política no Cúpula do Clima

Os novos compromissos foram anunciados no contexto do primeiro grande evento diplomático da Casa Branca sobre mudança climática – uma reunião de 40 grandes países emissores, incluindo China, Índia, Brasil, Reino Unido e vários países europeus.

Os Estados Unidos são o segundo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo e um dos maiores em emissões por pessoa . Mas suas emissões são inferiores a 15% do total global, por isso é essencial que o que quer que aconteça nos EUA seja vinculado a um esforço global. É por isso que a credibilidade é tão importante: se os EUA querem restabelecer a liderança na mudança climática, seus esforços só serão realmente bons se conseguirem  a adesão do resto do mundo .

Mas o governo Biden deve agir com cautela. Por mais tentador que seja apertar os parafusos das emissões, esforços que são muito agressivos facilmente se tornarão alimento para oponentes políticos e indústrias que minaram os esforços climáticos no passado .

É importante observar a mudança na política climática. Biden tem uma maioria apertadíssima no Congresso dos EUA. E a verdadeira política da mudança climática não se trata apenas de cenários técnicos de corte de emissões com tecnologias mais limpas: trata também da transição da sociedade.

O presidente chinês Xi Jinping na Cúpula de Líderes pelo Clima: discurso batizado "Pelo Homem e pela Natureza: Construindo uma Comunidade de Vida em Conjunto" (Foto: Li Xiang / Xinhua / AFP)
O presidente chinês Xi Jinping na Cúpula de Líderes pelo Clima: discurso batizado “Pelo Homem e pela Natureza: Construindo uma Comunidade de Vida em Conjunto” (Foto: Li Xiang / Xinhua / AFP)

EUA precisam botar a casa em ordem

A Casa Branca tinha grandes expectativas para a cúpula, incluindo a expectativa de vários países anunciarem novos compromissos. O Reino Unido se comprometeu, pouco antes da cúpula, a cortar as emissões em 78% até 2035; e a UE anunciou um acordo provisório sobre um corte de 55% nas emissões até 2030.

A cúpula virtual também atraiu o presidente russo Vladimir Putin, o líder chinês Xi Jinping e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro – três adversários frequentes dos EUA e grandes contribuintes para a crise climática seja pelo uso de combustíveis fósseis ou seja pelo desmatamento.

Putin prometeu uma grande ação e “cortar significativamente o volume acumulado de emissões líquidas” na Rússia, e Bolsonaro prometeu proteger a floresta amazônica, mas assumiu o compromisso de acabar com o desmatamento ilegal apenas em 2030. Ambos destacam como é fácil prometer grandes coisas nas cúpulas do clima, mesmo quando o histórico de alguém aponta na direção oposta.

Fundamentar essa ambição frenética no trabalho confuso de formulação e implementação de políticas está muito longe de ser alcançado por um evento virtual.

O indicador do sucesso real da cúpula pode ser a China. A diplomacia EUA-China em preparação para a reunião climática da ONU em Paris foi amplamente vista como essencial para seu sucesso há cinco anos. Este ano, quando o enviado presidencial para o clima, John Kerry, se reuniu com seu homólogo chinês alguns dias antes da cúpula de 22 de abril, a declaração conjunta foi concluída com um acordo genérico para cooperar nas mudanças climáticas e garantir que o mundo cumpra as metas de Paris.

Após quatro anos de antagonismo do governo Trump aos esforços climáticos, com o enfraquecimento da credibilidade dos EUA no exterior, e com tanto trabalho doméstico sobre o clima ainda necessário, uma cúpula patrocinada pelos EUA pode ter sido prematura. Os intensos esforços diplomáticos para pressionar outros países a fazerem anúncios no evento pareciam desatentos à necessidade de colocar nossa casa em ordem primeiro.

A promessa da Casa Branca é ousada, mas permanece longa em adjetivos e curta em verbos confiáveis. Resta ver se isso terá um impacto nas ações domésticas ou se ajudará a convencer o mundo de que os EUA são um parceiro confiável e duradouro nas mudanças climáticas.

*Morgan Bazilian é professor de Políticas Públicas e diretor do Instituto Payne, da Escola de Minas do Colorado; David Victor é professor de Relações Internacionais da Universidade da Califórnia, em San Diego

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *