Provisório permanente: na arquitetura da falta, tudo tem serventia

Provisório permanente – Foto: Custodio Coimbra

Fotogaleria de Custodio Coimbra registra a precariedade de habitações, com chão de terra e paredes de tapumes, em comunidades do Rio de Janeiro: o provisório se faz definitivo e o temporário, permanente.

Por Custodio Coimbra | ODS 10 • Publicada em 8 de julho de 2020 - 09:13 • Atualizada em 20 de julho de 2020 - 14:47

Compartilhe

Provisório permanente – Foto: Custodio Coimbra

O chão é de terra, tapumes servem de parede. Nas portas e janelas, papelão. E no teto, amianto. Em um único cômodo, sofá, cama, geladeira, fogão, televisão divididos por panos. Do 3 em 1, soa música gospel. Outras vezes, um samba. Na precariedade, o capricho é o detalhe. Um quadro de Nossa Senhora se equilibra sob o retalho florido, uma paisagem de montes nevados acende a imaginação. Na arquitetura da falta, tudo tem serventia, presente ou futuro. O provisório se faz definitivo e o temporário, permanente. São os mais visíveis dos invisíveis.

Clique aqui para conferir outras fotogalerias de Custodio Coimbra

Custodio Coimbra

Fotógrafo de imprensa há 36 anos, Custodio Coimbra, 61 anos, passou pelos principais jornais do Rio e há 25 anos trabalha no jornal O Globo. Nascido no Rio de Janeiro, é hoje um artista requisitado entre colecionadores do mercado de fotografia de arte. Além de fotos divulgadas em jornais e revistas mundo afora, participou de dezenas de mostras coletivas no Brasil e no exterior. Tem sua obra identificada com a história e a paisagem do Rio de Janeiro.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *