Diário da Covid-19: Brasil teve 51 mil mortes nos primeiros 51 dias de 2021

Na entrada da favela Solar do Unhão, em Salvador, o grafite do artista Marcos Costa, ou Spray Cabuloso. Esta semana o govenador da Bahia decretou toque de recolher por conta os hospitais lotados no Estado. Foto Antonello Veneri/AFP. Abril/2020

País ultrapassou a marca de 10 milhões de casos da doença e se aproxima das 250 mil vidas perdidas

Por José Eustáquio Diniz Alves | ODS 3 • Publicada em 21 de fevereiro de 2021 - 11:14 • Atualizada em 24 de fevereiro de 2021 - 08:26

Compartilhe

Na entrada da favela Solar do Unhão, em Salvador, o grafite do artista Marcos Costa, ou Spray Cabuloso. Esta semana o govenador da Bahia decretou toque de recolher por conta os hospitais lotados no Estado. Foto Antonello Veneri/AFP. Abril/2020

O Brasil ultrapassou 10 milhões de pessoas infectadas no dia 18 de fevereiro e somou 2,5 milhões de casos da covid-19 somente nos primeiros 51 dias de 2021 (média de 48,3 mil casos diários). Lamentavelmente, ainda registrou 51 mil vidas perdidas nos primeiros 51 dias de 2021 (o número exato foi 51.028 mortes, com média de 1.001 óbitos diários). No dia 10 de dezembro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro teve a infeliz ideia de dizer que a pandemia da covid-19 estava “no finalzinho”. De fato, não foi uma boa ideia, pois nos últimos 51 dias de 2020 foram registrados 1,97 milhão de casos (média de 38,7 mil casos diários) e 32,1 mil mortes (média diária de 630 óbitos). Desta forma, infelizmente, os primeiros 51 dias de 2021 trouxeram notícias piores do que os últimos 51 dias de 2020. Definitivamente, o controle da pandemia não está nem estava no finalzinho.

Não precisava ser assim. Existem diversos países do mundo que conseguiram barrar a transmissão comunitária descontrolada do vírus e evitaram a sobrecarga do sistema de saúde. Mesmo os países que apresentaram um elevado surto em janeiro, já apresentam significativa queda em fevereiro. Como mostramos no Diário da Covid-19 do dia 14/02, aqui no # Colabora, o Brasil está na contramão da tendência de diminuição dos números globais da pandemia.

Embora o Brasil seja o 3º país em número acumulado de casos e o 2º país em número acumulado de mortes pela covid-19, até o dia 19 de fevereiro, vacinou apenas 3% da sua população, paralisou a aplicação de doses em várias cidades e está em 57º lugar no ranking global do percentual da população vacinada. Os melhores exemplos de sucesso são Israel e Gibraltar que já vacinaram mais de 80% da população. Outros destaques são Reino Unido (25,7%), EUA (17,8%) e Chile (12,4%). No mundo já foram aplicadas 200 milhões de doses. Os continentes com maior montante de casos e mortes são a América do Norte e a Europa, que são também os mais avançados na vacinação, como proporção da população, conforme mostra o gráfico abaixo. A Ásia, mesmo tendo países gigantescos como a Índia e a China – que são produtores de vacinas – estão atrás não só da Europa e da América do Norte, mas também da América do Sul. A África é o continente com menores proporções de vacinação (apenas 0,2%), mas também é o continente com menor quantidade de casos e de mortes pela covid-19. O Japão, que é um país rico e tecnologicamente avançado, ainda está em fase embrionária de vacinação, embora pretenda organizar os Jogos Olímpicos em meados de 2021.

O fato é que as vacinas contra o novo coronavírus são muito importantes para mitigar o impacto da pandemia, mas não são uma bala de prata, por três motivos. Primeiro, porque existem muitos interesses comerciais em jogo e o acesso aos imunizantes é muito desigual entre as nações. Segundo, porque o ritmo global da vacinação está muito lento (com exceção de meia dúzia de países pequenos que conseguiram organizar os estoques e planejar eficientemente a distribuição). Terceiro, porque a vacinação não exclui outras medidas de prevenção (uso de máscaras, higiene das mãos, distanciamento social etc.) e ainda não está claro como e quando se atingirá a imunidade de rebanho.

Além do mais, para os países que já perderam o controle sobre a transmissão comunitária do vírus, é praticamente impossível eliminar o SARS-CoV-2. Seria ótimo erradicar a covid-19, mas a experiência mostra que o único vírus erradicado no mundo até agora foi o da varíola, em 1980. O mais provável é que a covid-19 deixe de ser uma pandemia e se torne uma epidemia (ou até uma endemia), ou seja, uma doença administrável, como a gripe. A vacinação e os tratamentos médicos, certamente, vão reduzir a taxa de mortalidade. Mas, provavelmente, teremos de conviver com o vírus por longo tempo. Novas variantes do coronavírus devem exigir campanhas de vacinação e os cuidados de prevenção deverão fazer parte da rotina diária, assim como as medidas rígidas de segurança viraram padrão nos aeroportos após o 11 de setembro de 2001.

O panorama nacional:

O Brasil ultrapassou 10 milhões de casos da covid-19 e o Ministério da Saúde contabilizou 10.139.148 pessoas infectadas e 245.977 vidas perdidas no dia 20 de fevereiro de 2021, com uma taxa de letalidade de 2,4%.  O gráfico abaixo, mostra que o número de casos de covid-19 na 2ª onda se mantém em um platô mais elevado do que o da 1ª onda. O pico da 2ª onda ocorreu no dia 09 de janeiro de 2021, com a média móvel atingindo o recorde de 55 mil casos diários no dia 12/01. Os números continuaram acima de 50 mil casos em janeiro, mas diminuíram um pouco em fevereiro com média de 47 mil casos diários nos primeiros 20 dias de fevereiro.

O gráfico abaixo, mostra que o cume do número diário de óbitos da covid-19 da 2ª onda já é maior do que no pico da 1ª onda. No platô anterior, o Brasil manteve uma média de 1.001 mortes diárias nos 92 dias de junho a agosto de 2020. Uma média muito aproximada tem ocorrido nos primeiros 51 dias de 2021. A média móvel de 7 dias atingiu 1.064 mortes no dia 20 de fevereiro de 2021. A marca de 250 mil vidas perdidas deve ser alcançada até 25/02.

No dia 20 de fevereiro havia 11 estados com tendência de alta da mortalidade, 11 estados estabilizados e 4 estados com tendência de baixa. No Amazonas e em Manaus os volumes de mortes diminuíram, mas continuam em elevado patamar e a situação de falta de oxigênio e de leitos não está totalmente resolvida. Porto Alegre, Porto Velho, Fortaleza e Salvador são cidades que também estão passando por grandes dificuldades. Mas Araraquara tem se destacado, pois tem batido todos os recordes de morte em fevereiro, enfrenta uma crise no sistema de saúde com 100% de ocupação dos leitos de UTI, que já dura uma semana. O aumento de casos, internações e mortes pode ter relação com a propagação da variante brasileira do SARS-CoV-2. A Prefeitura de Araraquara decretou uma quarentena de 60 horas, proibindo circulação de carros e pessoas, fechando bancos, supermercados e postos de combustíveis de 12 h de domingo (21/02) até às 24 h de terça-feira (23/02).

O panorama global

No dia 20 de fevereiro de 2021, o mundo atingiu 111 milhões de pessoas infectadas e a 2,46 milhões de vidas perdidas pela covid-19, com taxa de letalidade de 2,2%, segundo o site Our World in Data, com base nos dados da Universidade Johns Hopkins.

O gráfico abaixo, mostra o número diário de casos da covid-19 e a média móvel de 7 dias entre 01 de fevereiro de 2020 e 20 de fevereiro de 2021. Nota-se que o crescimento foi contínuo durante o ano passado, com uma aceleração em outubro até o pico de cerca de 650 mil casos em média no dia 22 de dezembro, uma pequena redução no final de dezembro e uma nova subida em janeiro de 2021 com o recorde de cerca de 740 mil casos em média no dia 11 de janeiro. Mas a partir de meados de janeiro a média móvel caiu rapidamente e chegou a 361 mil casos no dia 20/02. Pela primeira vez a média global de casos foi reduzida pela metade. A continuidade de políticas de prevenção e o avanço da vacinação devem manter esta tendência de queda.

O gráfico abaixo, mostra o número diário de óbitos da covid-19 e a média móvel de 7 dias entre 01 de fevereiro de 2020 e 20 de fevereiro de 2021. Nota-se que a média móvel apresentou um pico de cerca de 7 mil óbitos diários no dia 15/04, uma queda nos meses seguintes até o valor perto de 5 mil óbitos em 15/10 e uma nova subida até o pico de quase 12 mil óbitos diários na véspera do Natal. Os valores caíram no final de dezembro e voltaram a subir em janeiro, quando marcou um novo pico no dia 26/01 com uma média de cerca de 14,3 mil óbitos diários. Em fevereiro os números caíram e atingiram uma média de pouco menos de 10 mil óbitos diários no dia 20/02. Portanto, ocorreu uma redução de 30% na média de óbitos diários.

A covid-19 teve um impacto de US$ 24 trilhões no montante da dívida global

A pandemia do novo coronavírus é uma emergência sanitária que afetou a saúde da população mundial, já deixou mais de 111 milhões de pessoas doentes e já provocou a morte de quase 2,5 milhões de indivíduos. Mas ao mesmo tempo é uma emergência econômica, pois provocou a maior recessão do século, gerando redução da renda e aumento do desemprego, da pobreza e da fome. Para evitar uma catástrofe econômica ainda maior, os governos, as famílias e as empresas recorreram ao aumento de dívidas para enfrentar a situação econômica desfavorável.

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF), publicou, na semana passada, o monitor da dívida global mostrando que a pandemia da covid-19 acrescentou US$ 24 trilhões em 2020 ao montante da dívida global. O IIF estimou que os programas de apoio do governo foram responsáveis por metade do aumento, enquanto empresas globais, bancos e famílias adicionaram US$ 5,4 trilhões, US$ 3,9 trilhões e US$ 2,6 trilhões, respectivamente.

O IIF estima que o Produto Interno Bruto global foi de US$ 80 trilhões em 2020, enquanto a dívida global foi de US$ 281, representando 355% do PIB. Isso significou que a dívida global, como proporção do PIB, aumentou 35 pontos percentuais somente no ano passado em função da pandemia, conforme mostra o gráfico abaixo.

O alto endividamento global é um sinal de alerta para os limites das políticas fiscais de recuperação econômica. É claro que em meio à recessão e diante da alta ociosidade dos fatores de produção, o aumento do endividamento para enfrentar as emergências sociais e para estimular a retomada da economia e do emprego é um imperativo inquestionável. Mas existem gastos que dão bons resultados e gastos que dão péssimos resultados. Por conseguinte, o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão, do presidente Joe Biden, nos EUA, tem sido motivo de elogios, mas também de dúvidas sobre a capacidade da iniciativa de recuperar a economia sem gerar inflação, sem elevar os déficits gêmeos (fiscal e comercial) e sem comprometer a capacidade futura de investimentos e de elevação do bem-estar da sociedade.

No caso brasileiro há também muitas dúvidas sobre o estímulo fiscal do governo, pois o Brasil apresentou um déficit fiscal de R$ 743 bilhões em 2020 (10% do PIB), deve apresentar outro déficit elevado em 2021 (previsto para mais de R$ 250 bilhões) e a dívida pública bruta atingiu a casa dos 100% do PIB (um valor muito alto para qualquer país em desenvolvimento). Mas apesar de todo o gasto, a economia não se recuperou e o Brasil possui cerca de 30 milhões de pessoas desempregadas ou subutilizadas, como mostrei em entrevista publicada no boletim “FCS pensa a pandemia”, da faculdade de Comunicação Social, da UERJ. O certo é que existem muitas dúvidas sobre a temporalidade dos incentivos econômicos no controle dos efeitos da pandemia e sobre a retomada das atividades produtivas e da renda. As perspectivas imediatas não são boas porque os agentes econômicos, o poder político e a sociedade civil parecem caminhar em direções desencontradas, havendo pouca sinergia e muita heteronomia.

Frase do dia 21 de fevereiro de 2021

 “Se você tomar o trem errado, de nada adiantará andar pelo corredor no sentido contrário”

Dietrich Bonhoeffer (1906-1945), teólogo alemão

Referências:

ALVES, JED. Diário da Covid-19: Na contramão da queda global, mortes sobem no Brasil, # Colabora, 14/02/2021

https://projetocolabora.com.br/ods3/na-contramao-da-queda-global-mortes-sobem-no-brasil/

ALVES, JED. A encruzilhada da covid19 economia emprego e renda no Brasil pandêmico, Entrevista a Fábio Grotz, FCS/UERJ, 19/02/2021

http://www.aconteceh.uerj.br/fcs2013/?page_id=10661

IIF. Institute of International Finance. Tracking the impact of covid-19, February 2021 https://www.iif.com/

José Eustáquio Diniz Alves

José Eustáquio Diniz Alves, sociólogo, mestre em economia e doutor em Demografia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com pós-doutorado no Núcleo de Estudos de População – NEPO/UNICAMP. É professor e pesquisador independente. CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *