Mulheres atletas trans viram alvo de autoridades esportivas e políticas

Atletas e ex-atletas fazem manifestação contra a participação de mulheres trans no esporte feminino:, alvos de federações esportivas internacionais e governos estaduais nos EUA (Foto: Anna Moneymaker / Getty Images / AFP -23/06/2022)

Federações internacionais e legislações estaduais nos EUA priorizam banir mulheres trans a enfrentar os graves problemas do esporte feminino

Por The Conversation | ArtigoODS 10ODS 5 • Publicada em 8 de julho de 2022 - 10:37 • Atualizada em 11 de julho de 2022 - 10:07

Compartilhe

Atletas e ex-atletas fazem manifestação contra a participação de mulheres trans no esporte feminino:, alvos de federações esportivas internacionais e governos estaduais nos EUA (Foto: Anna Moneymaker / Getty Images / AFP -23/06/2022)

(MacIntosh Ross e Matthew R. Hodler*) – Um tsunami de intolerância tomou conta do mundo esportivo. Onda após onda de preconceito continua a dificultar a participação esportiva equitativa, e as notícias mais recentes lançam atletas trans de todas as idades ao mar em uma corrente turbulenta de exclusão e estigmatização.

A Federação Internacional de Natação recentemente implementou medidas tão absurdas – um atleta deve fazer a transição completa aos 12 anos – que os atletas trans agora são funcionalmente banidos, pois poucas jurisdições oferecem tais terapias até depois da puberdade. Mas não é apenas na natação: a Liga Internacional de Rugby recentemente proibiu jogadores trans, enquanto revisa suas próprias políticas.

Leu essa? Fugindo da transfobia: a história de uma brasileira refugiada na Itália

Algumas das medidas mais chocantes e excludentes, no entanto, foram inventadas em alguns pontos dos Estados Unidos, onde as crianças estão sendo negadas a oportunidade de praticar esportes com base em suas identidades de gênero; algumas legislaturas estaduais estão até considerando proibir o acesso a pessoas trans. – atendimento médico específico.

Em pesquisa recente do jornal Washington Post e da Universidade de Maryland, a maioria dos americanos disse se opor à inclusão de atletas trans em esportes para meninas ou mulheres no ensino médio (55%), na faculdade (58%) e em nível profissional (58%) por cento). Quando se trata apenas de esporte juvenil, sem definição de gênero, os resultados mudaram um pouco: 49% dos entrevistados se opuseram à inclusão de atletas trans, com 33% a favor da inclusão e 17% sem ter opinião.

Os legisladores republicanos, no entanto, estão excluindo jovens trans do esporte em um ritmo chocante, com estado após estado aprovando legislação para limitar seu acesso ao esporte. Mais de duas dúzias de estados proibiram jovens transgêneros de praticar esportes por causa de sua identidade de gênero desde 2021.

Em março, o governador de Oklahoma, Kevin Stitt, sancionou a “Lei de Salvação do Esporte Feminino”, provocando uma onda de legislação transfóbica relacionada ao esporte em toda a América. A linguagem da nova legislação do estado do Oklahoma revela o pânico moral que impulsionou seu desenvolvimento: “Sendo imediatamente necessária à preservação da paz, saúde ou segurança pública, declara-se situação de emergência, pelo que este ato entrará em vigor e estará em pleno vigor imediatamente após a sua aprovação”, estabelecia a mensagem enviada pelo Executivo e aprovada pelo Legislativo estaduas.

Imagine ouvir que excluir você ou seu filho do esporte é uma “emergência” para o estado; 2ue reconhecer o direito de inclusão de uma pessoa trans equivale a uma ameaça de “segurança” ou “saúde”.

A versão da proibição de Ohio foi ainda mais agressiva. Qualquer atleta do ensino médio, mesmo suspeito de ser transgênero, pode ser submetido a um exame genital.

A médica e deputado estadual Beth Liston, do Partido Democrata, destacou o pânico equivocado alimentado pelos republicanos em entrevista sobre a lei no Ohio Capital Journal. “Não há uma série de sonhos de meninas sendo destruídos; há uma criança tentando jogar em seu time de esportes do ensino médio… Esta é uma controvérsia inventada e esta emenda é bullying sancionado pelo estado”, afirmou.

Os legisladores estaduais – como os de Oklahoma e Ohio – que defendem leis semelhantes à tal “Lei de Salvação do Esporte Feminino” são até certo ponto apoiados pelos campos binários das competições esportivas, baseados no sexo. Mas o sexo não é binário. Ele existe em um continuum (série de acontecimentos sequenciais e ininterruptos.

O tipo de binarismo empregado pelos legisladores americanos, embora alegando proteger as mulheres, está reforçando categorias sexuais ultrapassadas e socialmente construídas que favorecem alguns atletas em detrimento de outros. E a situação das mulheres trans é particularmente assustadora. Como os estudiosos do esporte C.B. Lucas-Carr e Vikki Crane explicam no livro The Sport Psychologist (O Psicólogo do Esporte), “a adesão rigorosa a esse binarismo resultou no apagamento e estigmatização de indivíduos transgêneros”.

Autoridades esportivas canadenses – reconhecendo a queda do modelo binário para o esporte – seguiram uma direção diferente. Em 2012, o Canadian Centre for Ethics in Sport (CCES – Centro Canadense pela Ética no Esporte) reuniu um painel de especialistas, incluindo representantes de entidades de mulheres atletas, para discutir a inclusão de atletas transgêneros no esporte.

Após o evento, o CCES publicou um relatório, Sport in Transition: Making Sport in Canada More Responsible (Esporte em Transição: Fazendo o Esporte no Canadá Mais Responsável, abraçando a autoidentificação de gênero, permitindo que um atleta possa competir na categoria que melhor reflete sua identidade, protegendo seus “direitos fundamentais de escolha, auto determinação e privacidade para todos os participantes.”

Embora alguns canadenses certamente estivessem céticos de que tal inclusão pudesse funcionar, observou a estudiosa de esportes Sarah Teetzel, o sistema esportivo canadense não foi dominado por uma onda de chamados “impostores” entrando no esporte feminino. Os críticos estavam errados. E os legisladores por trás dos “Save Women’s Sports Acts” estão errados.

Com casos em massa de agressão sexual e física, falta de acesso a recursos, desigualdade salarial, sub-representação de mulheres em cargos de liderança, cobertura desigual da mídia e assim por diante, não podemos fingir que os esportes femininos – seja para mulheres adultas ou para meninas – são perfeitos. Mas nenhuma dessas leis “para salvar o esporte feminino” realmente aborda esses problemas generalizados no esporte feminino.

Legisladores e órgãos governamentais não estão garantindo ou promovendo ativamente o acesso equitativo a instalações e outros recursos; igualdade de remuneração para atletas e trabalhadores do esporte feminino; ou até mesmo fortalecimento de proteções contra abuso sexual e físico por parte de treinadores, professores e administradores. Em vez disso, eles escolheram atacar mulheres trans.

MacIntosh Ross é professor de Cinesiologia da Western University (Ontário, Canadá); Matthew R. Hodler é professor de Mídia e Comunicação Esportiva, da Universidade de Rhode Island (EUA)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.