As desculpas da ministra

Manisfestação na França. Foto de Bernard Ménigualt/ Citizenside/ AFP

Sob críticas, Cármen Lúcia se retrata por declaração infeliz em relação aos autistas

Por Liana Melo | ODS 1 • Publicada em 18 de setembro de 2016 - 10:20 • Atualizada em 19 de setembro de 2016 - 15:00

Compartilhe

Manisfestação na França. Foto de Bernard Ménigualt/ Citizenside/ AFP
Manisfestação na França. Foto de Bernard Ménigualt/ Citizenside/ AFP
Manifestantes com cartazes na França, onde se lê “autistas não são idiotas”.

Antes tarde do que nunca. Depois de receber críticas de entidades de classe e causar revolta nas redes sociais, a presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), a recém-empossada ministra Cármen Lúcia, pediu desculpas por ter afirmado que “os ministros não são autistas”. A afirmação foi feita à jornalista Renata Lo Prete, da “GloboNews”, quando falava sobre a Operação Lava Jato e o julgamento do caso no Supremo.

Ontem, a ministra se retratou:

Em entrevista concedida há alguns dias, fiz uso – sem qualquer motivação de ofensa ou desqualificação – à condição de autista. Recebi manifestações – justas e motivadas – de que o uso era indevido e poderia ser interpretado como ofensivo.

Vivo o cuidado com uma linha e querida pessoa em família que tem esta qualidade, pelo que jamais poderia me passar ser assim interpretada.

Diante da repercussão, sei agora que não poderia ter feito uso da palavra, pois poderia ensejar má interpretação.

Peço desculpas por isso e esclareço, ainda uma vez, que jamais tive a intenção de ofender ou de manifestar discriminação, no meu caso impossível, como disse, pela experiência familiar”.

Ao analisar a Operação Lava Jato, a ministra foi extremamente infeliz e inoportuna ao afirmar que “a sociedade pode esperar o empenho dos ministros. Primeiro: tenho certeza que os ministros não são autistas. São todos eles cidadãos, que querem a jurisdição prestada e prestada com rapidez…”

Há três dias, publicamos um artigo da jornalista Claudia Silva, mãe de uma criança autista, que aceita o convite da ministra ao enfatizar, durante sua entrevista, que “o Brasil está precisando conversar muito”. Sob o título “Precisamos conversar, excelência”, Claudia mandou um duro recado à ministra num texto que fala sobre inclusão social, respeito, direitos civis e responsabilidade do poder público.

A indignação de Claudia em seu artigo é uma evidência clara de que não aceitar comentários pejorativos sobre autismo é a arma mais poderosa para combater o preconceito.

Liana Melo

Formada em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ. Especializada em Economia e Meio Ambiente, trabalhou nos jornais “Folha de S.Paulo”, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “O Dia” e na revista “IstoÉ”. Ganhou o 5º Prêmio Imprensa Embratel com a série de reportagens “Máfia dos fiscais”, publicada pela “IstoÉ”. Tem MBA em Responsabilidade Social e Terceiro Setor pela Faculdade de Economia da UFRJ. Foi editora do “Blog Verde”, sobre notícias ambientais no jornal “O Globo”, e da revista “Amanhã”, no mesmo jornal – uma publicação semanal sobre sustentabilidade. Atualmente é repórter e editora do Projeto #Colabora.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

4 comentários “As desculpas da ministra

  1. Jani disse:

    Lamentavelmente pessoas ignorantes e pobres de cultura , informação, respeito e amor nos representem, quando vamos acordar e limpar todo esse lixo do poder?

  2. Luís Cláudio Portugal do Nascimento disse:

    [email protected] [email protected],

    Parece-me que uma comunidade que prega a tolerância está se revelando extremamente intolerante. A ministra fez um comentário infeliz. Desculpou-se com muita sinceridade e de modo bastante completo. O tom da matéria de vocês era antes e continua sendo de… intolerância. Vocês estão sensíveis à intolerância alheia (mesmo quando se trata de um deslize) e não estão identificando a intolerância do tom e dos termos da matéria. Temos que superar tudo isso. Se a ministra se retratou de modo tão honesto e humilde, isto deveria contar muitíssimo mais, a meu ver, do que seu reconhecido deslize. Que tal a articulista experimentar olhar a questão com mais generosidade?

    Saudações especialmente fraternas e paz!

    Cláudio

  3. DAVID SALEK NASSAR disse:

    É EXTREMAMENTE GRATIFICANTE , RECEBER O PEDIDO DE DESCULPAS , POR PARTE DE UMA PESSOA , ONDE LAMENTAVELMENTE , MUITOS SE JULGAM INTOCÁVEIS.RECONHECEU O SEU ERRO , FOI DIGNA E HUMILDE EM SE DESCULPAR E MOSTROU, QUE DEVEMOS SIM , PREGAR SEMPRE O DIÁLOGO , COM TOLERÂNCIA E RESPEITO.PARABÉNS MINISTRA , PELA RETRATAÇÃO.ACEITO VOSSA DESCULPAS E AGRADEÇO POR TER RECONHECIDO O SEU EQUÍVOCO.ERRAR É MERAMENTE HUMANO , INSISTIR NO ERRO , É IGNORÂNCIA…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *