Leão com pneumonia: covid-19 em animais exige estudos aprofundados

Leão na África do Sul: pesquisa feita em zoológico descobriu três leões e um puma com covid-19 e um deles desenvolveu pneumonia (Foto: Roger La Harpe / Biosphoto / AFP – 04/12/2020)

De gatos a tigres, de cães a gorilas, multiplicam-se os casos de infecção por coronavírus, ainda pouco estudados, em bichos domésticos e selvagens

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 11 de fevereiro de 2022 - 09:49 • Atualizada em 16 de fevereiro de 2022 - 11:21

Compartilhe

Leão na África do Sul: pesquisa feita em zoológico descobriu três leões e um puma com covid-19 e um deles desenvolveu pneumonia (Foto: Roger La Harpe / Biosphoto / AFP – 04/12/2020)

(Adriano Mendes, Amy Stryholm, Katja Koeppel e Marietjie Venter*) – O SARS-CoV-2 é a causa da doença que conhecemos como covid-19. Embora essa doença tenha causado estragos em todas as populações humanas em todo o mundo, o que não é tão apreciado é que o vírus também pode infectar uma variedade de animais.

A Organização Mundial de Saúde Animal relatou surtos de SARS-CoV-2 em gatos, cães, furões, martas, lontras, leões, tigres, pumas, leopardos da neve, gorilas, veados de cauda branca, gato pescador, quati da América do Sul, hiena manchada, urso-gato-asiático, lince euro-asiático e lince do Canadá. Recentemente, o vírus foi identificado em hamsters de estimação após a transmissão zoonótica reversa de humanos.

Leu essa? Por que a Ômicron pode ser a última ‘variante de preocupação?’

Em nosso artigo, relatamos a infecção de um puma exótico (julho de 2020) e três leões africanos (julho de 2021) em um zoológico particular em Joanesburgo, África do Sul. A transmissão de uma variante Delta – semelhante às que circulavam em humanos na África do Sul na época – de um tratador para os três leões foi identificada. Um leão desenvolveu pneumonia, enquanto os outros casos tiveram infecção leve. Tanto o puma quanto os leões permaneceram positivos para o RNA SARS-CoV-2 por até sete semanas, mas eliminaram completamente a infecção.

Este trabalho é o primeiro exemplo de infecção animal por SARS-CoV-2 na África e se soma a apenas um punhado de artigos que abordam globalmente a infecção em populações de leões em cativeiro. Três relatos anteriores foram publicados de zoológicos nos EUA, Índia e Barcelona.

O fato de uma ampla gama de animais parecerem suscetíveis à infecção tem pelo menos três consequências importantes.

Em primeiro lugar, não está claro o grau de gravidade da doença em diferentes animais e suas implicações no bem-estar animal. Em segundo lugar, os animais têm sistemas imunológicos diferentes e vivem em ambientes diferentes dos humanos, o que significa que haveria pressão evolutiva alterada sobre o vírus. Isso tem o potencial de influenciar o surgimento futuro de variantes virais se ocorrerem surtos mais amplos, como foi o caso de furões na Europa e cervos de cauda branca nos EUA.

Finalmente, qualquer esperança de erradicar o vírus com o uso de vacinas e antivirais precisará levar em conta o fato de que provavelmente existem bolsões de infecção animal onde o vírus ainda pode circular. Os virologistas chamam esses animais de “reservatórios”. Assim como uma represa fornece excesso de água para uma comunidade, esses animais podem abrigar o vírus depois que muitas pessoas se tornam imunes. Até o momento, houve poucos relatos desses animais transmitindo de volta para humanos e nenhum relato de grandes felinos transmitindo de volta.

Uma melhor compreensão da dinâmica de transmissão e patogênese em espécies suscetíveis mitigará o risco para humanos e animais selvagens que ocorrem na África.

Descobertas da pesquisa com animais

Em julho de 2020 e novamente em junho de 2021, uma de nós (Dra. Katja Koeppel) foi alertada sobre dois pumas e três leões com sintomas de doenças respiratórias, alojados em um zoológico nos arredores de Joanesburgo. Estes incluíam sintomas semelhantes à covid-19 (e muitas infecções respiratórias virais), como tosse, dificuldade em respirar e perda de apetite. Pelo menos, um dos leões teve pneumonia.

Inicialmente esses animais foram tratados com antibióticos, o que não funcionou. Foi então que Koeppel se conectou ao programa Zoonotic arbo- and Respiratory virus Research no Centro de Zoonoses Virais da Universidade de Pretória para testar o SARS-CoV-2. Um puma e todos os três leões testaram positivo para PCR.

Com a cooperação útil do zoológico, foi iniciada uma investigação sobre o surto de leões em 2021. Todos os funcionários que estiveram em contato com os leões foram entrevistados e submetidos a testes de COVID-19. Encontramos dois dos 12 membros da equipe PCR positivos, indicando uma infecção ativa por SARS-CoV-2. Além disso, outros três membros da equipe tinham anticorpos para o vírus, indicativos de uma infecção anterior. Apenas um membro da equipe relatou um teste positivo anterior.

A investigação concluiu assim que quatro funcionários foram infectados de forma assintomática com SARS-CoV-2 enquanto estavam em contato com os leões. Usando análises genéticas adicionais, determinamos que todos os vírus do leão e o vírus do guardião de felinos eram quase idênticos (a variante SARS-CoV-2 Delta).

Isso sugeriu que todos os leões e pelo menos um dos membros da equipe estavam envolvidos em uma única cadeia de transmissão. Como os leões estavam em duas gaiolas diferentes e não em contato com outros animais, o vírus provavelmente foi transmitido do humano para as duas gaiolas.

Se leões e outros animais podem pegar covid-19, o que devemos fazer sobre isso?

Necessidade de vigilância mais ampla necessária

Um crescente corpo de pesquisas mostra que os protocolos covid-19 devem ser estendidos para áreas em que há uma interface humano-animal. Estes incluem zoológicos, santuários de vida selvagem e fazendas de caça.

Isso é de vital importância para as regiões que dependem do ecoturismo, como é o caso em grande parte da África. Protocolos simples de prevenção à covid-19, como exames regulares de saúde, higiene das mãos e, o mais importante, mascaramento consistente, serão tão eficazes para impedir a propagação do novo coronavírus para animais quanto o foi para os humanos.

Nossa pesquisa também ilustra o perigo potencial que o SARS-CoV-2 representa para a saúde animal. Como está sendo relatado atualmente nos EUA, o vírus se espalhou para populações de cervos selvagens de cauda branca em vários estados. Uma vez na natureza, o vírus será difícil de controlar. Felizmente, os cervos parecem não ser afetados pela doença.

Os leões em nosso estudo se recuperaram bem após o tratamento com antiinflamatórios, antibióticos e vitaminas. O leão com pneumonia também recebeu dexametazona, o mesmo medicamento usado em humanos. Mas os leões infectados na Índia não tiveram a mesma sorte.

À medida que a pandemia diminui, a vigilância contínua das populações de animais selvagens será vital para garantir que a pandemia não mude para outra esfera da vida.

*Adriano Mendes é pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Pretoria (África do Sul); Amy Strydom é microbiologista e cientista do Instituto Federal Alemão de Avaliação de Risco; Katja Koeppel é professor de Saúde de Animais Selvagens na Universidade de Pretoria; e Marietjie Venter é chefe do Programa de Zoonótica e Vírus Respiratórios e professora do Departamento de Virologia Médica da Universidade de Pretoria

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile