Jovens podem ser mais resistentes ao vírus; mas não aos seus impactos

Jovens mulheres carregam caixas com donativos para enfrentar a crise causada pela pandemia na Cidade de Deus: jovens em geral e mulheres em particular terão seu futuro ameaçado pelos impactos da covid-19, alerta consultora da ActionAid (Foto: Mauro Pimentel/AFP)

Para consultora da ActionAid, só mudança radical do sistema econômico permitirá que gerações futuras resistam aos efeitos devastadores da pandemia

Por ActionAid | ODS 10ODS 3ODS 8 • Publicada em 22 de abril de 2020 - 10:04 • Atualizada em 22 de abril de 2020 - 10:29

Compartilhe

Jovens mulheres carregam caixas com donativos para enfrentar a crise causada pela pandemia na Cidade de Deus: jovens em geral e mulheres em particular terão seu futuro ameaçado pelos impactos da covid-19, alerta consultora da ActionAid (Foto: Mauro Pimentel/AFP)

Katherine Robinson*

Os jovens podem ser um pouco mais resistentes que os idosos à covid-19, mas, com vários casos registrados de jovens que sucumbem ao vírus, o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, advertiu: “Eu tenho uma mensagem para os jovens … você não é invencível”. E, certamente, não somos resistentes a seus impactos sociais e econômicos. As crises que os jovens enfrentam já eram terríveis; acrescente-se a pandemia de covid-19, e a situação é quase desesperadora.

Com 40 anos de proteção social sendo revertidos pela mercantilização dos direitos básicos, a privatização desenfreada de serviços públicos, como assistência médica e educação, dívida estudantil insuperável, crescente desemprego juvenil global e caos climático, agora exacerbado por Covid-19, os jovens são sendo empurrado para a fragilidade e precariedade. Somente uma transformação radical do nosso sistema econômico permitirá que a nossa e as gerações futuras resistam aos impactos devastadores dessa pandemia.

Um relatório recente mostra como as medidas de austeridade induzidas pelo Fundo Monetário Internacional estão impactando negativamente cerca de 75% da população mundial. Esse conselho brutal e orientado para o lucro, promovido por instituições financeiras internacionais, reverteu políticas de solidariedade social e proteções sociais universais, enfraquecendo especialmente duas das principais defesas contra o coronavírus – moradia e saúde.

O relator especial da ONU sobre o direito à moradia adequada, Leilani Farha, considera que aproximadamente 1,8 bilhão de pessoas em todo o mundo são desabrigadas, vivem em habitações inadequadas ou lotadas, carentes de água e saneamento. Ela desafiou os governos em todo o mundo a fazer da eliminação da falta de moradia uma prioridade de direitos humanos, com atenção especial aos jovens e outros grupos marginalizados, como os jovens LGBTQ, considerando as mesmas políticas severas de austeridade e privatização que aumentam a falta de moradia entre os jovens. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que o Covid-19 está colocando em risco milhões e milhões de empregos, então a falta de moradia deve aumentar drasticamente.

A covid-19 só vai tornar pior a crise de oportunidade de emprego para os jovens. As últimas tendências globais de emprego para jovens da OIT são uma imagem sombria em meio a essa pandemia. Os jovens têm uma probabilidade três vezes maior do que os adultos (25 anos ou mais) de estar desempregado hoje. O desemprego é maior entre as mulheres jovens na maioria das regiões

A OIT também descobriu que os jovens compõem a maioria dos refugiados e imigrantes – cerca de 70% têm menos de 30 anos. Sem abrigo ou não, jovens imigrantes, mulheres jovens e jovens LGBTQ enfrentam vários níveis de exclusão e discriminação. Durante as crises, o bloqueio e a quarentena, eles são frequentemente alvo e bode expiatório; também são mais vulneráveis ​​a violência de gênero, violência homofóbica e xenofóbica. Eles são ainda menos capazes de buscar recursos, proteção e assistência médica, devido ao estigma e preconceito que acompanham seu status marginal.

Os sistemas de saúde em todo o mundo, particularmente na África, têm recursos precários. O FMI e o Banco Mundial pressionaram os governos a reduzirem os orçamentos de saúde, cortarem os salários do setor público e incentivarem as empresas a assumir serviços públicos. Isso falhou tristemente em todo o mundo.

Em meio à covid-19, o governo espanhol teve que converter o local recente da conferência climática da ONU, COP25, em um centro de quarentena, transformar uma pista de gelo em um necrotério e nacionalizar hospitais privados, demonstrando que a saúde universal pode e deve ser apenas alcançados por meio de financiamento público e gestão pelo estado. Enquanto isso, à medida que as taxas de infecção disparam no Reino Unido, os hospitais privados alugam 8 mil leitos ao governo britânico a 2,5 milhões de libras por dia.

Os jovens estão sobrecarregados com a dívida estudantil – US$ 1,5 trilhão somente nos EUA. Mesmo antes do ataque do coronavírus, eles estavam achando cada vez mais difícil cobrir suas despesas básicas de vida, sem falar na assistência médica ou no aluguel. Com a flexibilização das leis trabalhistas, a ascensão da sempre precária economia de bicos (uberização) e os ataques gerais aos sindicatos e ao poder coletivo, muitos jovens não conseguem encontrar empregos decentes.

A covid-19 só vai tornar pior a crise de oportunidade de emprego para os jovens. As últimas tendências globais de emprego para jovens da OIT são uma imagem sombria em meio a essa pandemia. Os jovens têm uma probabilidade três vezes maior do que os adultos (25 anos ou mais) de estar desempregado hoje. O desemprego é maior entre as mulheres jovens na maioria das regiões. Globalmente, atualmente um quinto dos jovens não está empregado, em educação ou treinamento (NEET – Nem Nem, toda da tradução); uma grande maioria destes são mulheres jovens – muitas contribuindo para a economia através de um fardo pesado de trabalho não remunerado, que se tornará ainda mais pesado durante essa crise. Globalmente, as mulheres jovens são duas vezes mais propensas que os homens jovens a ter o status NEET.

Os trabalhadores jovens continuam a enfrentar altos índices de pobreza e estão cada vez mais expostos a formas de emprego não padronizadas, informais e menos seguras. Mesmo entre os jovens que trabalham, 13% dos jovens trabalhadores sofrem extrema pobreza, enquanto 71 milhões deles, ou 17%, vivem em pobreza moderada.

Covid-19 está expondo nosso sistema econômico para o que é: opressivo e fraco. Essa pandemia está tornando o mote favorito do neoliberalismo – ‘não há alternativa’ – em uma falácia total. De fato, existem alternativas: estamos vendo estados intervindo rapidamente com pacotes de resgate, na tentativa de mitigar os impactos sociais e econômicos da crise – como nacionalizar a assistência médica, congelar pagamentos de hipotecas, serviços públicos e impostos, fornecer casas de emergência, água e saneamento para os sem-teto.

Não há como voltar ao fundamentalismo de mercado livre após o coronavírus. E é aí que há esperança. Se podemos fazê-lo agora, em um momento de extrema crise, podemos fazê-lo sempre. Os estados podem e devem fornecer proteção social universal, serviços públicos sensíveis a gênero, moradia e trabalho decente. O presente e o futuro dos jovens dependem disso.

*Katherine Robinson é consultora de engajamento jovem da ActionAid International; ela lidera o trabalho da ActionAid International com e para jovens sobre direitos das mulheres, meios de subsistência resilientes, justiça econômica e climática

ActionAid

A ActionAid é uma organização internacional de combate à pobreza presente em 43 países. No Brasil, atua desde 1999 realizando projetos pela garantia dos direitos à alimentação, igualdade de gênero, participação popular e educação.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *