Por que a Ômicron pode ser a última variante de ‘preocupação’?

Teste para a variante Ômicron na Alemanha: para imunologista, esta pode ser a última variante “de preocupação” do novo coronavírus (Foto: Frank Hoermann / Sven Simon / dpa / AFP)

Imunologista prevê que novas mutações do coronavírus vão aparecer mas encontrarão sistemas imunológicos mais preparados

Por The Conversation | ArtigoODS 3 • Publicada em 7 de janeiro de 2022 - 11:51 • Atualizada em 10 de janeiro de 2022 - 10:16

Compartilhe

Teste para a variante Ômicron na Alemanha: para imunologista, esta pode ser a última variante “de preocupação” do novo coronavírus (Foto: Frank Hoermann / Sven Simon / dpa / AFP)

(Ben Krishna*) – Se os vírus estão vivos ainda é uma questão controversa, mas, como todas as coisas vivas, eles evoluem. Esse fato ficou muito claro durante a pandemia, com o surgimento regular de novas variantes preocupantes sacudindo as notícias.

Algumas dessas variantes foram consideradas mais eficientes do que outras na propagação de pessoa para pessoa e, eventualmente, tornaram-se dominantes ao suplantar as versões mais lentas do SARS-CoV-2, o vírus responsável pela covid-19.

Essa capacidade aprimorada de propagação foi atribuída a mutações na proteína Spike – as projeções em forma de cogumelo na superfície do vírus – que permitem que ele se ligue mais fortemente aos receptores ACE2. ACE2s são receptores localizados na superfície de nossas células, como aqueles que revestem nossas vias aéreas, aos quais o vírus se liga para entrar e começar a se replicar.

Essas mutações permitiram que as variantes Alfa e depois Delta se tornassem dominantes em nível global. E os cientistas esperam que o mesmo aconteça com a Ômicron .

No entanto, um vírus não pode melhorar para sempre.

Ômicron, a ‘melhor’ versão possível do SARS-CoV-2?

As leis da bioquímica fazem com que o SARS-CoV-2 eventualmente desenvolva uma proteína Spike que se liga ao ACE2 tão fortemente quanto possível. A partir daí, a velocidade de propagação do vírus não será mais limitada por sua capacidade de se anexar às nossas células; outros fatores limitarão sua disseminação, como a taxa de replicação de seu genoma, a velocidade com que pode entrar na célula e a quantidade de novos vírus que um ser humano infectado pode produzir e disseminar.

Em princípio, todos esses fatores devem eventualmente evoluir em direção ao desempenho máximo.

A variante Ômicron atingiu este pico? Atualmente não há razão para acreditar que sim… Os chamados estudos de “ganho de função”, que examinam as mudanças que o SARS-CoV-2 precisa para se espalhar de forma mais eficiente, identificaram muitas mutações que melhorariam a capacidade do Spike proteína para se ligar às nossas células que a Ômicron não possui. Além disso, melhorias ainda podem ser feitas em outros aspectos do ciclo de vida do vírus, como a replicação do genoma, como mencionei acima.

Mas suponha por um momento que o Ômicron seja de fato a variante “definitiva”, aquela com capacidade máxima de propagação…

De fato, talvez as leis da probabilidade genética determinem que o SARS-CoV-2 não será capaz de fazer muito melhor? Da mesma forma que as zebras não desenvolveram olhos na nuca para evitar predadores, é plausível que o vírus da covid-19 não consiga atingir seu máximo teórico porque teria que obter todas as mutações potenciais necessárias ao mesmo tempo – o que seria muito improvável.

Mas mesmo em um cenário onde Ômicron seria a melhor variante em termos de propagação entre humanos, novas variantes continuarão a aparecer em uma tentativa de contornar nossas defesas imunológicas.

Após uma infecção viral, o sistema imunológico se adapta produzindo anticorpos, que se ligam ao invasor para neutralizá-lo, e células T assassinas, que destroem as células infectadas. Os anticorpos são pequenas moléculas de proteína que reconhecem especificamente certas porções do vírus, e as células T killer também reconhecem as células infectadas por sua forma alterada. O SARS-CoV-2 pode tentar escapar do sistema imunológico mudando o suficiente para que sua “aparência” não seja mais reconhecida por nossas células de defesa.

É por isso que a Ômicron parece ter tanto sucesso em infectar pessoas que já estão imunes, por vacinação ou infecção anterior: as mutações que permitem que sua proteína Spike se ligue melhor ao nosso ACE2 também reduzem a capacidade dos anticorpos de reconhecer o vírus e neutralizá-lo.

Em contraste, os dados da Pfizer sugerem que as células T devem responder de forma semelhante a Ômicron e variantes anteriores. Isso corresponde à observação de que a nova variante tem uma taxa de mortalidade mais baixa na África do Sul, onde a maioria das pessoas é imune.

Este é um ponto importante: a exposição anterior ainda parece proteger contra formas mais graves de doença e morte. Estamos, portanto, em uma situação de “compromisso”, em que o vírus pode se replicar e reinfectar ex-pacientes, mas não estamos tão gravemente doentes como da primeira vez.

Futuro possível

É aqui que reside o futuro mais provável deste vírus – e o nosso. Mesmo que ele se comporte como um jogador profissional e acabe maximizando todas as suas estatísticas, não há razão para acreditar que ele não será controlado e eliminado pelo sistema imunológico. Mutações que melhoram sua capacidade de propagação não aumentam significativamente o número de mortes.

Esse vírus, da melhor forma possível, pode então continuar a sofrer mutações de maneira aleatória, mudando o suficiente com o tempo para se tornar irreconhecível para as defesas adaptadas do sistema imunológico e permitindo reinfecções.

Poderíamos ter uma temporada de covid-19 a cada inverno, da mesma forma que já temos uma temporada de gripe na mesma época. Os vírus da gripe também podem exibir um padrão semelhante de mutação ao longo do tempo, conhecido como “deriva do antígeno”, resultando em reinfecções. Os novos vírus da gripe anuais não são necessariamente melhores (com melhor desempenho) do que no ano anterior, mas apenas diferentes o suficiente.

Talvez o melhor argumento a favor dessa possibilidade para o SARS-CoV-2 seja que já exista um coronavírus vizinho, o HCoV-229E, que evoluiu nessa direção e é um dos culpados dos nossos resfriados.

A Ômicron não será, portanto, a variante final… mas poderia ser a última variante “de preocupação” de acordo com a terminologia da OMS . Se tivermos sorte, e devemos lembrar que a evolução desta pandemia é difícil de prever, o SARS-CoV-2 pode se tornar um vírus endêmico que sofre mutações lentamente ao longo dos anos.

A doença resultante pode se tornar leve, já que exposições anteriores podem criar imunidade capaz de reduzir a probabilidade de hospitalização e morte. A maioria das pessoas seria infectada pela primeira vez na infância, o que poderia acontecer antes ou depois da vacina, e as reinfecções subsequentes dificilmente seriam notadas…

Mesmo assim, um grupo de cientistas continuará monitorando as modificações genéticas do SARS-CoV-2 – enquanto as novas variantes não forem preocupantes. Até que um próximo vírus, por sua vez, atravesse a barreira das espécies.

*Ben Krishna é pesquisador de pós-doutorado em Imunologia e Virologia na Universidade de Cambridge (Inglaterra)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile