Fracasso na testagem facilita avanço da pandemia nos EUA

Longa fila para testagem na Flórida: dificuldades para a realização de testes atrapalham combate à pandemia nos EUA (Chandan Khanna/AFP)

Especialista defende que testes precisam ser mais acessíveis, mais precisos e mais rápidos para redução do número de casos no país

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 28 de julho de 2020 - 08:23 • Atualizada em 29 de julho de 2020 - 12:10

Compartilhe

Longa fila para testagem na Flórida: dificuldades para a realização de testes atrapalham combate à pandemia nos EUA (Chandan Khanna/AFP)

*Zoë McLaren

Para muitas pessoas nos EUA, fazer o teste para covid-19 é uma luta. No Arizona, os locais de testes provocam filas de centenas de carros que se estendem por mais de um quilômetro. No Texas e na Flórida, pessoas chegam a aguardar cinco horas para testes gratuitos. A inconveniência dessas longas esperas desencoraja as pessoas. Com o aumento dos casos, locais públicos de testagem atingiram a capacidade máxima poucas horas após a abertura, deixando muita gente impossibilitada de realizar o teste. Quem consegue ser testado geralmente enfrenta uma espera de uma semana para obter o resultado.

Todas as pessoas não testadas podem espalhar o coronavírus sem saber. Esses programas de teste sobrecarregados são um elo fraco na resposta à pandemia nos EUA. O país vem registrando seguidos recordes de casos – uma média de mais de 60 mil por dia – e o número de óbitos diários voltou a subir: na semana passada, a média voltou ficar próxima a mil mortes a cada 24h, número inferior apenas a do Brasil

Estudo políticas de saúde pública para combater epidemias de doenças infecciosas. A chave para superar essa pandemia é retardar a transmissão do vírus, impedindo que pessoas contagiosas infectem outras pessoas. Uma quarentena generalizada conseguiria isso, mas é econômica e socialmente onerosa. O teste oferece uma maneira de identificar pessoas contagiosas para que possam ser isoladas para impedir a propagação da doença. Isso é especialmente importante para a covid-19, porque cerca de 40% ou mais de todas as pessoas infectadas com SARS-CoV-2 têm poucos ou nenhum sintoma; portanto, o teste é a única maneira de identificá-los.

Alguns estados estão se saindo muito melhor que outros. Mas, como um todo, os Estados Unidos estão aquém da quantidade de testes necessários para controlar a pandemia. Quais são os desafios que os EUA estão enfrentando? E qual é o caminho a seguir?

O objetivo final do teste é que todos, independentemente dos sintomas, saibam sempre se estão infectados com o coronavírus. Para atingir esse nível de teste, os testes devem ser gratuitos, muito fáceis de executar e fornecer resultados precisos rapidamente.

Idealmente, os testes gratuitos COVID-19 seriam entregues diretamente a todos. Os testes seriam simples de executar – como um teste de saliva – e dariam um resultado perfeitamente preciso em questão de minutos. Todos podiam testar-se semanalmente ou a qualquer momento em contato íntimo com outras pessoas. Nesse cenário ideal, a maioria das pessoas contagiosas, senão todas, seria detectada antes que elas pudessem espalhar o vírus para outras pessoas. E, devido aos resultados rápidos, não haveria ônus de quarentena entre fazer o teste e obter o resultado.

Os pesquisadores estão trabalhando em testes de melhor qualidade, mas o acesso é um problema de infraestrutura, não de ciência. No momento, nenhum lugar nos EUA chega perto de atender à crescente demanda por testes.

Fila de carros para testagem de covid-19 em escola de Houston: texanos enfrentam filas de horas e resultados demoram até uma semana (Foto: Mark Félix/AFP)
Fila de carros para testagem de covid-19 em escola de Houston: texanos enfrentam filas de horas e resultados demoram até uma semana (Foto: Mark Félix/AFP)

O péssimo caso do Texas

A dificuldade de fazer o teste para covid-19 varia de acordo com o estado, mas atualmente as pessoas no Texas enfrentam alguns dos maiores obstáculos, o que resulta em muito menos testes do que o necessário para controlar a pandemia. Primeiro, a cidade Houston – que está passando por um aumento acelerado nos casos – e muitos locais de testes em todo o estado recomendam ou oferecem testes apenas para pessoas com sintomas, ou que tiveram contato com pessoas infectadas ou são membros de um grupo de alto risco.

Mesmo as pessoas recomendadas para testes ainda enfrentam desafios. É possível solicitar uma consulta para um teste gratuito para covid-19, mas as instalações de teste têm limitações na capacidade de atendimento a pacientes por dia e as vagas de teste são preenchidos rapidamente. Mesmo se alguém conseguir um compromisso, poderá enfrentar uma espera de uma hora no local do teste.

Por fim, os especialistas em saúde pública recomendam que as pessoas que possam ter sido expostas ao coronavírus devam ficar em quarentena em casa por 14 dias ou até receberem um resultado negativo. No Texas, os pacientes devem obter resultados através de um portal on-line em três a cinco dias, mas muitos laboratórios demoram sete a nove dias para retornar os resultados. Esses longos atrasos significam que as pessoas enfrentam uma carga muito maior de quarentena enquanto aguardam resultados. Todos esses desafios deixam claro que o Texas simplesmente não está testando pessoas suficientes para controlar a disseminação da covid-19.

Clique para acompanhar a cobertura completa do #Colabora sobre a pandemia do coronavírus

Para avaliar o sucesso dos programas de teste para covid-19, os epidemiologistas usam uma medida chamada positividade do teste. Esta é simplesmente a porcentagem de testes que retornam positivos. Quanto menor a positividade do teste, melhor, porque isso significa que poucos casos passam despercebidos. Uma alta taxa de positividade do teste geralmente é um sinal de que apenas as pessoas mais doentes estão sendo testadas e muitos casos estão sendo perdidos.

As diretrizes da Organização Mundial da Saúde dizem que, se mais de 1 em cada 20 testes COVID-19 voltar positivo – uma positividade em mais de 5% – isso é uma indicação de que muitos casos não são diagnosticados e a epidemia não está sob controle. . Atualmente, o Texas tem uma positividade de teste de cerca de 16%, o que significa que muitas pessoas infectadas não estão sendo testadas e podem estar transmitindo a doença sem saber.

O caso exemplar do Novo México

Em forte contraste com o Texas, está o vzinho Novo México, que tem um dos mais fortes programas de testes nos EUA. Primeiro, as autoridades de saúde pública incentivam todos a fazer o teste para o COVID-19, independentemente de sintomas ou exposição. O estado também proibiu os provedores de saúde de cobrar dos pacientes pelos testes. As pessoas que procuram um teste têm a opção de entrar ou marcar uma consulta com antecedência, o que for mais conveniente.

Todo esse acesso relativamente bom a testes resultou em uma das mais altas taxas de testes per capita do país, com mais de 20.000 testes por 100.000 pessoas, e uma taxa de positividade de teste de cerca de 4%. O programa de testes do Novo México está diagnosticando uma proporção relativamente alta de casos, apesar do estado sofrer um aumento recente.

O Novo México ainda tem espaço para melhorias. Filas longas, tempos de espera e capacidade limitada estão se tornando mais comuns à medida que os casos surgem, mas a fundação de um forte programa de testes ajudou o estado a lidar com o aumento de casos.

Ponto de testagem em Los Angeles, Califórnia, apenas com hora marcada: testes gratuitos são poucos e com procura muito maior que capacidade (Valerie Macon/AFP)
Ponto de testagem em Los Angeles, Califórnia, apenas com hora marcada: testes gratuitos são poucos e com procura muito maior que capacidade (Valerie Macon/AFP)

Os recursos de teste de doenças infecciosas pré-pandêmicas nos EUA são claramente incapazes de atender à demanda atual. É necessária uma resposta nacional e há três coisas que o Congresso, o governo federal e os governos locais podem fazer para ajudar a garantir que os testes para covid-19 sejam fáceis de obter, rápidos e precisos.

Primeiro, o Congresso pode fornecer fundos para estimular a cadeia de suprimentos de testes, ampliar os programas de testes existentes e promover a inovação no desenvolvimento de testes. Segundo, os governos podem melhorar o gerenciamento e a coordenação dos programas de teste para usar com mais eficiência os recursos existentes. E terceiro, métodos de teste inovadores – que exigem menos capacidade dos laboratórios como testes em tira de papel e testes em grupo – precisam ser aprovados e implementados mais rapidamente.

Cada pequena melhoria nas capacidades de teste significa que mais casos de covid-19 podem ser detectados antes da transmissão do vírus. E diminuir a propagação do vírus é a chave para superar a pandemia.

*Professora de Políticas Públicas da Universidade de Maryland (EUA)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *