Círculo vicioso causa recorde de calor na Sibéria e aumenta alerta no Ártico

Aquecimento global provoca degelo, que permite a entrada de mais raios solares no oceano, que fica mais quente, que derrete gelo...

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 30 de junho de 2020 - 08:00 • Atualizada em 6 de julho de 2020 - 10:10

Compartilhe

Degelo acelerado no Ártico, onde a temperatura em cidade da Sibéria chegou ao recorde de 38 graus: círculo vicioso ameaça região (Foto: Greenpeace)

Jonathan Bamber*

Na véspera do solstício de verão no Hemisfério Norte, algo muito preocupante aconteceu no Círculo Polar Ártico. Pela primeira vez na história, as temperaturas atingiram 38 graus, em Verkhoyansk, uma cidade remota da Sibéria, a quase 5 mil quilômetros a leste de Moscou. Esta marca é 18 graus mais quente que a temperatura média diária máxima de junho nesta parte do mundo, ao norte do Ártico, e o recorde histórico de temperatura na região. Novos recordes estão sendo estabelecidos a cada ano – e não apenas de temperaturas máximas, mas também de derretimento de gelo e de incêndios florestais. Isso ocorre porque as temperaturas do ar no Ártico têm aumentado a uma taxa cerca de duas vezes a média global.

Todo esse calor tem consequências. As recentes ondas de calor da Sibéria e as altas temperaturas do verão nos anos anteriores têm acelerado o derretimento do permafrost no Ártico. Isso é o solo permanentemente congelado, com uma fina camada superficial que derrete e recongela a cada ano. À medida que as temperaturas aumentam, essa camada superficial se torna mais profunda e as estruturas nela incorporadas começam a falhar à medida que o solo abaixo delas se expande e se contrai. Esse fenômeno é parcialmente responsável pelo derramamento catastrófico de óleo que ocorreu na Sibéria no começo de junho, quando um reservatório de combustível se rompeu e liberou mais de 21 mil toneladas de combustível – o maior derramamento já registrado no Ártico.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, o inverno e a primavera siberianos tiveram temperaturas até 10 graus a mais do que a média histórica.  No primeiro dia do verão, no norte do planeta, os satélites do sistema de monitoramento europeu Copernicus indicavam que a região do Hemisfério Norte com mais focos de queimada era o extremo nordeste da Rússia.

Nas áreas em vermelho escuro, a temperatura está até 10 graus acima da média desde maio (Reprodução: Universidade do Maine)
Nas áreas em vermelho escuro, a temperatura está até 10 graus acima da média desde maio (Reprodução: Universidade do Maine)

Então, o que há de errado com o Ártico e por que as mudanças climáticas aqui parecem muito mais severas em comparação com o resto do mundo?

Os cientistas desenvolveram modelos do sistema climático global, chamados modelos de circulação geral (GCMs – General Circulation Models, em inglês) que reproduzem os principais padrões observados nas observações meteorológicas. Isso nos ajuda a rastrear e prever o comportamento de fenômenos climáticos, como as monções indianas, El Niño, oscilações do sul e circulação oceânica, como a corrente do golfo.

Os GCMs têm sido usados para projetar mudanças no clima em um mundo com mais CO₂ atmosférico desde os anos 90. Uma característica comum desses modelos é um efeito chamado amplificação polar. É aqui que o aquecimento é intensificado nas regiões polares e especialmente no Ártico. A amplificação pode ser entre dois e dois anos e meio, o que significa que para cada grau de aquecimento global, o Ártico verá o dobro ou mais. Esse é um recurso robusto dos nossos modelos climáticos, mas por que isso acontece?

A neve fresca é a superfície natural mais brilhante do planeta. Ele tem um albedo (medida relativa da quantidade de luz refletida) de cerca de 0,85, o que significa que 85% da radiação solar que cai sobre ela é refletida de volta ao espaço. O oceano é o oposto – é a superfície natural mais escura do planeta e reflete apenas 10% da radiação (tem um albedo de 0,1). No inverno, o Oceano Ártico, que cobre o Pólo Norte, é coberto de gelo marinho e esse gelo marinho possui uma camada isolante de neve. É como uma enorme manta térmica brilhante que protege o oceano escuro por baixo. À medida que as temperaturas aumentam a partir da primavera (e estão subindo cada vez mais), o gelo do mar derrete, expondo o oceano escuro por baixo, que absorve ainda mais radiação solar, aumentando o aquecimento da região, que derrete ainda mais gelo.

Este círculo vicioso é frequentemente citado pelos cientistas como mecanismo de feedback do albedo no gelo – particularmente potente no pólo porque o Oceano Ártico é quase fechado pela Eurásia e pela América do Norte, e é mais difícil (em comparação com a Antártica) para as correntes oceânicas moverem o gelo do mar para fora da região. Como resultado, o gelo marinho que permanece no Ártico por mais de um ano diminui a uma taxa de cerca de 13% por décadas desde que os registros de satélite começaram no final da década de 1970.

De fato, existem evidências para indicar que a extensão do gelo marinho nunca foi tão baixo nos últimos 1.500 anos. Eventos extremos de derretimento na camada de gelo da Groenlândia, que costumavam ocorrer uma vez a cada 150 anos, foram observados em 2012 e agora em 2019. Os dados do núcleo de gelo mostram que a superfície aprimorada da superfície de derretimento na camada de gelo na última década é sem precedentes ao longo da última década séculos e meio e potencialmente nos últimos 7.000 anos.

Em outras palavras, as temperaturas recordes vistas neste verão no Ártico não são “únicas”. Eles fazem parte de uma tendência de longo prazo prevista pelos modelos climáticos décadas atrás. Hoje, estamos vendo os resultados, com o degelo do permafrost e derretimento do gelo marinho e da cobertura de gelo . O Ártico, às vezes, tem sido descrito como o canário na mina de carvão (expressão na língua inglesa que significa um alerta de perigo – nota do tradutor) para a emergência climática. Bem, ele está cantando bem alto agora e seu som ficará cada vez mais alto nos próximos anos.

*Professor de Geografia Física da Universidade de Bristol (Inglaterra)

(Tradução: Oscar Valporto)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *